Em ple­na Pra­ça da Ban­dei­ra, po­vo faz até o nú­me­ro 2 no chão

NOSSODIA - - Primeira Página - ( Wal­ki­ria Vi­ei­ra/NOSSODIA)

Com ba­nhei­ro da Pra­ça da Ban­dei­ra de­sa­ti­va­do, po­vo faz as ne­ces­si­da­des nas es­ca­das ,eo mau chei­ro to­ma con­ta do lo­cal

Não te­ve jei­to e o ar­te­são Car­los Ro­ber­to, 53 anos, não viu ou­tra ma­nei­ra de se ali­vi­ar. Deu as cos­tas para o po­vo e na por­ta do ba­nhei­ro, já fe­cha­da, uri­nou. Cons­tran­gi­do, jus­ti­fi­cou: “Pre­ci­sa fa­lar com o pre­fei­to e dar um jei­to nis­so. Um ba­nhei­ro faz mui­ta fal­ta, ain­da mais em uma ci­da­de des­se ta­ma­nho”, de­sa­ba­fa. Para o apo­sen­ta­do Jo­sé da Sil­va, 77 anos, o des­ca­so é in­jus­ti­fi­cá­vel. “Tem mais de um ano que es­tá as­sim”, en­gros­sa. “Um dia des­ses uma se­nho­ra pe­diu so­cor­ro, acho que ta­va até com dor de bar­ri­ga. Daí eu in­di­quei a lo­ja de de­par­ta­men­tos. O ge­ren­te dei­xa usar, quan­do é cri­an­ça e mu­lher por­que os ho­mens vão lá no bos­que, só que ago­ra que car­piu tá com­pli­ca­do”, diz o apo­sen­ta­do Luiz de Al­mei­da. “Co­me­ça­ram a re­for­ma e pa­ra­ram. Não sei o mo­ti­vo. Ago­ra tá feio, pin­ta­ram o di­a­bo lá”.

Para a am­bu­lan­te El­ce­li­na Oli­vei­ra, 57 anos, a si­tu­a­ção é mais com­pli­ca­da. “Eu me sin­to pre­ju­di­ca­da. Aqui é um co­mér­cio de ali­men­tos, e com es­se chei­ro che­ga a dar no­jo fi­car aqui. Não tem quem aguen­ta”, co­men­ta. “Che­go a fi­car em um es­ta­do de ner­vos por­que ar­de os olhos e o na­riz de tão for­te”, ra­ti­fi­ca. As­sim, da água, do ca­fé e do sal­ga­do da co­mer­ci­an­te, mui­tos pas­sam lon­ge. O ven­de­dor Fran­cis­co San­ta­na, 48 anos, con­cor­da com a in­sa­tis­fa­ção ge­ral. Mo­ra­dor da re­gião cen­tral de Londrina, afir­ma que já le­vou a re­cla­ma­ção aos ór­gãos res­pon­sá­veis. “Des­de en­tão co­me­ça­ram a vir de tar­de jo­gar uma água. São três ve­zes por se­ma­na”, afir­ma. Do pon­to de vis­ta de San­ta­na, a po­pu­la­ção de­ve­ria co­brar. “Ca­da um que vo­ta tem que ir atrás de seus di­rei­tos. A sen­sa­ção é de aban­do­no”, pen­sa. Pro­cu­ra­da pe­la re­por­ta­gem do Nos­so Dia, a Com­pa­nhia Mu­ni­ci­pal de Trân­si­to e Ur­ba­ni­za­ção (CMTU), por meio da as­ses­so­ria de im­pren­sa, afir­mou que es­tu­da al­gu­mas so­lu­ções para o ba­nhei­ro de­sa­ti­va­do da pra­ça da Ban­dei­ra, mas que ain­da não há uma ação em an­da­men­to.

Se­gun­do fre­quen­ta­do­res da pra­ça, na fal­ta do ba­nhei­ro mu­lhe­res e cri­an­ças aca­bam in­do fa­zer as ne­ces­si­da­des nu­ma lo­ja de de­par­ta­men­tos do Cal­ça­dão

Fotos: Wal­ki­ria Vi­ei­ra

Um fre­quen­ta­dor da pra­ça ti­rou a água do jo­e­lho ali mes­mo: “Pre­ci­sa fa­lar com o pre­fei­to e dar um jei­to nis­so”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.