Tra­di­ções na­ta­li­nas

Des­cu­bra co­mo es­sa épo­ca é co­me­mo­ra­da ao re­dor do mun­do!

Na Cozinha com Edu Guedes - - NESTA EDIÇÃO -

Pa­pai No­el, ár­vo­re, dis­tri­bui­ção de pre­sen­tes... O Na­tal pos­sui di­ver­sas tra­di­ções no Bra­sil. No en­tan­to, es­sa da­ta nem sem­pre é ce­le­bra­da da mes­ma for­ma em ou­tros paí­ses. Fi­cou cu­ri­o­sa? Con­fi­ra al­gu­mas tra­di­ções de Na­tal pe­lo pla­ne­ta:

O que as pes­so­as co­mem?

En­quan­to o pe­ru com fa­ro­fa e ar­roz in­cre­men­ta­do rei­na nas me­sas brasileiras, ou­tros paí­ses pre­fe­rem pra­tos bem di­fe­ren­tes, co­mo:

Es­ta­dos Uni­dos: Pe­ru re­che­a­do, pu­rê de ba­ta­ta, ba­ta­ta- do­ce e ca­ça­ro­la de fei­jão- ver­de.

Sué­cia: Pre­sun­to, aren­que, pão de aça­frão com uva-pas­sa e pu­dim de re­po­lho.

Aus­trá­lia: Pre­sun­to frio e pe­ru, fru­tos do mar, pu­dim de amei­xa e bo­lo de me­ren­gue.

Mé­xi­co: Ta­ma­les ( pra­to se­me­lhan­te à pa­mo­nha), ba­ca­lhau, le­gu­mes com gu­a­ca­mo­le e ato­le ( be­bi­da quen­te à ba­se de mi­lho).

Ale­ma­nha: gan­so as­sa­do, ba­ta­tas as­sa­das, pão com no­zes e fru­tas se­cas e sal­si­cha bran­ca.

Por que co­me­mos pe­ru no Na­tal?

A tra­di­ção foi im­por­ta­da dos nor­te-ame­ri­ca­nos, que co­me­mo­ram o dia de Ação de Gra­ças no fim de no­vem­bro. A ave é con­si­de­ra­da pe­la cul­tu­ra nor­te-ame­ri­ca­na co­mo sinô­ni­mo de far­tu­ra. Co­mo é ba­ra­to e en­gor­da com fa­ci­li­da­de, o pe­ru foi le­va­do pa­ra a Eu­ro­pa pe­los es­pa­nhóis e tor­nou-se sím­bo­lo de oca­siões im­por­tan­tes. Já o ches­ter foi cri­a­do ge­ne­ti­ca­men­te pa­ra ser uma ver­são mais ba­ra­ta, co­mo al­ter­na­ti­va ao pe­ru. Sua cri­a­ção exi­ge in­fra­es­tru­tu­ra e ali­men­ta­ção di­fe­ren­ci­a­da.

Ou­tras tra­di­ções

O panetone foi tra­zi­do ao Bra­sil por um fa­mo­so pa­dei­ro ita­li­a­no e se po­pu­la­ri­zou tan­to que, atu­al­men­te, o país é o se­gun­do mai­or pro­du­tor do mun­do. A ra­ba­na­da, ou­tra de­lí­cia ti­pi­ca­men­te na­ta­li­na, tam­bém é de ori­gem eu­ro­peia: os pri­mei­ros a apro­vei­ta­rem as so­bras de pão fo­ram os por­tu­gue­ses.

En­fei­tes

Acre­di­ta-se que o ador­no mais sim­bó­li­co do Na­tal, a ár­vo­re, foi cri­a­do na Ale­ma­nha, en­quan­to a guir­lan­da te­ria si­do usa­da pe­la pri­mei­ra vez no im­pé­rio per­sa.

Pa­pai No­el

O bom ve­lhi­nho é uma fi­gu­ra len­dá­ria que dis­tri­bui pre­sen­tes às cri­an­ças na vés­pe­ra de Na­tal. Acre­di­ta-se que a len­da é ba­se­a­da na fi­gu­ra de São Ni­co­lau, que cos­tu­ma­va aju­dar ano­ni­ma­men­te qu­em es­ti­ves­se em di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras, co­lo­can­do um sa­co cheio de mo­e­das de ou­ro na cha­mi­né das fa­mí­li­as. Ori­gi­nal­men­te, o Pa­pai No­el ves­tia rou­pas tra­di­ci­o­nais de bis­po. Po­rém, após uma cam­pa­nha fei­ta por uma mar­ca de re­fri­ge­ran­tes, o uni­for­me ver­me­lho se po­pu­la­ri­zou.

Amigo se­cre­to

A brin­ca­dei­ra, ca­da vez mais po­pu­lar nos la­res bra­si­lei­ros, con­sis­te em sor­te­ar uma pes­soa pa­ra pre­sen­te­ar, de for­ma que to­dos re­ce­bam pre­sen­tes. Ca­da pes­soa es­co­lhe um pa­pel com um no­me e não po­de con­tar pa­ra nin­guém qu­em ti­rou. No dia de Na­tal, há a re­ve­la­ção e a en­tre­ga dos pre­sen­tes. Ori­gi­nal­men­te, es­sa era uma tra­di­ção nór­di­ca, que se po­pu­la­ri­zou no ano de 1929, quan­do uma gran­de cri­se econô­mi­ca aba­lou o mun­do in­tei­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.