FO­GO QUE NÃO SE APA­GA

Bom­bei­ros con­se­guem pôr fim ao in­cên­dio na Ale­moa, mas cha­mas vol­tam em se­gui­da. Es­pu­ma ‘cold fi­re’ é a ar­ma pa­ra ven­cer o de­sas­tre. Aces­so ao por­to é par­ci­al­men­te li­be­ra­do

Metro Brazil (Santos) - - FRONT PAGE - Www.re­ad­me­tro.com

Uma se­ma­na de­pois, um dos tan­ques de com­bus­tí­vel da área in­dus­tri­al de San­tos con­ti­nu­a­va em cha­mas na noi­te de on­tem. Pe­la pri­mei­ra vez, na tar­de de on­tem os bom­bei­ros con­se­gui­ram apa­gar com­ple­ta­men­te o in­cên­dio no pá­tio da Ul­tra­car­go/Te­qui­mar usan­do uma es­pu­ma, co­nhe­ci­da co­mo “cold fi­re”. Mas, pou­co de­pois, as cha­mas vol­ta­ram.

Em reu­nião na pre­fei­tu­ra de San­tos, o mi­nis­tro da In­te­gra­ção Na­ci­o­nal, Gil­ber­to Oc­chi, pro­me­teu re­for­çar o es­to­que de pro­du­tos quí­mi­cos e de ca­mi­nhões pa­ra o com­ba­te ao in­cên­dio.

“Es­tou em San­tos pa­ra re­for­çar o apoio fe­de­ral nes­te mo­men­to de cri­se. O go­ver­no fe­de­ral con­ti­nua acom­pa­nhan­do os des­do­bra­men­tos de to­dos os pro­ble­mas que es­tão ocor­ren­do”. Se­gun­do ele, re­pre­sen­tan­tes do Mi­nis­té­rio da De­fe­sa, da In­te­gra­ção Na­ci­o­nal, do Meio Am­bi­en­te e da Pes­ca es­tão na ci­da­de.

De acor­do com o coronel Jo­sé Roberto de Oli­vei- ra, co­or­de­na­dor es­ta­du­al da De­fe­sa Ci­vil, o au­xí­lio veio em óti­ma ho­ra, “Te­mos que man­ter um bom es­to­que do lí­qui­do ge­ra­dor de es­pu­ma, por exem­plo. To­da a pro­du­ção es­ta­du­al da subs­tân­cia, cer­ca de 40 mil li­tros diá­ri­os, es­tá vin­do pa­ra San­tos, mas pre­ci­sa­mos de mais.”

Um gran­de flu­xo de água tam­bém é es­sen­ci­al. O por­ta-voz dos bom­bei­ros, Mar­co Pa­lum­bo, dis­se que on­tem 83 mil li­tros es­ta­vam sen­do des­pe­ja­dos por mi­nu­to nos tan­ques. Cin­co na­vi­os tam­bém fo­ram usa­dos pa­ra bom­be­ar água do mar até as li­nhas de com­ba­te. “Es­ta­mos ten­tan­do apa­gar o fo­go de um tan­que, con­ten­do as cha­mas em ou­tro que es­ta­va va­zan­do e res­fri­an­do os pró­xi­mos. O in­cên­dio es­tá iso­la­do e con­tro­la­do, e a quan­ti­da­de de água uti­li­za­da é im­pres­si­o­nan­te.”

Mais de 140 ho­ras de fo­go

O in­cên­dio na em­pre­sa Ul­tra­car­go co­me­çou às 10h da úl­ti­ma quin­ta-fei­ra, no bair­ro da Ale­moa.

Ao to­do, seis tan­ques de com­bus­tí­vel fo­ram atin­gi­dos. No iní­cio, a tem­pe­ra­tu­ra che­gou a 800°C.

As cau­sas do in­cên­dio ain­da são des­co­nhe­ci­das. Es­tu­dos já apon­ta­ram que o in­cên­dio pro­vo­cou uma al­ta ta­xa de mor­ta­li­da­de de pei­xes na re­gião afe­ta­da.

O aces­so de ca­mi­nhões ao por­to, que es­ta­va res­tri­to desde quin­ta-fei­ra, foi par­ci­al­men­te li­be­ra­do on­tem. Os ca­mi­nhões que já es­tão nos pá­ti­os re­gu­la­do­res en­tram no por­to em com­boi­os de 40 veí­cu­los.

Fo­go em tan­ques no bair­ro da Ale­moa

co­me­çou há uma se­ma­na

| MA­RIO ANGELO/SIGMAPRESS/FOLHAPRESS

Tan­que de com­bus­tí­vel em cha­mas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.