Aber­tu­ra de ca­sa de jo­gos é sus­pen­sa

Ape­sar de ile­gal, lo­cal com 460 má­qui­nas ca­ça-ní­queis se­ria inau­gu­ra­do ama­nhã

Metro Brazil (Rio) - - BRASIL -

Os con­vi­tes fo­ram en­vi­a­dos, o co­que­tel es­ta­va pre­pa­ra­do pa­ra ser ser­vi­do, mas a fes­ta foi adi­a­da. Mar­ca­da pa­ra ama­nhã, a aber­tu­ra da ca­sa de en­tre­te­ni­men­to Win­fil – que abri­ga­ria mais de 400 má­qui­nas ca­ça-ní­queis na zo­na sul de Porto Alegre (RS) – não vai mais ocor­rer na da­ta pre­vis­ta.

Em no­ta, a di­re­ção do em­pre­en­di­men­to in­for­mou que a inau­gu­ra­ção fo­ra adi­a­da “em fun­ção do cro­no­gra­ma de obras” e que uma no­va da­ta se­rá di­vul­ga­da.

Alu­ga­do do em­pre­sá­rio As­sis Mo­rei­ra, ir­mão do jo­ga­dor Ro­nal­di­nho Gaú­cho, o imó­vel tem 5,6 mil m2 e es­tá sen­do re­for­ma­do des­de ju­nho. O pro­je­to cha­mou aten­ção das au­to­ri­da­des pe­la ex­plo­ra­ção de jo­gos de azar, proi­bi­dos no Bra­sil des­de os anos 1940.

Até a se­ma­na pas­sa­da, o em­pre­en­di­men­to ain­da não ti­nha al­va­rá de fun­ci­o­na­men­to jun­to ao mu­ni­cí­pio. Em en­tre­vis­ta co­le­ti­va na sex­ta-fei­ra, o di­re­tor da ca­sa, Ro­gé­rio Dell’Er­ba Gu­ar­ni­e­ri, res­sal­tou que, se o es­pa­ço não es­ti­ves­se em con­for­mi­da­de com a lei, não se­ria inau­gu­ra­do. “Se não ti­ver al­va­rá de fun­ci­o­na­men­to, não abri­re­mos”, afir­mou.

Com pas­sa­gens pe­lo McDo­nald’s e pe­la TV Glo­bo – on­de foi di­re­tor de ex­pan­são nos anos 1990 –, o pau­lis­ta Gu­ar­ni­e­ri re­pre­sen­ta o gru­po ca­ta­lão Pe­fa­co, hol­ding que ope­ra cas­si­nos em 12 paí­ses da Áfri­ca, co­mo Costa do Mar­fim e To­go, e, na Amé­ri­ca do Sul, es­tá pre­sen­te no Pa­ra­guai.

O Rio Gran­de do Sul foi es­co­lhi­do pa­ra se­di­ar a pri­mei­ra ope­ra­ção da Pe­fa­co no país por cau­sa das de­ci­sões es­ta­du­ais que le­ga­li­za­ram es­ta­be­le­ci­men­tos do ti­po – o bin­go Co­li­seu & Ro­ma, em li­tí­gio ju­di­ci­al des­de 2004, usou es­se ex­pe­di­en­te pa­ra re­a­brir no co­me­ço des­te ano, an­tes de ser fe­cha­do em maio pe­la Po­lí­cia Ci­vil.

Na de­fe­sa do em­pre­en­di­men­to, o ad­vo­ga­do La­er­te Luis Gs­chwen­ter afir­ma que o fun­ci­o­na­men­to da Win­fil es­tá am­pa­ra­do num re­cur­so que che­gou em no­vem­bro do ano pas­sa­do ao STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) dis­so­ci­an­do os jo­gos de azar do cri­me de con­tra­ven­ção, co­mo ti­pi­fi­ca a le­gis­la­ção de 1941. “Ago­ra o mé­ri­to é va­li­dar es­sa nor­ma pa­ra o res­to do país. Não há mais ne­nhu­ma pos­si­bi­li­da­de de re­ver­são des­sa de­ci­são”, de­fi­niu Gs­chwen­ter. En­tre­tan­to, o ca­so ain­da es­tá pen­den­te de jul­ga­men­to na Cor­te.

Gs­chwen­ter tam­bém pon­de­ra que a lei ori­gi­nal vai con­tra a Cons­ti­tui­ção de 1988: “Ou o Bra­sil se mo­der­ni­za ou o Bra­sil vol­ta a 1941 pa­ra cri- mi­na­li­zar o li­vre ar­bí­trio.”

MP dis­cor­da

“Qu­al­quer es­tu­dan­te de di­rei­to do pri­mei­ro ano sa­be que uma nor­ma é uma nor­ma em âm­bi­to na­ci­o­nal”, afir­ma o pro­mo­tor as­ses­sor João Pe- dro de Frei­tas Xa­vi­er, da Pro­cu­ra­do­ria de Re­cur­sos do MP (Mi­nis­té­rio Pú­bli­co) do Rio Gran­de do Sul. O MP tem con­tes­ta­do as pen­den­gas que não cri­mi­na­li­zam o jo­go de azar jun­to ao STF – ca­so do re­cur­so ain­da pen­den­te na Cor­te.

“O di­rei­to pe­nal é o mes­mo pa­ra o Bra­sil in­tei­ro. Não exis­te is­so de afir­mar le­ga­li­da­de em um Es­ta­do e não afir­mar em ou­tro. Nas ve­zes em que o STF se pro­nun­ci­ou, ele se pro­nun­ci­ou con­tra es­sa ale­ga­da ‘le­ga­li­da­de’ da ati­vi­da­de de ex­plo­rar jo­gos”, sen­ten­cia.

Com in­ves­ti­men­to de R$ 4 mi­lhões, a Win­fil pos­sui 460 má­qui­nas ca­ça-ní­queis. A uni­da­de de Porto Alegre é a pri­mei­ra, mas o ne­gó­cio po­de­rá se es­prai­ar pe­la Ser­ra e pe­lo Li­to­ral Nor­te – se a ma­triz abrir.

| EVANDRO LEAL/AGÊNCIA FREELANCER/FOLHAPRESS

Ca­sa fi­ca na zo­na sul de Porto Alegre

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.