O LA­DO OCULTO DE LON­DRES

TEX­TOS E HQS DE AU­TO­RES CULTUADOS RE­VE­LAM MIS­TÉ­RI­OS DA CI­DA­DE

Metro Brazil (Rio) - - FRONT PAGE - CAR­LOS MINUANO METRO SÃO PAU­LO

Vo­cê sa­bia que o ce­mi­té­rio mais ba­da­la­do do pla­ne­ta es­tá lo­ca­li­za­do na ca­pi­tal da In­gla­ter­ra? Me­ca de so­ci­a­lis­tas e al­vo de aten­ta­dos da ex­tre­ma-di­rei­ta por cau­sa do tú­mu­lo de Karl Marx, o High­ga­te Ce­me­tery é a mo­ra­da tam­bém de ou­tros ilus­tres, co­mo Dou­glas Adams (au­tor de “O Guia do Mo­chi­lei­ro das Ga­lá­xi­as”) e Mal­con McLa­ren (in­ven­tor dos Sex Pis­tols). Es­se é ape­nas um dos lo­cais vi­si­ta­dos no re­cém-lan­ça­do “A Vi­da Se­cre­ta de Lon­dres” (Edi­to­ra Ve­ne­ta, 176 págs., R$ 69,90). Em qu­a­dri­nhos e crô­ni­cas de au­to­res co­mo Alan Mo­o­re (“Wat­ch­men” e “Do In­fer­no”) e Neil Gai­man (“Sand­man”), o li­vro ma­peia as en­tra­nhas mais inu­si­ta­das, sór­di­das e si­nis­tras da ci­da­de.

O guia atí­pi­co, or­ga­ni­za­do pe­lo ar­gen­ti­no ra­di­ca­do na In­gla­ter­ra, Os­car Za­ra­te, pas­seia por ru­as es­qui­si­tas, ho­téis va­ga­bun­dos e to­do o ti­po de bu­ra­co imun­do, on­de cir­cu­lam jun­ki­es, bê­ba­dos, pros­ti­tu­tas, mar­gi­nais e ban­di­dos de to­das as es­pé­ci­es. Lu­ga­res on­de a me­lhor op­ção, cer­ta­men­te, é não ti­rar selfies. En­tre os lo­cais, por exem­plo, o pub pre­fe­ri­do das vítimas de Jack, o Es­tri­pa­dor, ce­ná­rio da HQ “Do In­fer­no”, é re­vi­si­ta­do por Mo­o­re.

O pas­seio in­clui uma pas­sa­di­nha por uma das som­bri­as igre­jas pro­je­ta­das pe­lo bri­tâ­ni­co Ni­cho­las Hawks­mo­or, que ga­nhou o ape­li­do de “ar­qui­te­to do di­a­bo”. Com seu as­pec­to fu­nes­to, o lu­gar pa­re­ce mais apro­pri­a­do pa­ra a re­a­li­za­ção de ri­tu­ais sa­tâ­ni­cos. Te­o­ri­as cons­pi­ra­tó­ri­as ga­ran­tem que a feiu­ra do lo­cal te­ria aju­da­do a mo­ti­var os cri­mes bár­ba­ros de Jack, o Es­tri­pa­dor.

As in­fluên­ci­as da pai­sa­gem ur­ba­nís­ti­ca e da ar­qui­te­tu­ra so­bre o com­por­ta­men­to e a emo­ção das pes­so­as in­ter­li­gam co­mo um fio con­du­tor em tex­tos e qu­a­dri­nhos da obra. A ins­pi­ra­ção veio de um con­cei­to que sur­giu na década de 1950, cha­ma­do “psi­co­ge­o­gra­fia”, se­gun­do ex­pli­ca o edi­tor da Ve­ne­ta, Ro­gé­rio de Cam­pos, em um ar­ti­go que abre a co­le­tâ­nea. “Os au­to­res têm a am­bi­ção de re­tra­tar uma Lon­dres não só dis­tan­te da­que­la tu­rís­ti­ca, mas uma que a pró­pria ci­da­de ten­ta es­con­der de si.”

Uma des­sas ca­ma­das ocul­tas, a dos pra­ze­res se­cre­tos da ci­da­de, é mos­tra­da por Neil Gai­man em “A Cor­te”. Ou­tros dois des­ta­ques do li­vro são “O Ovo do Gri­fo”, pri­mei­ra obra no Bra­sil de Iain Sin­clair, um dos prin­ci­pais no­mes da li­te­ra­tu­ra bri­tâ­ni­ca con­tem­po­râ­nea e o tex­to “Sem san­gue, sem fil­me”, de Tony Gri­so­ni (um dos ro­tei­ris­tas de “Me­do e De­lí­rio em Las Ve­gas”, de Ter­ry Gil­li­am).

“Sa­co de Sur­pre­sas” (Stel­la Duffy e Me­lin­da Ge­e­bie)

“O Cor­po” ( Ilya)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.