Aco­lhi­men­to de san­tis­ta atrai mo­ra­do­res de rua

Cen­so de 2014 da Fi­pe mos­tra que ci­da­de tem 591 pes­so­as em si­tu­a­ção de rua, 72% de­las são fo­ra. Mu­ni­cí­pio vai inau­gu­rar no­vo abri­go, mas es­pe­ci­a­lis­ta afir­ma que é pre­ci­so cam­pa­nha pa­ra mu­dar com­por­ta­men­to dos mo­ra­do­res pa­ra aju­dar na rein­ser­ção social

Metro Brazil (Santos) - - FRONT PAGE -

A pre­fei­tu­ra de San­tos anun­ci­ou nes­ta se­ma­na que irá inau­gu­rar, em abril, um no­vo abri­go pa­ra mo­ra­do­res de rua. Com o equi­pa­men­to, a ci­da­de pas­sa­rá a ter 204 va­gas, en­tre per­ma­nen­tes e de pas­sa­gem, pa­ra aten­der os men­di­gos. Po­rém, tal ca­pa­ci­da­de não é su­fi­ci­en­te pa­ra aten­der to­das as pes­so­as em si­tu­a­ção de rua do mu­ni­cí­pio, que so­fre com gran­de nú­me­ro de mo­ra­do­res de rua que não são san­tis­tas.

“Es­se é nos­so mai­or pro­ble­ma. Te­re­mos co­mo aco­lher to­dos os mo­ra­do­res de rua da nos­sa ci­da­de. A gen­te se es­tru­tu­ra, mas aca­ba re­ce­ben­do mui­tos mu­ní­ci­pes de fo­ra. Nun­ca va­mos ter con­di­ções de aten­der a to­dos. Ca­da mu­ni­cí­pio tem que fa­zer sua li­ção de ca­sa pa­ra po­der re­ce­ber es­sas pes­so­as”, afir­mou a se­cre­tá­ria de As­sis­tên­cia So- ci­al, Ro­sa­na Soares.

Se­gun­do cen­so fei­to no ano pas­sa­do pe­la Fi­pe (Fun­da­ção Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sas Econô­mi­cas), San­tos tem 591 pes­so­as em si­tu­a­ção de rua. De acor­do com a pes­qui­sa, 72% vi­e­ram de ou­tras ci­da­des.

A mes­tre em ser­vi­ço social e pro­fes­so­ra da Uni­san­tos Ma­ria Ci­da­lia Fer­rei­ra acre­di­ta que o pro­ble­ma pos­sui pou­cas so­lu­ções. “O po­der pú­bli­co es­tá no ca­mi­nho cer­to, abrin­do no­vos es­pa­ços de aco­lhi­men­to e re­de de ser­vi­ços mui­to in­te­res­san­tes. Só que tu­do is­so que é fei­to não dá con­ta de aten­der to­dos os que che­gam de fo­ra”, dis­se.

Pa­ra a es­pe­ci­a­lis­ta, San­tos atrai mui­tos mo­ra­do­res de rua por ser ci­da­de com cli­ma fa­vo­rá­vel e po­pu­la­ção ca­ri­do­sa. “O ci­da­dão san­tis­ta aco­lhe is­so, dá di­nhei­ro, ali­men­to e is­so tu­do aju­da na per­ma- nên­cia de­les. Fa­ço en­tre­vis­tas com a po­pu­la­ção de rua e per­gun­to o mo­ti­vo que fez eles vi­rem. A mai­o­ria res­pon­de que é aco­lhi­da mui­to bem pe­los mo­ra­do­res. A ci­da­de tam­bém tem al­guns pon­tos que ren­dem di­nhei­ro pa­ra eles su­pri­rem as ne­ces­si­da­des diá­ri­as, que na mai­o­ria das ve­zes é com­prar pouquís­si­ma co­mi­da e mui­ta be­bi­da ou dro­ga.”

A es­pe­ci­a­lis­ta acre­di­ta que uma cam­pa­nha pa­ra mu­dar o pen­sa­men­to dos mo­ra­do­res so­bre a aju­da aos men­di­gos po­de ser útil. “Não é no sen­ti­do de ex­pul­sar, mas de tra­tar da for­ma cor­re­ta, pre­pa­ran­do no­va vi­da social, com edu­ca­ção ne­ces­sá­ria, em­pre­go e mo­ra­dia”, co­men­tou Ma­ria.

| FRED CA­SA­GRAN­DE/METRO SAN­TOS

Ce­na co­mum na re­gião cen­tral e pró­xi­mo às prai­as de San­tos: de­sa­bri­ga­dos que usam mo­nu­men­tos co­mo mo­ra­dia

| FRED CA­SA­GRAN­DE/METRO SAN­TOS

Ci­da­de tem cer­ca de 500 mo­ra­do­res de rua

CA­DU PROI­E­TI

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.