2,6 mil mu­lhe­res es­tão sob me­di­da pro­te­ti­va em Lon­dri­na

So­men­te em Lon­dri­na, 2.600 mu­lhe­res re­ce­bem me­di­da pro­te­ti­va na atu­a­li­da­de

NOSSODIA - - Primeira Página -

A vi­o­lên­cia doméstica não es­co­lhe ida­de, clas­se social ou cor. De acor­do com a as­sis­ten­te social e ge­ren­te do CAM (Cen­tro de Re­fe­rên­cia e Aten­di­men­to à Mu­lher), Lu­ci­mar Ro­dri­gues, o Bra­sil ocu­pa o quin­to lu­gar no ran­king quan­do o as­sun­to é a agres­são con­tra a mu­lher. O Pa­ra­ná é o ter­cei­ro es­ta­do. Não por aca­so, na se­ma­na pas­sa­da, o te­ma foi mo­ti­vo pa­ra dis­cus­são em três pa­les­tras em es­pa­ços de re­ci­cla­do­res so­bre a im­por­tân­cia de fa­lar so­bre o que acon­te­ce e, prin­ci­pal­men­te, do com­ba­te à vi­o­lên­cia. NOSSODIA acom­pa­nhou o tra­ba­lho de as­sis­ten­tes so­ci­ais e psi­có­lo­gos jun­to a ví­ti­mas – mui­tas ve­zes ca­la­das pe­lo me­do.

O fim do ca­sa­men­to foi o co­me­ço de uma gu­er­ra na vi­da pes­so­al da as­sis­ten­te ad­mi­nis­tra­ti­va, B.M., 26 anos. “Ti­ve­mos dois fi­lhos, o sen­ti­men­to mu­dou e de­ci­di­mos nos se­pa­rar. Mas nun­ca ima­gi­nei que ele se­ria ca­paz de me ame­a­çar, in­va­dir mi­nha ca­sa e ser um ris­co até pa­ra as cri­an­ças. Quan­do co­me­cei a na­mo­rar en­tão, co­nhe­ci o in­fer­no. Meu ex-ma­ri­do vi­rou meu mai­or ini­mi­go e eu já não sa­bia o que fa­zer. In­fe­liz­men­te, pre­ci­sei pe­dir so­cor­ro, pro­cu­rei a po­lí­cia e ho­je vi­vo com me­di­da pro­te­ti­va. Ci­en­te de que fui atrás de se­gu­ran­ça e que ele ul­tra­pas­sou os li­mi­tes, ele se cons­ci­en­ti­zou de que es­ta­va agin­do er­ra­do, mu­dou e me sin­to se­gu­ra”, nar­ra. O de­poi­men­to da as­sis­ten­te ad­mi­nis­tra­ti­va é ape­nas um de um uni­ver­so que mo­bi­li­za pro­fis­si­o­nais da se­gu­ran­ça, saú­de e as­sis­ten­tes so­ci­ais que não me­de es­for­ços pa­ra mu­dar es­se qua­dro. Pro­cu­rar aju­da é pon­to de par­ti­da, pa­ra a ge­ren­te do CAM. “Fa­lar do as­sun­to pa­ra a co­mu­ni­da­de é um avan­ço, pois de­ve­mos ex­pli­car pa­ra a mu­lher que so­fre de agres­são que há uma va­ra es­pe­ci­a­li­za­da pa­ra aten­dê-la, há uma ca­sa abri­go, uma de­le­ga­cia e que a mu­lher não es­tá só”, es­cla­re­ce. “Dis­cu­tir o en­fren­ta­men­to da vi­o­lên­cia é uma for­ma de mos­trar quais são os di­rei­tos pre­vis­tos, bem co­mo os ca­mi­nhos que a ví­ti­ma po­de se­guir”, acres­cen­ta.

Shut­ters­tock

Shut­ters­tock

Vi­o­lên­cia doméstica não es­co­lhe ida­de, clas­se social ou cor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.