5 pas­sos­do pão ca­sei­ro per­fei­to!

Apren­da com o Edu a fa­zer re­cei­tas com sa­bor e vi­su­al de ar­ra­sar

Na Cozinha com Edu Guedes - - NESTA EDIÇÃO -

Não tem na­da mais gos­to­so que sa­bo­re­ar um pão­zi­nho no ca­fé da ma­nhã ou da tar­de. Me­lhor ain­da se for um pão ca­sei­ro que, além de sa­bo­ro­so, é me­lhor pa­ra a saú­de por ser li­vre de adi­ti­vos no­ci­vos en­con­tra­dos nos pro­du­tos in­dus­tri­a­li­za­dos. E en­ga­na-se quem pen­sa que é di­fí­cil fa­zer pão em ca­sa. É só se­guir as di­cas do Edu pa­ra fa­zer pães per­fei­tos!

1 – Fi­que de olho nos ingredientes!

• Os ingredientes sem­pre de­vem ser usa­dos na or­dem em que apa­re­cem no preparo. • Não use os re­ci­pi­en­tes de me­di­da mo­lha­dos, pois os ingredientes po­dem gru­dar, fi­car fal­tan­do e com­pro­me­ter o pão. • Use os ingredientes em tem­pe­ra­tu­ra am­bi­en­te, prin­ci­pal­men­te os ovos. Lei­te ou água, se fo­rem pe­di­dos mor­nos na re­cei­ta, não po­dem es­tar mui­to quen­tes por­que is­so pre­ju­di­ca a ação do fer­men­to.

2 – Fer­men­to na me­di­da cer­ta!

• Exis­tem dois ti­pos de fer­men­to bi­o­ló­gi­co: o fres­co e o se­co. Os dois são uti­li­za­dos no preparo de pães, mas ca­da um re­quer uma ma­nei­ra es­pe­cí­fi­ca de uso. • O fer­men­to fres­co de­ve ser dis­sol­vi­do no açú­car an­tes de en­trar em con­ta­to com a fa­ri­nha de tri­go. Já o se­co não de­ve en­trar em con­ta­to com os ingredientes lí­qui­dos an­tes de ser mis­tu­ra­do à fa­ri­nha. • Ao op­tar por um dos dois ti­pos de fer­men­to, fi­que de olho nas pro­por­ções: 2 ta­ble­tes de fer­men­to bi­o­ló­gi­co fres­co (30g) equi­va­lem a 1 en­ve­lo­pe do fer­men­to se­co (10g).

3 – So­ve bem a mas­sa!

• De­pois de mis­tu­rar os pri­mei­ros ingredientes, adi­ci­o­ne a fa­ri­nha de tri­go, sem­pre aos pou­cos, en­quan­to amas­sa com as mãos. • A mas­sa do pão ca­sei­ro pre­ci­sa fi­car ho­mo­gê­nea e elás­ti­ca. Ela não de­ve es­tar du­ra, se­ca e nem que­bra­di­ça. Por is­so não exa­ge­re na quan­ti­da­de de fa­ri­nha. • Fa­ça o mo­vi­men­to de so­var com a ba­se da pal­ma da mão, afun­dan­do-a na mas­sa e em­pur­ran­do pa­ra fren­te. So­var bem a mas­sa dei­xa o pão mais ma­cio. • A me­nos que a re­cei­ta in­di­que um pon­to di­fe­ren­te, o cor­re­to é quan­do a mas­sa co­me­ça a des­gru­dar das mãos e fi­car li­si­nha e ma­cia.

4 – Dei­xe a mas­sa des­can­sar!

• Pa­ra o pão cres­cer, a mas­sa pre­ci­sa des­can­sar em um lo­cal quen­te, co­ber­ta com um pa­no se­co e lim­po. Evi­te con­ta­to com cor­ren­tes de ar e es­pe­re até a mas­sa do­brar de vo­lu­me. • Um tru­que pa­ra sa­ber se cres­ceu o su­fi­ci­en­te é co­lo­car 1 bo­li­nha da mas­sa em um co­po com água, en­quan­to a mas­sa des­can­sa. Quan­do a bo­li­nha su­bir à su­per­fí­cie, a mas­sa já es­tá no pon­to pa­ra ir ao for­no. • Em di­as fri­os ou chu­vo­sos, cu­bra o pão com um pa­no e en­vol­va em um co­ber­tor pa­ra não pre­ju­di­car o cres­ci­men­to.

5 – Na ho­ra de ir pa­ra o for­no!

• De­pois de mo­de­lar os pães no for­ma­to de­se­ja­do, co­lo­que em uma fôr­ma un­ta­da, um ao la­do do ou­tro. Sem­pre dei­xe um es­pa­ço en­tre os pães pa­ra que pos­sam cres­cer no for­no. • An­tes de as­sar, vo­cê po­de pin­ce­lar os pães com ge­ma ba­ti­da pa­ra ob­ter uma cros­ta dou­ra­di­nha. • Se qui­ser um aca­ba­men­to bri­lhan­te, pin­ce­le com uma mis­tu­ra de ovo e água. Quan­do fal­ta­rem 10 mi­nu­tos pa­ra fi­car pron­to, re­ti­re, pin­ce­le no­va­men­te e ter­mi­ne de as­sar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.