Acu­pun­tu­ra pa­ra ca­chor­ros e ga­tos

Tra­ta­men­to al­ter­na­ti­vo aju­da nos tratamentos e no bem- es­tar dos me­lho­res dos bi­chi­nhos. Téc­ni­ca pro­me­te ali­vi­ar do­res fí­si­cas emo­ci­o­nais de ga­tos e ca­chor­ros

Metro Brazil (Santos) - - PET -

Tra­tar do bem-es­tar de um pet vai mui­to além de le­vá-lo ao pet shop pa­ra o ba­nho e to­sa com re­gu­la­ri­da­de.

Cui­da­dos co­mo ga­ran­tir uma ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da, um es­pa­ço ade­qua­do ao por­te do ani­mal e do­ses diá­ri­as de ca­ri­nho tam­bém fa­zem par­te da ro­ti­na de quem op­ta por ter um cão ou ga­to em ca­sa. Mas, em al­guns ca­sos is­so não bas­ta.

Com cui­da­dos ca­da vez mais si­mi­la­res aos que se tem com um ser hu­ma­no, a me­di­ci­na ve­te­ri­ná­ria uti­li­za tam­bém te­ra­pi­as al­ter­na­ti­vas pa­ra me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da dos ani­mais, e uma de­las é a acu­pun­tu­ra.

Se­gun­do o ve­te­ri­ná­rio e acu­pun­tu­ris­ta Da­ni­el Men­des Net­to, o mé­to­do usa­do pa­ra o tra­ta­men­to é o mes­mo que se apli­ca a qual­quer pes­soa. Os pon­tos (ter­mi­na­ções ner­vo­sas) que se pre­ten­de tra­ba­lhar são es­ti­mu­la­dos por meio de pe­que­nas e fi­nas agu­lhas com o ob­je­ti­vo de res­tau­rar a saú­de do ani­mal.

Do­ri­nha

A gol­den re­tri­e­ver Do­ri­nha foi res­ga­ta­da de um cri­a­dor que a mal­tra­ta­va e, em fe­ve­rei­ro do ano pas­sa­do, foi mo­rar com a pu­bli­ci­tá­ria Lu­ci­a­na Paiva. Ela diz que Do­ri­nha tem mui­tos pro­ble­mas de ar­ti­cu­la­ção, dis­pla­sia nos om­bros e nos co­to­ve­los das pa­tas di­an­tei­ras, além de bi­co de pa­pa­gaio em to­da a co­lu­na. “Fo­ra is­so, ela es­tá mui­to trau­ma­ti­za­da, en­tão tem pro­ble­mas pa­ra se re­la­ci­o­nar com pes­so­as”, con­ta. Pa­ra ten­tar ali­vi­ar o so­fri­men­to da ca­de­la, Lu­ci­a­na de­ci­diu tra­tá-la com acu­pun­tu­ra ali­a­da aos me­di­ca­men­tos con­ven­ci­o­nais.

Na ten­ta­ti­va de evi­tar que o es­tres­se no ani­mal fos­se mai­or, a op­ção foi re­ce­ber a ve­te­ri­ná­ria se­ma­nal­men­te pa­ra ses­sões de 25 mi­nu­tos. “Fa­ze­mos acu­pun­tu­ra pa­ra me­lho­rar as do­res, uma vez por se­ma­na, em to­das as ar­ti­cu­la­ções e co­lu­na. A ve­te­ri­ná­ria tam­bém co­lo­ca nos pon­tos de me­do, co­mo na be­xi­ga, o que aju­da seu emo­ci­o­nal”, afir­ma Paiva.

Du­ran­te a ses­são, a gol­den re­la­xa e até dor­me e, se­gun­do sua tu­to­ra, é per­cep­tí­vel a me­lho­ra de su­as do­res e do emo­ci­o­nal.

Acu­pun­tu­ris­ta

So­men­te o mé­di­co ve­te­ri­ná­rio de­vi­da­men­te ca­das­tra­do e re­gis­tra­do jun­to ao con­se­lho re­gi­o­nal da ca­te­go­ria em que ele exer­ce a pro­fis­são po­de tra­tar os ani­mais. Além dis­so, ele de­ve ter fei­to uma es­pe­ci­a­li­za­ção em acu­pun­tu­ra.

Pa­ra os tu­to­res que têm dú­vi­da se o pro­ce­di­men­to po­de cau­sar mais so­fri­men­to ao ani­mal, Da­ni­el Men­des Net­to tem uma boa no­tí­cia. “Ge­ral­men­te os cães de gran­de por­te nem sentem a pi­ca­da das agu­lhas, e che­gam mes­mo a dor­mir, in­clu­si­ve a ron­car du­ran­te uma ses­são de acu­pun­tu­ra. Os ani­mais de mé­dio por­te acei­tam bem a acu­pun­tu­ra. So­men­te al­guns dos ani­mais de ra­ças pe­que­nas é que sentem um pou­co, mas mes­mo as­sim per­mi­tem re­a­li­zar­mos o tra­ta­men­to”, ex­pli­ca o ve­te­ri­ná­rio.

A ele­tro­a­cu­pun­tu­ra es­ti­mu­la os pon­tos de acu­pun­tu­ra por meio de es­tí­mu­los elé­tri­cos de bai­xa in­ten­si­da­de

REPRODUÇÃO/FA­CE­BO­OK

A gol­den re­tri­e­ver Do­ri­nha re­la­xa

nas ses­sões de acu­pun­tu­ra

FO­TOS: ANDRÉ POR­TO/METRO

Ses­são de acu­pun­tu­ra só po­de ser fei­ta por um

mé­di­co ve­te­ri­ná­rio de­vi­da­men­te ca­das­tra­do

ARQUIVO PES­SO­AL/DA­NI­EL NET­TO

Ani­mais me­no­res sentem mais as agu­lhas

REPRODUÇÃO

Os de mé­dio por­te acei­tam

bem o tra­ta­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.