As me­mó­ri­as de Gil­ber­to

NOSSODIA - - Nossodestino - (Wal­ki­ria Vi­ei­ra/NOSSODIA)

Ser­vi­dor pú­bli­co, Gil­ber­to nas­ceu em Ibi­po­rã e nun­ca se des­li­gou no Pa­ra­ná. Es­tá com 55 anos e con­ser­va o es­pí­ri­to le­ve, jo­vem e pen­sa­men­to po­si­ti­vo. A fa­mí­lia com oi­to ir­mãos se­gue uni­da e a in­fân­cia é mo­ti­vo de sau­da­de. “Mo­rei no Piz­za, na zo­na Sul e a gen­te jo­ga­va bo­la no cam­pi­nho. Era to­da tar­de e uma vez até que­brei o bra­ço no meio da brin­ca­dei­ra. Em ca­sa, apa­nhei do pai.” Seu Fer­nan­do já fa­le­ceu e era bra­vo. “Já avi­sa­va que se ba­tes­se ou apa­nhas­se na rua, le­va­ria tam­bém qu­an­do che­gas­se em ca­sa”. Mas o pai era au­to­ri­da­de e o res­pei­to do fi­lhos mar­cou a edu­ca­ção. Do­na An­ge­li­na, a mãe de Gil­ber­to es­tá fir­me e for­te. Mora com os fi­lhos e por ve­zes faz bo­ni­to na co­zi­nha. “No do­min­go a mãe ma­ta­va um fran­go cai­pi­ra e fa­zia com po­len­ta ou ma­car­rão. De noi­te, era a vez de a gen­te sen­tar no ter­rei­ro em vol­ta de um ta­cho on­de es­tou­ra­va pi­po­ca.” Tem­po bom vi­vi­do, tem­po vi­vo na me­mó­ria. Fe­liz nos di­as de ho­je tam­bém, Gil­ber­to é ca­sa­do há anos. Na ca­sa tem ca­chor­ro e pas­sa­ri­nhos e gra­ças aos cui­da­dos da es­po­sa Beth, a har­mo­nia pai­ra. “Ela cui­da dos bi­chi­nhos. Thor é um po­o­dle da­na­di­nho e sem­pre en­tra em ca­sa qu­an­do tem chan­ce. O ou­tro ca­chor­ro da fa­mí­lia, Ma­loi é um chow-chow que tam­bém traz ale­gria a to­dos”.

Wal­ki­ria Vi­ei­ra

“Meu­pai foi ce­do, mas era bom”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.