Quer ser um bom LEIA pro­fis­si­o­nal? mais!

Im­por­tân­cia da lei­tu­ra vai mui­to além da li­te­ra­tu­ra. Ler e in­ter­pre­tar são fun­da­men­tais pa­ra a for­ma­ção dos tra­ba­lha­do­res

Metro Brazil (Santos) - - ESPECIAL -

Alu­nos que não con­se­guem ler de for­ma ade­qua­da en­fren­tam pro­ble­mas não ape­nas no apren­di­za­do da lín­gua por­tu­gue­sa, mas tam­bém em ou­tras dis­ci­pli­nas na es­co­la e tam­bém na vi­da pro­fis­si­o­nal. Es­se é o di­ag­nós­ti­co de es­pe­ci­a­lis­tas do Se­nai (Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Apren­di­za­gem In­dus­tri­al) e da CNI (Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria). No mo­men­to em que co­me­ça mais um ano le­ti­vo, as en­ti­da­des reu­ni­ram 15 di­cas pa­ra que os pais es­ti­mu­lem a lei­tu­ra en­tre os fi­lhos, an­tes, du­ran­te e após a al­fa­be­ti­za­ção.

Ge­ren­te exe­cu­ti­vo de Edu­ca­ção Pro­fis­si­o­nal e Tec­no­ló- gi­ca do Se­nai, Fe­li­pe Es­te­ves Mor­ga­do res­sal­ta as di­fi­cul­da­des en­fren­ta­das por mui­tos pro­fis­si­o­nais que che­gam aos cur­sos téc­ni­cos sem um bom ní­vel de lei­tu­ra.

“As em­pre­sas exi­gem pro­fis­si­o­nais ca­da vez mais bem pre­pa­ra­dos. Mui­ta gen­te che­ga ao Se­nai sem con­se­guir ler e in­ter­pre­tar cor­re­ta­men­te. Por is­so, não con­se­guem en­ten­der ma­nu­ais e nor­mas téc­ni­cas, do­cu­men­tos fun­da­men­tais na in­dús­tria. Por cau­sa des­sa de­fa­sa­gem, vá­ri­os cur­sos da ins­ti­tui­ção têm que ser adap­ta­dos, com a in­clu­são de um re­for­ço em lín­gua por­tu­gue­sa nos pri­mei­ros se­mes­tres.”

Os re­sul­ta­dos de alu­nos bra­si­lei­ros em ava­li­a­ções jus­ti­fi­cam a pre­o­cu­pa­ção de pais e es­pe­ci­a­lis­tas. Em 2012, 49% dos es­tu­dan­tes com 15 anos ti­ve­ram bai­xo de­sem­pe­nho em lei­tu­ra, de acor­do com o Pi­sa (Pro­gra­ma In­ter­na­ci­o­nal de Ava­li­a­ção de Es­tu­dan­tes). No mes­mo ano, um le­van­ta­men­to do Mo­vi­men­to To­dos Pe­la Edu­ca­ção mos­trou que ape- nas 44,5% dos es­tu­dan­tes do ter­cei­ro ano do en­si­no fun­da­men­tal le­em de for­ma sa­tis­fa­tó­ria. Es­pe­ci­a­lis­ta do Ob­ser­va­tó­rio Edu­ca­ci­o­nal da CNI, Ana Lui­za Amaral lem­bra que o aces­so à lín­gua por­tu­gue­sa é ape­nas a fa­ce mais ób­via da im­por­tân­cia da lei­tu­ra.

“Além de ga­nhar vo­ca­bu­lá­rio, cul­tu­ra e es­cre­ver me­lhor, a cri­an­ça que lê ga­nha em cri­a­ti­vi­da­de, in­ter­pre­ta­ção e me­lho­ra o de­sem­pe­nho es­co­lar co­mo um to­do. Se ela não con­se­gue ler e in­ter­pre­tar um tex­to, te­rá di­fi­cul­da­des pa­ra re­sol­ver um pro­ble­ma ma­te­má­ti­co, por exem­plo.”

DI­VUL­GA­ÇÃO

Mer­ca­do exi­ge pro­fis­si­o­nais bem pre­pa­ra­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.