98% DOS IMÓ­VEIS DE LONDRINA TE­RÃO AU­MEN­TO DE IPTU

Da­dos da pre­fei­tu­ra apre­sen­ta­dos a re­pre­sen­tan­tes de en­ti­da­des não re­ve­lam o per­cen­tu­al de re­a­jus­te, mas o va­lor em re­ais

NOSSODIA - - Primeira Página - (Gui­lher­me Mar­co­ni e Lo­ri­a­ne Co­me­li/Gru­po Fo­lha)

Em reu­nião com re­pre­sen­tan­tes de en­ti­da­des na tar­de de quar­ta-fei­ra (6), o go­ver­no mu­ni­ci­pal fi­nal­men­te apre­sen­tou os da­dos so­bre o au­men­to no IPTU (Im­pos­to Pre­di­al e Ter­ri­to­ri­al Ur­ba­no) com a re­vi­são da PGV (Plan­ta Ge­né­ri­ca de Va­lo­res) dos imó­veis de Londrina: ha­ve­rá re­a­jus­te pa­ra 98% dos 260.245 imó­veis tri­bu­tá­veis. En­tre­tan­to, os da­dos da pre­fei­tu­ra não re­ve­lam o per­cen­tu­al de re­a­jus­te, mas o va­lor do au­men­to em re­ais.

Ape­nas 4.353 imó­veis te­rão re­du­ção no va­lor IPTU em 2018, ca­so a no­va PGV se­ja apro­va­da, e 403 não te­ri­am au­men­to, o que cor­res­pon­de a 1,82% dos imó­veis da ci­da­de. Pa­ra mais da me­ta­de dos imó­veis – 139.623 ou 53% do to­tal, o au­men­to se­rá de até R$ 500. Pa­ra 67.529 (25%), o re­a­jus­te se­rá de R$ 500,01 a R$ 1000. No IPTU de 44.485 (17%) imó­veis, o au­men­to se­rá de R$ 1.000,01 até R$ 5.000. Pa­ra os de­mais imó­veis – 3.852 ou 1,5% do to­tal – o re­a­jus­te se­rá aci­ma de R$ 5.000,01. Uma das con­clu­sões, por­tan­to, é que o IPTU au­men­ta­rá em mais de R$ 100 pa­ra 87% dos imó­veis de Londrina.

O se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Fa­zen­da, Ed­son An­to­nio de Sou­za, dis­se que o re­a­jus­te pa­ra a mai­o­ria dos imó­veis é na­tu­ral em ra­zão do tem­po em que a PGV es­tá de­sa­tu­a­li­za­da – a úl­ti­ma cor­re­ção da plan­ta de va­lo­res foi em 2001. “Ha­via es­sa ex­pec­ta­ti­va de au­men­to por­que nos úl­ti­mos 16 anos hou­ve va­lo­ri­za­ção dos imó­veis. Já era es­pe­ra­do”, co­men­tou. Ele ex­pli­cou que os me­no­res re­a­jus­tes se­rão pa­ra imó­veis mais no­vos, cu­jo va­lor ve­nal es­tá mais pró­xi­mo do va­lor de mer­ca­do. O se­cre­tá­rio acres­cen­tou que em 2018, se a PGV for apro­va­da, não ha­ve­rá cor­re­ção da in­fla­ção, o que o au­men­to de até R$ 100, pre­vis­to na plan­ta, po­de­rá ser in­fe­ri­or ao au­men­to in­fla­ci­o­ná­rio.

Tan­to o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Má­rio Ta­kahashi (PV), co­mo pre­fei­to Marcelo Be­li­na­ti (PP) dis­se­ram que os mai­o­res re­a­jus­tes são pa­ra gran­des áre­as ou em ca­sos on­de ha­via dis­tor­ções. “Os mai­o­res re­a­jus­tes são pa­ra gran­des ter­re­nos do mu­ni­cí­pio ou pa­ra cor­ri­gir dis­tor­ções”, afir­mou o ve­re­a­dor. “Os téc­ni­cos re­la­tam que há vá­ri­os ca­sos de ter­re­nos que fo­ram com­pra­dos por R$ 150 mil e pa­ga­vam R$ 34 de IPTU. Com a cor­re­ção, pa­ga­rão cer­ca de R$ 1.500.”

Be­li­na­ti foi na mes­ma li­nha: “São inú­me­ras dis­tor­ções que pre­ci­sam ser cor­ri­gi­das. Ho­je te­mos mais de 41 mil imó­veis que pra­ti­ca­men­te não pa­gam IPTU; mui­tas ve­zes, são imó­veis de al­to lu­xo que pa­gam R$ 30 por ano de IPTU. Tam­bém áre­as que ti­ve­ram mui­ta va­lo­ri­za­ção, mas, na mé­dia, apro­xi­ma­da­men­te 200 mil imó­veis te­rão au­men­to de até R$ 750.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.