Do­no da J&F quer acor­do pa­ra li­be­rar no­vos áu­di­os

Jo­es­ley ad­mi­te ter gra­va­ções iné­di­tas que es­ta­ri­am no ex­te­ri­or e se­ri­am usa­das co­mo con­tra­par­ti­da pa­ra ten­tar man­ter a de­la­ção

Metro Brazil (Rio) - - BRASIL - www.metrojornal.com.br MARCELO FREITAS METRO BRA­SÍ­LIA

Em de­poi­men­to ao MPF (Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral) na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra – e tor­na­do pú­bli­co on­tem –, o em­pre­sá­rio Jo­es­ley Ba­tis­ta ad­mi­tiu que man­tém um acer­vo de con­ver­sas gra­va­das iné­di­tas que são guar­da­das no ex­te­ri­or. O do­no do gru­po J&F não sou­be pre­ci­sar a quan­ti­da­de de áu­di­os nem to­das as pes­so­as que fo­ram gram­pe­a­das. “Gra­vei até amigos”, ad­mi­tiu o em­pre­sá­rio.

As gra­va­ções de­vem ser usa­das por Jo­es­ley co­mo um trun­fo pa­ra ten­tar man­ter a de­la­ção pre­mi­a­da.

A es­tra­té­gia da de­fe­sa é pre­ser­var as pro­vas in­tac­tas e só apre­sen­tá-las co­mo con­di­ção à con­ti­nui­da­de do acor­do que pre­viu imu­ni­da­de com o di­rei­to de não ser pre­so.

O di­re­tor Ri­car­do Saud tam­bém foi ques­ti­o­na­do so­bre a exis­tên­cia de no­vos áu­di­os, mas ne­gou di­zen­do que to­dos que ti­nha fo­ram en­tre­gues na se­ma­na pas­sa­da, em­bo­ra te­nha ad­mi­ti­do ter gra­va­do uma con­ver­sa com o ex-mi­nis­tro da Jus­ti­ça Jo­sé Edu­ar­do Car­do­zo.

O pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Ro­dri­go Ja­not, afir­ma no pe­di­do de pri­são que tan- to Jo­es­ley qu­an­to Saud omi­ti­ram ter fei­to no­vas gra­va­ções e su­ge­riu que te­ria par­ti­do do ex-pro­cu­ra­dor Marcelo Mil­ler a ideia de en­vi­ar os ar­qui­vos pa­ra fo­ra do país.

Ex-mi­nis­tro

Car­do­zo foi ci­ta­do co­mo be­ne­fi­ciá­rio de um ‘con­tra­to fic­tí­cio’ de R$ 70 mil a R$ 80 mil. O es­cri­tó­rio de Mar­co Au­ré­lio Car­va­lho, só- cio de Car­do­zo, te­ria si­do con­tra­ta­do pa­ra pres­tar ser­vi­ço pa­ra a JBS. Jo­es­ley dis­se, po­rém, que o di­nhei­ro ser­via pa­ra man­ter o bom re­la­ci­o­na­men­to com o ex-mi­nis­tro.

Nos áu­di­os que le­va­ram à sus­pen­são da de­la­ção, Jo­es­ley in­di­ca ter Car­do­zo co­mo al­vo pa­ra che­gar a pe­lo me­nos cin­co mi­nis­tros do STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral).

“Foi elu­cu­bra­ção de bê­ba- dos em ca­sa e so­zi­nhos”, ale­gou Jo­es­ley no de­poi­men­to.

O ad­vo­ga­do Mar­co Au­ré­lio afir­mou ter co­mo pro­var a pres­ta­ção de ser­vi­ço e que Car­do­zo não era só­cio na épo­ca re­la­ta­da pe­lo de­la­tor.

O ex-mi­nis­tro ad­mi­tiu ter par­ti­ci­pa­do de um jan­tar com Jo­es­ley e Saud, mas que re­ce­be a acu­sa­ção com ‘in­dig­na­ção’ e que as pa­la­vras do de­la­tor ‘não me­re­cem cre­di­bi­li­da­de’.

Pa­tro­cí­nio

Jo­es­ley tam­bém de­cla­rou no de­poi­men­to que a J&F pa­tro­ci­nou vá­ri­os even­tos e pa­les­tras do IDP (Ins­ti­tu­to de Di­rei­to Pú­bli­co), do mi­nis­tro Gil­mar Men­des, do STF.

Em no­ta, o IDP ad­mi­tiu ter re­ce­bi­do R$ 1,5 mi­lhão em pa­tro­cí­nio de ju­nho de 2015 a maio pas­sa­do, quan­do os con­tra­tos fo­ram res­cin­di­dos. “A con­du­ta das em­pre­sas do gru­po J&F era con­si­de­ra­da exem­plar, no Bra­sil e em to­dos os paí­ses on­de atu­am”, jus­ti­fi­cou o ins­ti­tu­to.

| UESLEI MAR­CE­LI­NO/REU­TERS

Jo­es­ley che­gou on­tem à PF em Bra­sí­lia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.