18 ME­SES SEM UBS NO MA­RA­CA­NÃ

Mes­mo após a re­for­ma, uni­da­de bá­si­ca de saú­de não re­a­bre e usuá­ri­os pre­ci­sam pro­cu­rar aten­di­men­to mé­di­co a cin­co quilô­me­tros de dis­tân­cia. Pré­dio mu­ni­ci­pal es­tá fe­cha­do des­de o iní­cio de 2016

NOSSODIA - - Primeira Página - (Pau­lo Monteiro/ NOSSODIA)

Por en­quan­to, os mo­ra­do­res da zo­na oes­te de Lon­dri­na só po­dem olhar e ad­mi­rar o be­lo pré­dio da Uni­da­de Bá­si­ca de Saú­de (UBS) Pa­nis­sa/Ma­ra­ca­nã, que pas­sou por uma gran­de re­for­ma. A uni­da­de, de 490,52 m², aten­dia mais de 15 mil pes­so­as, área de abran­gên­cia de 13 bair­ros da re­gião. Ela foi fe­cha­da pe­lo mu­ni­cí­pio no iní­cio de 2016, no en­tan­to, a me­lho­ria co­me­çou um ano de­pois. As por­tas ain­da per­ma­ne­cem tran­ca­das. Pa­ra ser aten­di­do, o usuá­rio é obri­ga­do a se des­lo­car até a UBS do Jar­dim Tó­quio, a apro­xi­ma­da­men­te cin­co quilô­me­tros de dis­tân­cia.

De­pois de um ano e oi­to me­ses, os mo­ra­do­res co­bram pe­la re­a­ber­tu­ra da uni­da­de. A do­na de ca­sa Sil­va­na Fer­rei­ra, mo­ra­do­ra do Jar­dim Ma­ra­ca­nã, tem uma fi­lha que ne­ces­si­ta de aten­di­men­to mé­di­co re­gu­lar­men­te. “Te­nho uma fi­lha es­pe­ci­al, que sem­pre pre­ci­sa de acom­pa­nha­men­to mé­di­co. Pa­ra mim fi­cou di­fí­cil, pois te­nho que le­vá-la até o Tó­kio pa­ra que se­ja con­sul­ta­da”, con­ta Sil­va­na. Um ôni­bus foi dis­po­ni­bi­li­za­do pe­lo mu­ni­cí­pio pa­ra trans­por­tar os mo­ra­do­res até a UBS do Jar­dim Tó­kio. “O pro­ble­ma é quan­do a gen­te perde o ôni­bus da Pre­fei­tu­ra, que le­va os mo­ra­do­res até o pos­to de saú­de mais per­to. Quan­do is­so acon­te­ce, te­mos que es­pe­rar por mais de uma ho­ra até a pró­xi­ma saí­da”, acres­cen­ta a mãe.

O pe­di­do que a uni­da­de se­ja re­a­ber­ta se es­ten­de pa­ra to­da a po­pu­la­ção, in­clu­si­ve dos bair­ros vi­zi­nhos. “Faz pe­lo me­nos um mês que na­da acon­te­ce nes­te lu­gar. Pe­lo que dá pa­ra ver aqui do la­do de fo­ra, acho que até já fi­na­li­za­ram a obra. É ruim de­mais ver es­se ‘pos­ti­nho’, tão bo­ni­to, fe­cha­do. Além de tra­zer os meus fi­lhos pe­que­nos, ain­da to­mo re­mé­di­os pa­ra pres­são al­ta, de­pres­são e não pos­so mais fi­car sem aten­di­men­to”, re­for­ça a di­a­ris­ta Ma­ria Apa­re­ci­da Te­o­do­ro, mo­ra­do­ra do Jar­dim Uni­ver­si­da­de. Os de­poi­men­tos en­tre os mo­ra­do­res são pa­re­ci­dos. “Pre­ci­so de acom­pa­nha­men­to mé­di­co e re­mé­di­os pa­ra que os meus pro­ble­mas de pres­são al­ta e di­a­be­tes não se agra­vem”, re­ve­la a do­na de ca­sa Ma­ria Fer­rei­ra do Nas­ci­men­to, que tam­bém re­si­de no Jar­dim Ma­ra­ca­nã.

O es­pa­ço in­ter­no do pré­dio ain­da es­tá sem a mai­o­ria dos equi­pa­men­tos e aces­só­ri­os. A co­mu­ni­da­de ten­ta en­ten­der o mo­ti­vo da de­mo­ra. “Dis­se­ram que es­tá fe­cha­da por cau­sa de um fur­to de fi­os, que ocor­reu há du­as se­ma­nas. Pe­lo me­nos foi o que es­cu­tei do pes­so­al. Mas acho que tam­bém fal­tam bal­cões, me­sas e ma­cas pa­ra aten­der os pa­ci­en­tes”, co­men­ta a do­na de ca­sa Sil­va­na Fer­rei­ra.

Pau­lo Monteiro

Pau­lo Monteiro

Pré­dio es­tá fe­cha­do des­de o iní­cio de 2016

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.