Pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff cri­ti­ca no­ta bai­xa da Petrobras

Pa­ra ela, agên­cia de clas­si­fi­ca­ção de ris­co des­co­nhe­ce es­ta­tal; ações vol­ta­ram a cair

Metro Brazil (Santos) - - FRONT PAGE -

A pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff dis­se on­tem que o re­bai­xa­men­to do ra­ting da Petrobras pa­ra grau es­pe­cu­la­ti­vo pe­la Mo­ody’s re­pre­sen­ta “fal­ta de co­nhe­ci­men­to” e ga­ran­tiu que a es­ta­tal vai se re­cu­pe­rar. Pa­ra ana­lis­tas, o cor­te da no­ta da com­pa­nhia au­men­ta ain­da mais a ex­pec­ta­ti­va de que a no­ta do Bra­sil tam­bém pos­sa ser al­ter­na­da.

O pa­pel da pe­tro­lí­fe­ra che­gou a cair 8,72% du­ran­te o pre­gão de on­tem. As pre­fe­ren­ci­ais fe­cha­ram em que­da de 4,87%, a R$ 9,38, e as or­di­ná­ri­as caí­ram 4,52%, a R$ 9,30. Já o dó­lar su­biu 1,22%, a R$ 2,8681 na ven­da, após re­cu­ar mais de 1,5% na vés­pe­ra.

Dil­ma dis­se não acre­di­tar em um con­tá­gio do re­bai­xa­men­to da Petrobras pa­ra o ra­ting so­be­ra­no do Bra­sil. “O go­ver­no sem­pre vai ten­tar evi­tar o re­bai­xa­men­to, is­so é ab­so­lu­ta­men­te na­tu­ral. Nós só la­men­ta­mos que não te­nha ti­do cor­res­pon­dên­cia por par­te da agên­cia, mas acho que is­so es­tá su­pe­ra­do”, dis­se a pre­si­den­te ao ser ques­ti­o­na­da so­bre a atu­a­ção do mi­nis­tro da Fa­zen­da, Jo­a­quim Levy, fren­te a agên­cia.

A Mo­ody’s cor­tou o ra­ting da dí­vi­da em mo­e­da es­tran­gei­ra da Petrobras na ter­ça-fei­ra em dois de­graus, de “Baa3” pa­ra “Ba2”, ci­tan­do as in­ves­ti­ga­ções so­bre cor­rup­ção e pres­sões de li­qui­dez que po­dem re­sul­tar do atra­so da di­vul­ga­ção das de­mons­tra­ções fi­nan­cei­ras. O cor­te le­vou à per­da do grau de investimento – um “se­lo” das em­pre­sas se­gu­ras pa­ra se in­ves­tir.

“O re­bai­xa­men­to au­men­ta as chan­ces de uma emis- são de ações até o fi­nal do ano da­das as im­pli­ca­ções ne­ga­ti­vas não só pa­ra a em­pre­sa, mas a seus for­ne­ce­do­res e às pers­pec­ti­vas ma­cro­e­conô­mi­cas do Bra­sil”, es­cre­veu a ana­lis­ta Lilyan­na Yang, do UBS. “Um cho­que de cre­di­bi­li­da­de ain­da é al­ta­men­te ne­ces­sá­rio”, acres­cen­tou.

“Não te­nho dú­vi­da de que ela vai ser uma em­pre­sa com gran­de ca­pa­ci­da­de de se re­cu­pe­rar dis­so”

Aé­cio fa­la em de­sas­tre

PRE­SI­DEN­TE DIL­MA ROUS­SEFF

Em co­mu­ni­ca­do, o se­na­dor Aé­cio Neves (PSDB-MG) afir­mou que o cor­te da no­ta da Petrobras é “uma pés­si­ma si­na­li­za­ção”, e que, ca­so o go­ver­no de­ci­da so­cor­rer a es­ta­tal, o ajus­te fis­cal do país fi­ca­rá ain­da mais pre­ju­di­ca­do. “O re­bai­xa­men­to não pre­ju­di­ca ape­nas a Petrobras, já que o cus­to de ca­pi­ta­li­za­ção de to­das as em­pre­sas bra­si­lei­ras se­rá mais ca­ro”, dis­se. Pa­ra ele, o re­bai­xa­men­to é “um de­sas­tre pro­vo­ca­do pe­la in­com­pe­tên­cia do go­ver­no”, que te­ria le­va­do a es­ta­tal a ter “o mai­or en­di­vi­da­men­to do mundo”, por con­ta do “ex­ces­si­vo in­ter­ven­ci­o­nis­mo”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.