Lon­dri­na tem um in­cên­dio por dia em 2017

Po­pu­la­ção so­fre com sequên­cia diá­ria de in­cên­di­os pe­la ci­da­de

NOSSODIA - - Primeira Página - (Wal­ki­ria Vi­ei­ra/ Re­da­ção NOSSODIA)

Não bas­tas­se a es­ti­a­gem – já são 38 di­as di­as sem chu­va na ci­da­de de Lon­dri­na até o fe­cha­men­to des­ta edi­ção -, as quei­ma­das co­la­bo­ram pa­ra pi­o­ra da qua­li­da­de do ar. De acor­do com o me­te­o­ro­lo­gis­ta do Si­me­par (Sis­te­ma Me­te­o­ro­ló­gi­co do Pa­ra­ná), Tar­ci­zio Va­len­tin da Cos­ta, a úl­ti­ma chu­va da­ta de 20 de agos­to. “Em 19/08, cho­veu 13,2 mi­lí­me­tros e no dia 20, cho­veu 29,8. De lá pra cá, não cho­veu. É um mo­men­to crí­ti­co, mas es­sa si­tu­a­ção de­ve se mo­di­fi­car a par­tir do sex­ta-fei­ra, o mais tar­dar no fim de se­ma­na com a che­ga­da de um fren­te fria”, ex­pli­ca.

O anún­cio de chu­va ale­gra a po­pu­la­ção, pois se­ja em áre­as de pas­to ou no li­xo ur­ba­no, a fu­ma­ça pro­pa­ga­da pe­los in­cên­di­os al­te­ra a ro­ti­na, prin­ci­pal­men­te das pes­so­as que con­vi­vem com pro­ble­mas res­pi­ra­tó­ri­os. A ma­ni­cu­re Mi­ri­an Pe­rei­ra, 26 anos, mo­ra­do­ra do Par­que Ou­ro Bran­co, re­cla­ma: “So­fro de ri­ni­te alér­gi­ca. Dei­xo o so­ro na ge­la­dei­ra e vou pin­gan­do. Ali­via bas­tan­te, mas se to­do mun­do co­la­bo­ras­se, se­ria o ide­al.”

Bo­tar fo­go no li­xo, se­gun­do a ma­ni­cu­re, é prá­ti­ca co­mum e mui­to pre­ju­di­ci­al. “Do­min­go mes­mo, lo­go ce­di­nho, quan­do acor­dei, o chão es­ta­va to­do co­ber­to de fu­li­gem. Sem­pre apro­vei­to a água da má­qui­na pa­ra la­var o chão, mas no dia se­guin­te não ti­nha co­mo es­pe­rar, ti­ve que la­var”, de­sa­ba­fa pa­ra se sen­tir um pou­co me­lhor. No União da Vi­tó­ria I, a bron­ca dos mo­ra­do­res tem mo­ti­vo. A ca­be­lei­rei­ra Ali­ne Gar­cia, 30 anos, man­tém a rou­pa la­va­da na má­qui­na e aguar­da a fu­ma­ça se dis­si­par. “Se eu es­ten­do ago­ra, per­co to­do a la­va­gem. É mui­to com­pli­ca­do por­que fi­ca­mos com o na­riz tran­ca­do e a ca­sa to­ma­da pe­la fu­ma­ça. Meu fi­lho tem cin­co anos e so­fre prin­ci­pal­men­te à noi­te. Per­ce­bo que mal dor­me. Pa­ra ali­vi­ar um pou­co com­prei um umi­di­fi­ca­dor e os ven­ti­la­do­res pre­ci­sam fi­car li­ga­dos pa­ra a fu­ma­ça sair de den­tro de ca­sa. Com is­so, es­tou pa­gan­do mais ca­ro na con­ta de luz”, re­cla­ma. Prá­ti­ca cri­mi­no­sa

De acor­do com a ge­ren­te de fis­ca­li­za­ção da Se­ma (Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Am­bi­en­te), Gra­zi­el­la San­ta­na Da­man­te, a prá­ti­ca de quei­ma­das é co­mum e proi­bi­da. “Há to­da uma le­gis­la­ção que nos apoia. O Có­di­go de Pos­tu­ras do Mu­ni­cí­pio, por exem­plo, por meio da lei 11.468/2011 proí­be e, de­pen­den­do da si­tu­a­ção, se ge­rar fu­ma­ça tó­xi­ca por exem­plo, po­de ser en­ten­di­do co­mo cri­me am­bi­en­tal e ge­rar pro­ces­so cri­mi­nal. Em ou­tros ca­sos, a mul­ta va­ria de R$ 100 a R$ 3 mil, de­pen­den­do da di­men­são do da­no”, aler­ta. Gra­zi­el­la reforça que o ob­je­ti­vo da lei é dis­ci­pli­nar e man­ter a or­dem, a hi­gi­e­ne, a mo­ral, o sos­se­go e a se­gu­ran­ça pú­bli­ca na ci­da­de de Lon­dri­na. “Re­cla­ma­ções por quei­ma­das es­tão no to­po da lis­ta e, gra­ças às de­nún­ci­as da po­pu­la­ção, te­mos êxi­to na fis­ca­li­za­çã. Só per­dem pa­ra po­lui­ção so­no­ra e maus tra­tos a ani­mais. Es­sa é uma prá­ti­ca proi­bi­da, traz mui­tos pro­ble­mas à po­pu­la­ção, prin­ci­pal­men­te nes­sa épo­ca de se­ca”.

Wal­ki­ria Vi­ei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.