54% dos mer­ca­dos de Be­lo Ho­ri­zon­te já fo­ram rou­ba­dos

Mai­o­ria dos co­mér­ci­os gas­ta até 5% do fa­tu­ra­men­to men­sal em se­gu­ran­ça. Pes­qui­sa apon­ta que mui­tos cri­mes são co­me­ti­dos com ar­ma

Metro Brazil (Rio) - - FOCO - PE­DRO NASCIMENTO METRO BE­LO HO­RI­ZON­TE

Câ­me­ras de se­gu­ran­ça, cir­cui­to in­ter­no, gra­des e até mu­dan­ça no ho­rá­rio de fun­ci­o­na­men­to. De um ano pa­ra cá, a ro­ti­na de quem tra­ba­lha com mer­ce­a­ri­as e su­per­mer­ca­dos em Be­lo Ho­ri­zon­te (MG), mu­dou ra­di­cal­men­te por con­ta do au­men­to nos cri­mes. Um es­tu­do do Sin­co­va­ga BH (Sin­di­ca­to do Co­mér­cio Va­re­jis­ta de Gê­ne­ros Ali­men­tí­ci­os de BH), em par­ce­ria com a Fe­co­mér­cio-MG, apon­tou que 54% dos co­mer­ci­an­tes da ca­pi­tal mi­nei­ra re­la­ta­ram já te­rem si­do ví­ti­mas de as­sal­tos, rou­bos e ou­tras vi­o­lên­ci­as. No mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do, a vi­o­lên­cia atin­giu 44,5% de­les.

Se­gun­do o re­la­tó­rio apre­sen­ta­do on­tem, tam­bém hou­ve au­men­to no ín­di­ce de cri­mes com ar­mas de fo­go. Nes­te ano, o vo­lu­me de as­sal­tos à mão ar­ma­da a co­mer­ci­an­tes foi de 54,9% dos cri­mes re­gis­tra­dos, en­quan­to, no ano pas­sa­do, es­se ín­di­ce era de 26,8%. “O se­tor tem si­do um dos prin­ci­pais al­vos da vi­o­lên­cia em Be­lo Ho­ri­zon­te. Além do pre­juí­zo di­re­to, ain­da há um des­vio de re­cur­sos que po­de­ri­am ir pa­ra ou­tras áre­as se pro­te­ge­rem. Pe­lo le­van­ta­men­to, per­ce­be­mos que, nos úl­ti­mos cin­co anos, a ques­tão tem im­pac­to tam­bém no con­su­mi­dor, ge­ran­do mais per­das aos em­pre­sá­ri­os”, afir­ma a ana­lis­ta de pes­qui­sa da Fe­co­mér­cio-MG, Eli­sa Cas­tro.

Con­for­me o pre­si­den­te do Sin­co­va­ga BH, Gil­son de Deus Lo­pes, o es­tu­do con­fir­ma a sen­sa­ção de in­se­gu­ran­ça vi­vi­da no dia a dia das lo­jas. “In- fe­liz­men­te, a pi­o­ra no qua­dro de vi­o­lên­cia era pre­vi­sí­vel, de­vi­do ao ce­ná­rio econô­mi­co do país. Is­so pro­vo­ca uma si­tu­a­ção trai­ço­ei­ra, em que o em- pre­sá­rio aca­ba subs­ti­tuin­do o pa­pel do Es­ta­do e re­ti­ran­do di­nhei­ro de ca­pi­tal de gi­ro ou pa­ra in­ves­ti­men­to no ne­gó­cio a fim de usá-lo em se­gu­ran­ça. Tu­do na ten­ta­ti­va de mi­ni­mi­zar os pro­ble­mas. Por is­so, es­sa pes­qui­sa é ex­tre­ma­men­te útil pa­ra dis­cu­tir­mos com os ór­gãos pú­bli­cos ações de pre­ven­ção, ata­can­do os prin­ci­pais pon­tos de for­ma di­re­ci­o­na­da”, la­men­ta Gil­son.

Com os re­sul­ta­dos da pes­qui­sa, as en­ti­da­des que­rem ela­bo­rar pro­je­tos e pes­qui­sas, jun­to com ou­tros ramos de ati­vi­da­de, pa­ra a co­bran­ça de mais po­lí­ti­cas públicas no sen­ti­do de so­lu­ci­o­nar a ques­tão e pro­por­ci­o­nar mais se­gu­ran­ça.

Se­gun­do Eli­sa Cas­tro, da Fe­co­mér­cio-MG, o em­pre­sá­rio aca­ba sen­do atin­gi­do de três for­mas: O pre­juí­zo pe­los cri­mes, o in­ves­ti­men­to pa­ra se pro­te­ger e a que­da na pro­cu­ra do con­su­mi­dor. “O em­pre­sá­rio pre­ci­sa se pla­ne­jar pa­ra in­ves­tir, pa­ra li­dar com as si­tu­a­ções e pa­ra não per­der cli­en­tes”, ex­pli­ca. Se­gun­do a pes­qui­sa, a mai­o­ria das em­pre­sas gas­ta, em mé­dia, até 5% do fa­tu­ra­men­to men­sal da lo­ja com se­gu­ran­ça (67,7%). En­tre os itens mais uti­li­za­dos es­tão o cir­cui­to in­ter­no de TV (46,2%), alar­mes (26,7%) e vi­gia ar­ma­do (9,4%).

| CLAUDIO GONÇALVES/FOLHAPRESS

Cri­mes afe­tam o mo­vi­men­to nos su­per­mer­ca­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.