Pre­pa­re-se: o cor­po sen­te uma ho­ra de so­no a me­nos

Se­gun­do es­pe­ci­a­lis­ta, pa­ra uma me­lhor adap­ta­ção é im­por­tan­te “si­na­li­zar” ao cé­re­bro so­bre a mu­dan­ça

NOSSODIA - - Primeira Página - (Mi­ca­e­la Ori­ka­sa/Gru­po Fo­lha)

No dia 15 de ou­tu­bro co­me­ça o ho­rá­rio de ve­rão e mui­tos pen­sam que adi­an­tar uma ho­ra traz mu­dan­ças ape­nas nos ponteiros do re­ló­gio. Mas não é bem as­sim. Es­pe­ci­a­lis­tas afir­mam que o re­ló­gio bi­o­ló­gi­co sai do rit­mo que es­tá acos­tu­ma­do e o cor­po en­tão sen­te o im­pac­to des­ta pri­va­ção do so­no.

“No ho­rá­rio de ve­rão ocor­re uma tran­si­tó­ria des­sin­cro­ni­za­ção in­ter­na, im­pac­tan­do no so­no, que é cru­ci­al pa­ra a ati­vi­da­de do or­ga­nis­mo”, afir­ma Ed­son De­lat­tre, professor apo­sen­ta­do do Ins­ti­tu­to de Bi­o­lo­gia da Unicamp (Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Cam­pi­nas).

O neu­ro­ci­en­tis­ta Fer­nan­do Lou­za­da, da UFPR (Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Pa­ra­ná), lem­bra ain­da que al­gu­mas pes­so­as já es­tão no li­mi­te de ajus­te do so­no. “Há uma par­ce­la da po­pu­la­ção que te­ria uma pre­fe­rên­cia a acor­dar mais tar­de de­vi­do à con­di­ção ge­né­ti­ca, mas que já es­tão se es­for­çan­do di­a­ri­a­men­te pa­ra acor­dar mais ce­do. É nes­sa par­ce­la da po­pu­la­ção que a pri­va­ção de uma ho­ra a mais de so­no é mais im­pac­tan­te”, apon­ta.

Pen­san­do em ma­nei­ras de ame­ni­zar os efei­tos des­sa mu­dan­ça, De­lat­tre re­co­men­da al­guns há­bi­tos de hi­gi­e­ne do so­no. “Di­as an­tes do ho­rá­rio de ve­rão, as pes­so­as de­vem bus­car dor­mir um pou­co mais ce­do, de­vem abrir as cor­ti­nas pa­ra dei­xar que a luz so­lar as des­per­tem, ou se­ja, de for­ma mais na­tu­ral; e tam­bém evi­tar o con­su­mo de ca­feí­na e es­ti­mu­lan­tes à noi­te”, in­di­ca.

Pa­ra a adap­ta­ção ao no­vo ho­rá­rio, Lou­za­da diz que ser im­por­tan­te si­na­li­zar pa­ra o cé­re­bro so­bre a mu­dan­ça. “A ideia é in­di­car que o dia já co­me­çou. Ao acor­dar, li­gue as lu­zes, pois lá fo­ra ain­da es­ta­rá es­cu­ro. Es­se ‘re­ca­do’ tam­bém va­le pa­ra a noi­te, ou se­ja, avi­se o cé­re­bro que o dia ter­mi­nou, evi­tan­do a ex­po­si­ção à luz”, en­fa­ti­za. O professor Luiz Men­na-Barreto, do Gru­po Mul­ti­dis­ci­pli­nar de De­sen­vol­vi­men­to e Rit­mos Bi­o­ló­gi­cos da USP (Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo), des­ta­ca que a ca­pa­ci­da­de de ajus­te do cor­po hu­ma­no é o as­pec­to mais fas­ci­nan­te da rit­mi­ci­da­de bi­o­ló­gi­ca, pois “vi­a­bi­li­za, por exem­plo, nos­sa adap­ta­ção aos ho­rá­ri­os ja­po­ne­ses quan­do pas­sa­mos a vi­ver por lá. Es­sa pro­pri­e­da­de se va­le de me­ca­nis­mos mo­le­cu­la­res nos qu­ais atu­am os ge­nes iden­ti­fi­ca­dos pe­lo trio ven­ce­dor des­ta edi­ção do No­bel”, com­ple­ta.

Gus­ta­vo Carneiro

O ho­rá­rio de ve­rão en­tra em vi­gor no pró­xi­mo do­min­go, mas al­te­ra­ções na ro­ti­na de­vem co­me­çar al­guns di­as an­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.