Mo­ra­do­res re­cla­mam de mau chei­ro

Do­res de ca­be­ça e de estô­ma­go são co­muns pa­ra os que con­vi­vem com o mal

NOSSODIA - - Primeira Página - ( Wal­ki­ria Vi­ei­ra/NOSSODIA)

Bron­ca an­ti­ga, a po­lui­ção que in­va­de o ar da re­gião sul em Lon­dri­na pa­re­ce um ca­so sem fim e, em­bo­ra mo­ra­do­res já te­nham fei­to re­cla­ma­ções for­mais e abai­xo-as­si­na­do, são anos e anos de mal es­tar por con­ta da po­lui­ção at­mos­fé­ri­ca que tor­na di­as e noi­tes de qu­em vi­ve na re­gião amar­gos e mo­ti­vos de ver­da­dei­ro de­sâ­ni­mo. NOSSODIA foi pro­cu­ra­do pe­la po­pu­la­ção que se sen­te pri­va­da de uma ne­ces­si­da­de bá­si­ca pa­ra so­bre­vi­ver: res­pi­rar. Se­cre­ta­ria de Am­bi­en­te co­nhe­ce o pro­ble­ma e já au­tu­ou uma em­pre­sa que fa­bri­ca ra­ção.

É só to­car no as­sun­to mau chei­ro da zo­na sul que a con­ver­sa se apro­fun­da. Pro­ble­ma co­mum a vá­ri­os bair­ros, é de por­tas e ja­ne­las fe­cha­dos que mo­ra­do­res ten­tam ame­ni­zar a si­tu­a­ção. O em­pre­sá­rio Ro­vil­son Al­ves, 41 anos, de­fi­ne o que sen­te no dia a dia: “Car­ni­ça.” Mo­ra­dor do bair­ro des­de 1992, não se con­for­ma com a fal­ta de so­lu­ção. “Gos­ta­mos do bair­ro, dos vi­zi­nhos e ami­gos e quan­do pen­sa­mos em fa­zer uma ben­fei­to­ria on­de vi­ve­mos, sur­gem dú­vi­das por­que es­se pro­ble­ma já es­tá até des­va­lo­ri­zan­do os imó­veis que so­frem com is­so. É di­re­to as­sim e, mui­ta ve­zes, a em­pre­sa que faz ra­ções quei­ma al­go pri­mei­ro pa­ra ten­tar mas­ca­rar a fu­ma­ça com o mau chei­ro”, re­cla­ma. In­con­for­ma­do, Al­ves pro­cu­rou au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes e in­ves­tiu tem­po e ener­gia nes­sa ques­tão: “Ti­ve­mos reu­niões com Se­ma, For­ça Ver­de e quan­do a fu­ma­ça co­me­ça a ser dis­per­sa­da, é fal­ta de ar, tos­se e mui­ta dor de ca­be­ça”, re­la­ta. Se es­ta­mos em um ou­tro bair­ro, bas­ta ir en­tran­do aqui pa­ra co­me­çar o mal es­tar, tran­ca a gar­gan­ta. Já vi­ve­mos is­so até na vi­ra­da do Na­tal e Ano No­vo. Foi mui­to de­sa­gra­dá­vel, uma tre­men­da fal­ta de res­pei­to, prin­ci­pal­men­te pa­ra as vi­si­tas, não acos­tu­ma­das com es­sa car­ni­ça”, de­sa­ba­fa. A autô­no­ma Su­e­li Apa­re­ci­da da Luz, 49 anos, en­gros­sa o as­sun­to e ex­cla­ma: “In-su­por-tá-vel”, re­su­me. “Mo­ro aqui há 31 anos, não me­re­ce­mos is­so. To­do mun­do sa­be que é a fá­bri­ca de ra­ção e eu e meus fi­lhos che­ga­mos a ter náu­se­as de tão for­te. Nos fins de se­ma­na é crí­ti­co. Pa­re­ce um cas­ti­go e não dá nem pra co­lo­car rou­pa no va­ral. Se pe­gar fu­ma­ça, tem que la­var tu­do de no­vo”, la­men­ta. Pre­ci­sa­va re­sol­ver is­so”. A em­pre­sá­ria Re­na­ta So­a­res, 28 anos, tam­bém se sen­te pre­ju­di­ca­da. Do­na de uma piz­za­ria na ave­ni­da Eu­ri­co Gaspar Du­tra, sa­be da di­fi­cul­da­de dos cli­en­tes em con­ci­li­ar o pra­zer de co­mer com o odor que to­ma con­ta do ar. “Re­ce­be­mos mui­ta quei­xas e mui­tos aca­bam pre­fe­rin­do ir em­bo­ra ou fi­cam me­nos tem­po do que gos­ta­ri­am. É al­go que fo­ge do nos­so con­tro­le. Um chei­ro mui­to for­te, de­sa­gra­dá­vel, ver­da­dei­ra car­ni­ça, que não com­bi­na com a ho­ra de co­mer, sa­gra­da. Pre­ci­sa­vam se co­lo­car no lu­gar da gen­te. É de per­der o ape­ti­te mes­mo.”

De dia e à noi­te é as­sim: fu­ma­ça car­re­ga­da de um chei­ro insuportável

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.