Fa­mí­li­as vi­vem a ten­são de sair do Flores do Cam­po

‘Se­ja ho­je, ama­nhã, da­qui uma se­ma­na ou três me­ses... con­ti­nu­a­rei sem ter um lu­gar pa­ra fi­car’, diz mo­ra­do­ra do Flores do Cam­po, após pra­zo de rein­te­gra­ção ser pror­ro­ga­do

NOSSODIA - - Primeira Página -

Pa­ra os mo­ra­do­res do Re­si­den­ci­al Flores do Cam­po, zo­na nor­te de Lon­dri­na, a ten­são não tem dia pa­ra aca­bar. Mes­mo com a de­ci­são do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral (TRF) da 4ª Re­gião, no iní­cio da se­ma­na, que de­fe­riu o pra­zo de 90 di­as pa­ra a rein­te­gra­ção de pos­se. Quem per­ma­ne­ce afir­ma que se ins­ta­lou no bair­ro por­que não tem (e não te­rá) on­de mo­rar. O Flores do Cam­po pos­sui 1.218 uni­da­des ha­bi­ta­ci­o­nais. Se­gun­do re­pre­sen­tan­tes da co­mu­ni­da­de, o re­si­den­ci­al já abri­gou 400 fa­mí­li­as.

“Se­ja ho­je (22), ama­nhã, da­qui uma se­ma­na ou três me­ses. In­de­pen­den­te do tem­po que de­ram pa­ra a gen­te, con­ti­nu­a­rei sem ter um lu­gar pa­ra fi­car”, afir­ma a do­na de ca­sa Cris­ti­a­ne Apa­re­ci­da do Car­mo, 38 anos, que há qua­se seis me­ses vi­ve no Flores do Cam- po. De­sem­pre­ga­da, ela mantém os três fi­lhos, sen­do um de cin­co anos e dois (gê­me­os) de um ano e dois me­ses, ape­nas com o que re­ce­be do Bolsa Fa­mí­lia: R$ 340 (pro­gra­ma fe­de­ral des­ti­na­do às fa­mí­li­as em si­tu­a­ção de po­bre­za). “An­tes eu mo­ra­va no Jardim União da Vitória (zo­na sul), com meu ir­mão. Ele é ca­sa­do, pai de três fi­lhos, mora em uma ca­si­nha e tam­bém fi­cou de­sem­pre­ga­do”, re­la­ta. Pa­ra di­fi­cul­tar, o pai dos fi­lhos de Cris­ti­a­ne de­sa­pa­re­ceu após o di­vór­cio. “Co­mo ele não es­ta­va mais pa­gan­do a pen­são (ali­men­tí­cia) aos fi­lhos, eu o co­lo­quei na Jus­ti­ça. De­pois dis­so ele de­sa­pa­re­ceu”, con­ta ela.

A mai­or par­te dos mo­ra­do­res veio de ou­tros mu­ni­cí­pi­os. En­tre eles a do­na de ca­sa Lu­ci­a­ne Mo­rei­ra, 26 anos, que continua no Flores do Cam­po com o ma­ri­do e os três fi­lhos. “Eu e mi­nha fa­mí­lia so­mos de Cas­ca­vel (oes­te do Pa­ra­ná). Em 2016, meu ma­ri­do re­ce­beu uma boa pro­pos­ta de em­pre­go. Nos mu­da­mos pa­ra Lon­dri­na. De­pois de al­guns me­ses, ele fi­cou de­sem­pre­ga­do. Não tí­nha­mos mais con­di­ções de pa­gar alu­guel. Sem di­nhei­ro, nos mu­da­mos pa­ra o Flores do Cam­po”, re­lem­bra a jo­vem.

Lu­ci­a­ne ain­da des­ta­ca que, ape­sar do pe­río­do de 90 di­as (con­for­me de­ci­são do TRF), continua sem al­ter­na­ti­vas pa­ra abri­gar a fa­mí­lia. Ela diz que mes­mo se ti­ves­se con­di­ções fi­nan­cei­ras pa­ra o alu­guel, en­con­tra­ria inú­me­ras di­fi­cul­da­des pa­ra aten­der às exi­gên­ci­as dos con­tra­tos imo­bi­liá­ri­os. “Pa­ra vo­cê fe­char um con­tra­to de alu­guel, exi­gem, ‘lo­go de ca­ra’, pagamentos dos dois pri­mei­ros me­ses. Gos­ta­ría­mos de ter con­di­ções fi­nan­cei­ras, mas não te­mos”, con­ta a mulher, afir­man­do que o di­nhei­ro da fa­mí­lia é di­re­ci­o­na­do pa­ra ali­men­tar os fi­lhos. “Meu ma­ri­do é car­pin­tei­ro e pe­drei­ro, mas não en­con­tra ser­vi­ço em to­das as se­ma­nas. Re­ce­bo R$ 100 do Bolsa Fa­mí­lia. Só com fral­das, gasto R$ 150. Com lei­te, mais R$ 90”, con­clui a mo­ra­do­ra, mãe de qu­a­tro cri­an­ças, de no­ve, qu­a­tro e dois anos, além do ca­çu­la, de dois me­ses de ida­de.

Pau­lo Monteiro

Des­de que a rein­te­gra­ção de pos­se foi anun­ci­a­da, cer­ca de 20 fa­mí­li­as dei­xa­ram o re­si­den­ci­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.