UBS do Ban­dei­ran­tes é qua­ren­to­na

Pos­to de saúde do Ban­dei­ran­tes é re­fe­rên­cia em saúde pa­ra 16 mil ha­bi­tan­tes da zo­na oes­te

NOSSODIA - - Primeira Página - (Si­mo­ni Sa­ris/Gru­po Fo­lha)

O gran­de ipê ro­sa plan­ta­do lo­go na en­tra­da da UBS do jardim Ban­dei­ran­tes foi elei­to pe­los fun­ci­o­ná­ri­os co­mo símbolo da uni­da­de que aca­ba de com­ple­tar 40 anos de fun­ci­o­na­men­to. As­sim co­mo a ár­vo­re, ao lon­go das qu­a­tro dé­ca­das a UBS foi au­men­tan­do de por­te, flo­res­ceu e cri­ou for­tes raízes. Ho­je, é re­fe­rên­cia em saúde pa­ra uma po­pu­la­ção de cer­ca de 16 mil ha­bi­tan­tes de mais de dez bair­ros da zo­na oes­te de Lon­dri­na.

A uni­da­de foi inau­gu­ra­da em 1977, jun­to à cre­che Ma­til­de Vi­cen­ti­ni. Só em 1990 ga­nhou uma se­de pró­pria, no pré­dio on­de es­tá ho­je, na rua Ser­ra da Gra­ci­o­sa, 700. Foi a se­gun­da UBS do mu­ni­cí­pio, ins­ta­la­da lo­go de­pois da uni­da­de da Vi­la No­va (Cen­tro) e, no iní­cio, o bair­ro ain­da ti­nha pou­ca in­fra­es­tru­tu­ra. As casas eram to­das de ma­dei­ra, e as ru­as, sem as­fal­to. Em di­as se­cos, o pro­ble­ma era a po­ei­ra e, nos di­as chu­vo­sos, a la­ma im­pe­dia a cir­cu­la­ção dos ôni­bus do trans­por­te pú­bli­co.

“Che­guei em 1969 aqui no jardim Ban­dei­ran­tes. Vim vi­si­tar mi­nha ir­mã, que mo­ra­va aqui, e achei tu­do mui­to feio. Mui­to bar­ro e pó. Mas pou­co de­pois aca­bei vin­do mo­rar aqui tam­bém”, con­ta a apo­sen­ta­da El­za de Car­va­lho Pe­rei­ra, 79 anos. Dos três fi­lhos de­la, dois sofriam de bron­qui­te e o aten­di­men­to mé­di­co mais pró­xi­mo fi­ca­va na re­gião cen­tral.

De lá pa­ra cá, as coi­sas mu­da­ram bas­tan­te. O aces­so à saúde me­lho­rou e ho­je a apo­sen­ta­da con­ta com uma equi­pe de pro­fis­si­o­nais do Pro­gra­ma Saúde da Fa­mí­lia que a aten­de em ca­sa. “Sou usuá­ria da uni­da­de do jardim Ban­dei­ran­tes e sem­pre fui mui­to bem aten­di­da aqui. Co­mo não es­tou con­se­guin­do an­dar mui­to, as meninas vão lá em ca­sa. Meu ma­ri­do que é di­a­bé­ti­co há 30 anos tam­bém é acom­pa­nha­do pe­la equi­pe. Eles vão em ca­sa co­lher o ma­te­ri­al pa­ra os exa­mes e fa­zer os tes­tes de gli­co­se. To­da a vi­da me aten­de­ram mui­to bem, fa­zen­do até mais do que de­ve­ri­am”, elo­gia Pe­rei­ra.

“A gen­te aten­de to­do mun­do, mas tem as pes­so­as com quem cri­a­mos um vín­cu­lo mais for­te”, dis­se uma das agentes de saúde Ana Célia Kos­cos­qui. Con­for­me a pro­pos­ta de equi­da­de do SUS (Sis­te­ma Úni­co de Saúde), o acom­pa­nha­men­to é mais in­ten­si­vo pa­ra aque­les que ne­ces­si­tam mais. “No jardim São Fran­cis­co, que é con­si­de­ra­do uma área de ris­co pe­la dis­tân­cia da UBS, um mé­di­co vai até o cen­tro co­mu­ni­tá­rio a ca­da 15 di­as e faz a con­sul­ta lá, on­de tam­bém foi mon­ta­da uma far­má­cia pa­ra que as pes­so­as não pre­ci­sem ir até a uni­da­de pa­ra bus­car os re­mé­di­os”, lem­brou a agente de saúde Daniele Hel­bel Ro­ber­ti.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.