‘ARREMESSADORES’ NÃO FI­CAM PRE­SOS

NOSSODIA - - Nossoplantão - (P.M.)

Se­gun­do ele, os ar­re­mes­sos ocor­rem no pe­río­do no­tur­no. Ape­sar da di­fi­cul­da­de de mo­ni­to­rar as ações, os po­li­ci­ais ci­vis e mi­li­ta­res re­a­li­zam pri­sões em fla­gran­te dos sus­pei­tos. Vi­tor Dutra de Oli­vei­ra re­la­ta que di­fi­cil­men­te al­gum de­les fi­ca pre­so. “De­pen­den­do da quan­ti­da­de de en­tor­pe­cen­tes, a pes­soa po­de até ser au­tu­a­da pe­lo cri­me de tráfico de dro­gas. No en­tan­to, quan­do in­tro­du­zem ou lan­çam ou­tros ob­je­tos pa­ra o in­te­ri­or da ca­deia, a prá­ti­ca é con­si­de­ra­da co­mo cri­me de me­nor po­ten­ci­al ofen­si­vo. É fei­to um Ter­mo Cir­cuns­tan­ci­a­do de Ocor­rên­cia (TCO). O sus­pei­to aca­ba li­be­ra­do após ser apre­sen­ta­do ao juiz e na sequên­cia po­de vol­tar a de­lin­quir”, de­ta­lha o de­le­ga­do. Ain­da de acor­do com ele, por cau­sa da sen­sa­ção de im­pu­ni­da­de, por não se tra­tar de um ato in­fra­ci­o­nal com vi­o­lên­cia ou gra­ve ame­a­ça, mui­tos me­no­res de ida­de tam­bém aca­bam con­ven­ci­dos a par­ti­ci­par dos ar­re­mes­sos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.