Vovôs e vo­vós apren­dem so­bre con­su­mo cons­ci­en­te

Pa­les­tra re­a­li­za­da pe­lo Pro­con CCI Oes­te ori­en­ta os ido­sos a gas­tar cer­to e evi­tar ser pas­sa­dos pa­ra trás no co­mér­cio

NOSSODIA - - Nosso Dia A Dia -

Co­mo fa­zer a tro­ca de um pro­du­to com de­fei­to, a aten­ção às pro­pa­gan­das, ao pre­ço da gôn­do­la e a pos­sí­veis di­ver­gên­ci­as do va­lor co­bra­do no cai­xa fo­ram as­sun­tos abor­da­dos du­ran­te pa­les­tra re­a­li­za­da pe­lo Nú­cleo Mu­ni­ci­pal de Pro­te­ção e De­fe­sa do Con­su­mi­dor - Pro­con Lon­dri­na, no Cen­tro de Con­vi­vên­cia do Ido­so da re­gião oes­te. De acor­do com a as­sis­ten­te so­ci­al e di­re­to­ra da de­fe­sa dos di­rei­tos da pes­soa ido­sa, da SMI (Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal do Ido­so), Ana Ka­ri­na An­du­chu­ka Barbosa, o en­con­tro in­te­gra a Ofi­ci­na de Qua­li­da­de de Vi­da e Ci­da­da­nia, que é re­a­li­za­da to­das às se­gun­das-fei­ras no Cen­tro de Con­vi­vên­cia do Ido­so da re­gião les­te, e às quin­tas na oes­te. “O ob­je­ti­vo des­sa, em es­pe­ci­al, é edu­car pa­ra o con­su­mo cons­ci­en­te, ti­rar dú­vi­das so­bre pre­ços de pro­du­tos, pro­pa­gan­da e a se­gu­ran­ça na ho­ra da com­pra”, ex­pli­ca. “Nes­sa atu­al ges­tão, a Se­cre­tá­ria Mu­ni­ci­pal Ná­dia Mou­ra vem pri­o­ri­zan­do mui­to pe­la par­ce­ria com ór­gãos de de­fe­sa da pes­soa ido­sa”, en­fa­ti­za.

Tan­to di­rei­tos co­mo de­ve­res fo­ram exem­pli­fi­ca­dos du­ran­te o even­to. De mo­do in­te­ra­ti­vo, os par­ti­ci­pan­tes mos­tra­ram que a ex­pe­ri­ên­cia dos anos tem si­do usa­da a fa­vor de­les pró­pri­os, os ido­sos. O apo­sen­ta­do Ri­car­do Bo­ri­ne­li, 64 anos, afir­ma: “Tem que fi­car mui­to aten­to e ain­da as­sim não é di­fí­cil de ser en­ga­na­do”. Com um li­qui­di­fi­ca­dor no­vo e sem fun­ci­o­na­men­to, es­ta­va “p” da vi­da com a lo­ja on­de fez a com­pra. Mo­ra­dor do Jar­dim Al­vo­ra­da, se diz ven­ci­do. “Sin­ce­ra­men­te, é mui­ta can­sei­ra. Vou de­sis­tir. Pe­di­ram até pra eu man­dar fo­to, email, mas não me­xo com is­so.” De acor­do com a au­di­to­ra fis­cal Pollya­na Coutinho, o fa­to de tra­tar de as­sun­tos do co­ti­di­a­no de con­su­mo dos ido­sos per­mi­te es­cla­re­cer as dú­vi­das e os dei­xam à von­ta­de pa­ra ex­por os pro­ble­mas que acon­te­cem. “Tra­ta­se de um pú­bli­co que con­so­me mui­to e a in­for­ma­ção pa­ra eles é mui­to im­por­tan­te. Fa­zer a com­pra com cal­ma, de­ci­dir com to­das as in­for­ma­ções é fun­da­men­tal”, es­cla­re­ce.

Eli­a­ne Ki­ta­gawa, au­di­to­ra fis­cal que tam­bém par­ti­ci­pou do ba­te-pa­po com os ido­sos, pon­tu­ou mo­men­tos que de fa­to es­tão na re­a­li­da­de de to­dos os con­su­mi­do­res, e os ido­sos, por sua vez, de­vem es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra de­ci­dir so­bre uma com­pra cons­ci­en­te. “Ao fi­na­li­zar uma com­pra par­ce­la­da, por exem­plo, é pre­ci­so en­ten­der que em até cin­co ve­zes não há ju­ros, em oi­to, há. E mui­tas ve­zes quem ofe­re­ce es­sa ‘van­ta­gem’ em uma lo­ja de de­par­ta­men­tos não dei­xa cla­ro que o con­su­mi­dor irá pa­gar mais pe­lo pro­du­to”, aler­ta. Pa­ra a apo­sen­ta­da The­re­zi­nha Di­as de Souza, 80 anos, o mo­men­to foi mui­to pro­vei­to­so. “Nem vi­mos o tem­po pas­sar. E tu­do o que foi di­to es­tá na nos­sa ro­ti­na e por is­so te­mos que agra­de­cer a es­sa pes­so­as que nos trei­nam pa­ra fi­car­mos sem­pre pre­pa­ra­dos pa­ra as pos­sí­veis ar­ma­di­lhas”, re­fle­te. A apo­sen­ta­da mo­ra no ajr­dim Ri­vi­e­ra, em Cam­bé e afir­ma que vai pas­sar as in­for­ma­ções adi­an­te tam­bém. (Wal­ki­ria Vi­ei­ra/NOSSODIA)

Wal­ki­ria Vi­ei­ra

Ati­vos e bem in­for­ma­dos, ido­sos tro­cam ideia com pa­les­tras­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.