Noi­te mal dor­mi­da po­de ser pre­ju­di­ci­al à saú­de

Metro Brazil (Rio) - - BRASIL -

Fa­di­ga, ir­ri­ta­bi­li­da­de, bai­xa de aten­ção e per­tur­ba­ções de hu­mor em ge­ral. Es­ses são al­guns si­nais de que a noi­te an­te­ri­or po­de não ter si­do boa, diz Ma­ria Cris­ti­na, es­pe­ci­a­lis­ta em Te­ra­pia Com­por­ta­men­tal Cog­ni­ti­va (TCC), com fo­co em trans­tor­no do so­no. Po­de acon­te­cer por pro­ble­mas even­tu­ais, mas, se­gun­do ela, se o pro­ble­ma per­sis­tir, é bom pro­cu­rar aju­da lo­go. “A par­tir de um mês dor­min­do mal, é ho­ra de con­sul­tar um mé­di­co”, diz a es­pe­ci­a­lis­ta. “A insô­nia no Bra­sil atin­ge 15% da po­pu­la­ção.”

A insô­nia é con­si­de­ra­da ho­je um pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca. “Os gas­tos com o dis­túr­bio nos EUA che­gam a US$ 60 bi­lhões por ano”, afir­ma. No Bra­sil não há ainda nú­me­ros so­bre im­pac­to na eco­no­mia. “A me­di­ci­na do so­no no Bra­sil é mui­ta no­va”, ex­pli­ca Ma­ria.

A es­pe­ci­a­lis­ta aler­ta ainda que pro­ble­mas de so­no, além de es­ta­rem as­so­ci­a­dos à bai­xa de qua­li­da­de, po­dem con­tri­buir pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de do­en­ças co­mo de­pres­são, obe­si­da­de e pro­ble­mas car­di­o­vas­cu­la­res.

Os ris­cos das noi­tes mal dor­mi­das pa­ra o co­ra­ção es­tão na mi­ra de um es­tu­do da USP (Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo), ainda em an­da­men­to. Por en­quan­to, os da­dos par­ci­ais da pes­qui­sa re­a­li­za­da com 2.400 vo­lun­tá­ri­os mos­tram que 27% das pes­so­as ava­li­a­das dor­mem me­nos do que seis ho­ras por noi­te. E tam­bém que is­so po­de pre­ju­di­car o co­ra­ção.

Pa­ra Ma­ria Cris­ti­na, em­bo­ra se­ja sau­dá­vel uma soneca à tar­de, is­so não re­põe as ho­ras de uma noi­te mal dor­mi­da. “So­no é quan­ti­da­de e qua­li­da­de”, con­clui a es­pe­ci­a­lis­ta.

DI­VUL­GA­ÇÃO

Ca­bi­nes re­mo­tas se­rão ins­ta­la­das na ave­ni­da Pau­lis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.