LE­O­NAR­DO DOMINGUES

Es­tre­an­te no 20o Fes­ti­val do Rio, ele é o di­re­tor de ‘Si­mo­nal’, que se­rá exi­bi­do ho­je, fo­ra de com­pe­ti­ção, na Pre­miè­re Bra­sil

Metro Brazil (Rio) - - { CULTURA} - GISLANDIA GO­VER­NO

“Si­mo­nal” con­ta a tra­je­tó­ria de as­cen­são e que­da do can­tor Wil­son Si­mo­nal (1938-2000), um dos ar­tis­tas mais po­pu­la­res nos anos 60 e iní­cio dos 70. Ao se fa­zer pas­sar por pro­te­gi­do da di­ta­du­ra mi­li­tar pa­ra dar uma li­ção a um de­sa­fe­to, foi acu­sa­do de de­do-du­ro por to­da a mí­dia do país. Apar­tir daí, viu sua car­rei­ra afun­dar. Com o ator Fa­brí­cio Bo­li­vei­ra in­ter­pre­tan­do o per­so­na­gem-tí­tu­lo, o fil­me se­rá exi­bi­do ho­je, às 19h, em ses­são hors con­cours (fo­ra de com­pe­ti­ção) da Pre­miè­re Bra­sil, no Ode­on. Tam­bém ha­ve­rá ses­sões ama­nhã, às 13h45, no Ki­no­plex São Luiz 2, e do­min­go às 20h45, no Roxy 1. Fil­me so­bre Si­mo­nal

“Eu co­nhe­ci o Si­mo­nal na mi­nha in­fân­cia. Meus pais ti­nham uma co­le­ção de LPs e um de­les era do Si­mo­nal. Eu que­ria sa­ber de­le e me fa­la­ram que era um can­tor que mor­reu com a di­ta­du­ra, aca­bou su­min­do, pois era um de­la­tor. Anos de­pois, já tra­ba­lhan­do na TV Ze­ro, du­ran­te a fi­na­li­za­ção do do­cu­men­tá­rio [‘Ni­guém Sa­be o Du­ro que Dei’, de 2009, di­ri­gi­do por Cláudio Ma­no­el], ao ver o cor­te, pen­sei: ‘Que dra­ma, que his­tó­ria!’. Aí quis fa­zer um fil­me pa­ra po­der mos­trar mais a his­tó­ria de­le. O que me mo­veu mui­to tam­bém fo­ram as mú­si­cas, ‘País Tro­pi­cal’, ‘Sá Ma­ri­na’, ‘Meu Li­mão’, que me mar­ca­ram.”

Dra­ma ro­man­ce­a­do

“O Si­mo­nal so­freu por ser de­do-du­ro e, ho­je em dia, is­so é le­gal, tem um mon­te de gen­te sen­do pre­mi­a­da [de­la­to­res] por ser de­do-du­ro. E o Si­mo­nal so­freu tor­tu­ras por is­so! No lon­ga, eu quis en­trar mais na vi­da de­le co­mo ar­tis­ta e me veio a ideia de fa­zer uma his­tó­ria de amor do ca­sal Si­mo­nal e Te­re­za [com quem ele se ca­sou, vi­vi­da no fil­me por Ísis Val­ver­de]. Acom- pa­nha­mos a tra­je­tó­ria de­les, mos­tran­do o pa­no de fun­do da épo­ca: di­ta­du­ra, tor­tu­ra, que as pes­so­as eram pre­sas, tor­tu­ra­das e mor­tas. E que ser de­do-du­ro era mui­to ruim, vo­cê po­dia con­tar so­bre al­guém que po­de­ria mor­rer. Eu acha­va que is­so tu­do era só um pa­no de fun­do pa­ra a tra­ma, mas re­sol­vi con­tar is­so tam­bém pa­ra uma ju­ven­tu­de que não vi­veu uma di­ta­du­ra e não sa­be o que é.”

In­jus­ti­ça­do co­mo ar­tis­ta

“Acre­di­to que o Si­mo­nal foi in­jus­ti­ça­do co­mo ar­tis­ta. Mas, acho que ele re­al­men­te co­me­teu um er­ro. Creio que o fil­me é uma opor­tu­ni­da­de de os mais ve­lhos que co­nhe­ci­am o Si­mo­nal co­mo ar­tis­ta po­de­rem re­ver as mú­si­ca da épo­ca e en­ten­de­rem to­da a his­tó­ria so­bre o que acon­te­ceu.”

DI­VUL­GA­ÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.