Du­as ve­zes Ei­sen­berg

Ator in­ter­pre­ta per­so­na­gens dis­tin­tos em ‘O Du­plo’, ins­pi­ra­do na no­ve­la homô­ni­ma de Dos­toi­evs­ki. Pa­ra o di­re­tor Ri­chard Ayo­a­de, de­sa­fio é ima­gi­nar re­sul­ta­do fi­nal das ce­nas em que ele in­ter­pre­ta con­si­go mes­mo

Metro Brazil (Santos) - - CULTURA - Ve­ja trai­lers das es­trei­as da se­ma­na no si­te do Metro Jor­nal metrojornal.com.br

Após es­tre­ar co­mo di­re­tor no mor­daz fil­me in­die ado­les­cen­te “Sub­ma­ri­no” (2010), Ri­chard Ayo­a­de par­tiu pa­ra al­go com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te: o es­per­to, in­ven­ti­vo e al­ta­men­te es­ti­li­za­do lon­ga “O Du­plo”, que es­treia ho­je.

Na pro­du­ção, Jes­se Ei­sen­berg in­ter­pre­ta dois per­so­na­gens. Um de­les é o tí­mi­do e so­li­tá­rio Si­mon, que, além de ser des­pre­za­do pe­la ama­da (Mia Wa­si­kows­ka), tem um cho­que ao des­co­brir um no­vo co­le­ga de tra­ba­lho idên­ti­co a si mes­mo, mas de personalidade opos­ta.

A his­tó­ria é ba­se­a­da em uma no­ve­la homô­ni­ma de Fi­o­dor Dos­toi­evs­ki, e es­sa não é a úni­ca in­fluên­cia in­te­lec­tu­al en­vol­vi­da na obra.

“No li­vro, vo­cê sen­te a opres­são de clas­se e to­das es­sas coi­sas, mas nós não qu­e­ría­mos en­trar nes­se mé­ri­to por­que não pa­re­cia ne­ces­sá­rio pa­ra a psi­co­lo­gia da so­li­dão do per­so­na­gem”, afir­ma o ci­ne­as­ta. “Sen­ti­mos que se­ria me­lhor cri­ar al­go em que al­guém pu­des­se ser opri­mi­do por seu tra­ba­lho. O es­cri­tó­rio é, de al­gu­ma for­ma, a sín­te­se de uma re­a­li­da­de me­lan­có­li­ca, uma me­tá­fo­ra pa­ra a frus­tra­ção”, com­ple­ta.

Um dos de­sa­fi­os da pro­du­ção foi fa­zer Jes­se Ei­sen­berg apre­sen­tar du­as per­for­man­ces dis­tin­tas. “Por mais bo­bo que se­ja, a mai­or di­fi­cul­da­de é que ape­nas de­mo­ra mais por­que vo­cê pre­ci­sa en­sai­ar tu­do du­as ve­zes. En­tão vo­cê en­saia co­mo um per­so­na­gem e de­pois co­mo ou­tro”, dis­se o di­re­tor.

O gran­de enig­ma é en­cai­xar as ce­nas. “Vo­cê pre­ci­sa avan­çar por es­sas ce­nas com mui­to mais cui­da­do do que fa­ria, pois vo­cê nun­ca vê o re­sul­ta­do na ho­ra. Nun­ca se­rá pos­sí­vel ver si­mul­ta­ne­a­men­te os dois jun­tos em um en­saio. Mas Jes­se é bri­lhan­te, mui­to in­te­li­gen­te e pen­sa­ti­vo, e tem es­sa ha­bi­li­da­de dos ato­res que fa­zem te­a­tro e pre­ci­sam re­pe­tir as coi­sas sem trans­for­má-las em ro­ti­na”, elo­gia.

| DI­VUL­GA­ÇÃO

Ei­sen­berg e Mia Wa­si­kows­ka em “O Du­plo”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.