PRO­FES­SOR É PRE­SO SUS­PEI­TO DE ES­TU­PRAR CRI­AN­ÇAS

De­le­ga­da do Nu­cria afir­ma que ví­ti­mas se­ri­am alu­nas de uma es­co­la par­ti­cu­lar da zo­na sul de Lon­dri­na

NOSSODIA - - Primeira Página - (Pau­lo Mon­tei­ro/NOSSODIA)

Um pro­fes­sor foi pre­so pre­ven­ti­va­men­te em Lon­dri­na, sus­pei­to de es­tu­pro de vul­ne­rá­vel. O ca­so es­tá sen­do apu­ra­do pe­lo Nú­cleo de Pro­te­ção à Cri­an­ça e ao Ado­les­cen­te (Nu­cria) de Lon­dri­na. A Po­lí­cia Ci­vil in­ves­ti­ga que pe­lo me­nos du­as cri­an­ças te­ri­am si­do ví­ti­mas do pro­fis­si­o­nal de edu­ca­ção. Elas se­ri­am alu­nas de uma es­co­la par­ti­cu­lar lo­ca­li­za­da na zo­na sul da ci­da­de. O sus­pei­to te­ria si­do pre­so há pe­lo me­nos 10 di­as, após a Po­lí­cia ser co­mu­ni­ca­da.

De acor­do com a de­le­ga­da do Nu­cria, Lí­via Pi­ni, o ca­so é tra­ta­do com mui­to si­gi­lo pa­ra que ví­ti­mas e seus fa­mi­li­a­res não se­jam ex­pos­tos. “Es­te pro­fes­sor foi pre­so sus­pei­to de co­me­ter o cri­me de es­tu­pro de vul­ne­rá­vel. Ele per­ma­ne­ce de­ti­do pre­ven­ti­va­men­te. A me­di­da ser­ve ain­da pa­ra res­guar­dar a in­te­gra­ção fí­si­ca e ga­ran­tir a se­gu­ran­ça do sus­pei­to”, con­ta a de­le­ga­da. Exis­te a sus­pei­ta de que o pro­fis­si­o­nal te­nha co­me­ti­do os abu­sos no in­te­ri­or do cen­tro in­fan­til de en­si­no. Não fo­ram di­vul­ga­das in­for­ma­ções so­bre co­mo o cri­me te­ria si­do pra­ti­ca­do. Em de­poi­men­to, o sus­pei­to ne­gou tu­do pa­ra a Po­lí­cia Ci­vil. A de­le­ga­da con­ta que ele tam­bém não ti­nha an­te­ce­den­tes cri­mi­nais. “O inqué­ri­to po­li­ci­al foi fi­na­li­za­do em dez di­as e en­ca­mi­nha­do pa­ra o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Po­rém, o inqué­ri­to po­li­ci­al re­tor­na ao Nu­cria pa­ra que no­vas di­li­gên­ci­as se­jam re­a­li­za­das”, co­men­ta Lí­via Pi­ni, res­pon­sá­vel por or­ga­ni­zar a co­lhei­ta de pro­vas, de­poi­men­tos e o con­jun­to de ações e pro­ce­di­men­tos. “Se­ri­am du­as cri­an­ças. Elas e os fa­mi­li­a­res fo­ram ou­vi­dos. Câ­me­ras de se­gu­ran­ça da es­co­la e exa­mes pe­ri­ci­ais ain­da es­tão em fa­se de aná­li­se. Exis­te a pos­si­bi­li­da­de de que uma ter­cei­ra pes­soa te­nha si­do abu­sa­da”, diz a au­to­ri­da­de po­li­ci­al. O de­par­ta­men­to ju­rí­di­co da es­co­la in­for­mou ape­nas que sus­pen­deu o pro­fes­sor as­sim que sou­be da sus­pei­ta. As ima­gens do cir­cui­to in­ter­no de se­gu­ran­ça fo­ram en­ca­mi­nha­das pa­ra a Po­lí­cia Ci­vil. Um dos ad­vo­ga­dos do es­cri­tó­rio que de­ve re­a­li­zar a de­fe­sa do sus­pei­to in­for­mou que ain­da não te­ve aces­so ao inqué­ri­to po­li­ci­al. Ele res­sal­tou que es­pe­ra ter uma có­pia do pro­ce­di­men­to já nes­ta se­gun­da-fei­ra (4). So­men­te en­tão dis­se que po­de­rá co­men­tar so­bre o tra­ba­lho da de­fe­sa no ca­so. Na sex­ta-fei­ra, a re­por­ta­gem ten­tou ouvir tam­bém a pro­mo­to­ra Su­sa­na de La­cer­da, da 6ª Va­ra Cri­mi­nal de Lon­dri­na, po­rém ela não es­ta­va em con­di­ções de aten­der ao NOSSODIA.

O Có­di­go Pe­nal de­fi­ne o cri­me de es­tu­pro de vul­ne­rá­vel (Ar­ti­go 217-A) co­mo he­di­on­do: ter con­jun­ção car­nal ou pra­ti­car ou­tro ato li­bi­di­no­so com me­nor de 14 anos. A pe­na é de re­clu­são, de oi­to a 15 anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.