Cri­an­ça tam­bém po­de ter reu­ma­tis­mo

Mui­tas do­en­ças reu­ma­to­ló­gi­cas são sub­di­ag­nos­ti­ca­das e as­so­ci­a­das ao en­ve­lhe­ci­men­to; de­mo­ra no tra­ta­men­to po­de re­sul­tar em se­que­las ir­re­ver­sí­veis

NOSSODIA - - Primeira Página - (Mi­ca­e­la Ori­ka­sa/Gru­po Fo­lha)

O pri­mei­ro con­ta­to en­tre Ana Be­a­triz Ro­dri­gues de Je­sus, 10 anos, e a mé­di­ca reu­ma­to­lo­gis­ta e pe­di­a­tra em Lon­dri­na, Mar­ga­ri­da de Fá­ti­ma Fer­nan­des Car­va­lho, foi há cer­ca de seis anos. Foi quan­do Bia, co­mo é cha­ma­da, co­me­çou a ter náu­se­as e so­frer que­das. “Es­ta­va tu­do nor­mal e, de re­pen­te, es­tá­va­mos fa­zen­do exa­mes e ten­tan­do mar­car con­sul­tas pa­ra in­ves­ti­gar o que es­ta­va acon­te­cen­do”, lem­bra a mãe Dai­a­na Tei­xei­ra da Sil­va.

De­pois de um ano de con­sul­tas e exa­mes, veio o di­ag­nós­ti­co. Bia tem AIJ (ar­tri­te idi­o­pá­ti­ca ju­ve­nil), uma do­en­ça in­fla­ma­tó­ria crô­ni­ca (com du­ra­ção mai­or que seis se­ma­nas) que aco­me­te uma ou mais ar­ti­cu­la­ções e ou­tros ór­gãos, co­mo a pe­le, os olhos e o co­ra­ção.

A do­en­ça é au­toi­mu­ne e se ma­ni­fes­ta an­tes dos 16 anos de ida­de. A mãe da Bia con­ta que ela é uma cri­an­ça bas­tan­te ati­va, fre­quen­ta a es­co­la e ado­ra an­dar de bi­ci­cle­ta. “Mas em al­guns mo­men­tos a do­en­ça pa­re­ce re­tor­nar e aí ela fi­ca ir­ri­ta­da, os mo­vi­men­tos vol­tam a fi­car com­pro­me­ti­dos e os de­dos en­tor­tam”, re­ve­la.

De acor­do com a es­pe­ci­a­lis­ta, exis­tem mais de 100 for­mas de apre­sen­ta­ção de reu­ma­tis­mo na in­fân­cia e a AIJ é umas das mais co­muns, em­bo­ra se­ja con­si­de­ra­da ra­ra. Não há da­dos ofi­ci­ais so­bre a pre­va­lên­cia da do­en­ça no Bra­sil.

As en­fer­mi­da­des reu­ma­to­ló­gi­cas sem­pre es­ti­ve­ram as­so­ci­a­das ao en­ve­lhe­ci­men­to e, por­tan­to, fa­lar em reu­ma­tis­mo in­fan­til ain­da re­quer mui­tos es­cla­re­ci­men­tos, in­clu­si­ve en­tre a clas­se mé­di­ca.

Di­an­te des­te fa­to, a AIJ é ti­da co­mo uma do­en­ça sub­di­ag­nos­ti­ca­da no País e o di­ag­nós­ti­co quan­do con­fir­ma­do ocor­re mui­tas ve­zes tar­di­a­men­te, po­den­do li­mi­tar o prog­nós­ti­co. “Em uma ar­tri­te sem tra­ta­men­to ade­qua­do por anos, as de­for­mi­da­des po­dem ser ir­re­ver­sí­veis. Es­ta­mos fa­lan­do de uma do­en­ça que cau­sa mor­bi­da­de, pre­ju­di­ca a qua­li­da­de de vi­da e traz de­for­mi­da­des fí­si­cas im­por­tan­tes”, re­su­me a reu­ma­to­lo­gis­ta pe­diá­tri­ca em Cu­ri­ti­ba, Ch­ris­ti­na Fei­to­sa Pe­la­jo.

Além dos si­nais co­muns às ou­tras do­en­ças, co­mo por exem­plo as do­res nas per­nas que po­dem ser re­la­ci­o­na­das tam­bém às do­res de cres­ci­men­to, ela ex­pli­ca que é nor­mal a cri­an­ça não apre­sen­tar quei­xas. “Tu­do is­so le­va à de­mo­ra no di­ag­nós­ti­co”, diz.

Sau­lo Oha­ra

A mé­di­ca Mar­ga­ri­da Car­va­lho exa­mi­na Ana Be­a­triz, di­ag­nos­ti­ca­da com ar­tri­te idi­o­pá­ti­ca ju­ve­nil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.