Es­tra­da da Es­pe­ran­ça aguar­da re­for­ma pro­me­ti­da há um ano

Após um ano do anún­cio de re­for­ma da Es­tra­da da Es­pe­ran­ça, mo­ra­do­res re­cla­mam que pro­mes­sa não foi cum­pri­da pe­lo mu­ni­cí­pio

NOSSODIA - - Primeira Página - (Pau­lo Mon­tei­ro/NOSSODIA)

Mais uma vez os mo­ra­do­res de Cam­bé re­cla­mam dos ve­lhos pro­ble­mas da Es­tra­da da Es­pe­ran­ça. Em se­tem­bro de 2016, a re­por­ta­gem mos­trou co­mo era pe­ri­go­so tra­fe­gar por ela. In­clu­si­ve, um mo­to­ris­ta ca­po­tou um car­ro na via e fi­cou gra­ve­men­te fe­ri­do. No en­tan­to, após 12 me­ses, na­da mu­dou: fal­ta si­na­li­za­ção (a fai­xa que di­vi­de os sen­ti­dos das pis­tas e tar­ta­ru­gas re­fle­ti­vas), so­bram pe­dras sol­tas, bu­ra­cos (gran­des e pe­que­nos), ter­ra e areia, que ain­da dei­xam a via es­cor­re­ga­dia.

A es­tra­da tam­bém pas­sa pe­la re­gião oes­te de Londrina. Po­rém é no tre­cho de Cam­bé que as coi­sas se agra­vam. O pe­drei­ro Be­ne­di­to Rosa mo­ra no Con­jun­to João Tur­qui­no, ex­tre­mo oes­te de Londrina, mas pas­sa di­a­ri­a­men­te pe­la via pa­ra che­gar aos cli­en­tes cam­be­en­ses. Ele per­deu as con­tas dos pre­juí­zos que a Es­tra­da da Es­pe­ran­ça já cau­sou. “Es­ses bu­ra­cos que­bra­ram o amor­te­ce­dor e en­tor­ta­ram a ro­da do meu car­ro. Os con­ser­tos fi­ca­ram bem ca­ros. A es­tra­da é ve­lha e pe­ri­go­sa, mas não há ou­tra al­ter­na­ti­va pa­ra quem mo­ra nes­ta re­gião”, afir­ma o pe­drei­ro.

Nos dias chu­vo­sos os bu­ra­cos da via fi­cam co­ber­tos pe­la água bar­ren­ta. Ver­da­dei­ras ar­ma­di­lhas, pois es­con­dem os de­fei­tos e en­ga­nam os mo­to­ris­tas. “Tam­bém há mui­ta la­ma e po­ei­ra, que atra­pa­lham bas­tan­te a di­re­ção. Você ten­ta li­vrar o car­ro de um pro­ble­ma, des­li­za pa­ra a la­te­ral da via e aca­ba no meio da qui­ça­ça”, acres­cen­ta o pro­mo­tor de ven­das Wilson das Ne­ves Jú­ni­or.

A via cor­ta tam­bém o Re­si­den­ci­al Bel­la Itá­lia, em Cam­bé. Ape­sar de vi­ver há ape­nas seis me­ses no bair­ro, a es­tu­dan­te Val­ci­a­ne Ma­ria da Sil­va as­sis­tiu inú­me­ros aci­den­tes no lo­cal. “Mo­ra­mos aqui há seis me­ses. Sem­pre ve­jo aci­den­tes nes­te pe­da­ço, prin­ci­pal­men­te com mo­to­ci­clis­tas. Eu e meu cu­nha­do qua­se caí­mos de mo­to es­ses dias de­pois que ele ten­tou des­vi­ar de um bu­ra­co. A ter­ra e o bar­ro tam­bém dei­xam a rua bem es­cor­re­ga­dia”, re­lem­bra a jo­vem. “Quan­do o tem­po es­tá mui­to se­co, sem chu­va, as rou­pas fi­cam co­ber­tas de po­ei­ra no va­ral”, re­la­ta Val­ci­a­ne.

Pau­lo Mon­tei­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.