Arco Les­te fi­cou óti­mo pa­ra os car­ros e pés­si­mo pa­ra pe­des­tres

Tre­cho da ave­ni­da Wal­de­mar Spran­ger com Rua Bél­gi­ca foi en­tre­gue em 2018. Obra agi­li­zou o trân­si­to de veí­cu­los, mas se es­que­ceu que tam­bém há pe­des­tres por lá

NOSSODIA - - Primeira Página - (Paulo Mon­tei­ro/ NOSSODIA)

O vai e vem de pes­so­as é in­ten­so, po­rém as fai­xas de pe­des­tres es­tão dis­tan­tes, a cer­ca de 300 me­tros da ro­ta­tó­ria do tre­cho do Arco Les­te (Lo­te 5), na ave­ni­da Wal­de­mar Spran­ger, zo­na sul de Lon­dri­na. Lo­ca­li­za­da en­tre as vi­as Bél­gi­ca, Wal­de­mar Spran­ger, Di­na­mar­ca e Al­bâ­nia, a obra foi en­tre­gue à po­pu­la­ção no iní­cio des­te ano. O trá­fe­go de veí­cu­los é in­ten­so e ame­a­ça a ca­mi­nha­da de mui­ta gen­te.

A Rua Bél­gi­ca é uma das prin­ci­pais vi­as da re­gião e tem um gran­de flu­xo de pe­des­tres, que são obri­ga­dos a ca­mi­nha­rem pe­la rua ou pe­lo gra­ma­do da gran­de ro­tá­ria ins­ta­la­da no lo­cal. Quem usa ca­dei­ras de ro­das, es­tá com car­ri­nho de be­bês, ou mes­mo as pes­so­as que uti­li­zam ben­ga­las e an­da­do­res, to­das es­que­ci­das por quem pro­je­tou ou por quem exe­cu­tou as obras, so­frem pa­ra ca­mi­nhar pe­lo tre­cho cu­ja aces­si­bi­li­da­de é igual à no­ta de R$ 3, ou se­ja, não exis­te. “Pa­ra o mo­to­ris­ta de car­ro fi­cou mui­to bom, mas pa­ra o pe­des­tre a si­tu­a­ção se com­pli­cou”, dis­se a co­mer­ci­an­te Shir­lei Ta­kahashi, após dei­xar a rua Bél­gi­ca e atra­ves­sar so­bre a ro­ta­tó­ria. “Pas­so por aqui ao me­nos três ve­zes por se­ma­na até o Lago Iga­pó, on­de re­a­li­zo a mi­nha ca­mi­nha­da em vol­ta do lago”, re­la­tou.

Em par­te do tre­cho, o pe­des­tres pre­ci­sa ace­le­rar os pas­sos pa­ra não ser atin­gi­do pe­los veí­cu­los. “As fai­xas (lo­ca­li­za­das na ave­ni­da Wal­de­mar Spran­ger e rua Bél­gi­ca) fi­cam mui­to dis­tan­tes da ro­ta­tó­ria. Se a pes­soa não ti­ver con­di­ções de cor­rer, ela po­de ser fa­cil­men­te atro­pe­la­da ao atra­ves­sar”, ava­li­ou o apo­sen­ta­do Wal­dir Ne­ri, que ca­mi­nha­va pe­la Wal­de­mar Spran­ger em di­re­ção à rua Bél­gi­ca.

Pa­ra a au­xi­li­ar de serviços ge­rais, Fá­ti­ma da Sil­va, os res­pon­sá­veis pe­lo pro­je­to da obra só se pre­o­cu­pa­ram com o trá­fe­go de veí­cu­los. “A fai­xa mais pró­xi­ma fi­ca a uns 200, 300 me­tros. A pes­soa não vai an­dar tu­do is­so pa­ra atra­ves­sar. Es­que­ce­ram da gen­te (pe­des­tres) quan­do pro­je­ta­ram es­ta obra”, la­men­tou Fá­ti­ma. O NOSSODIA re­gis­trou a si­tu­a­ção por vol­ta das 16 ho­ras. Po­rém, se­gun­do os mo­ra­do­res da re­gião, o pro­ble­ma se agra­va ain­da mais no iní­cio da ma­nhã e no fim da tar­de de ca­da dia.

Paulo Mon­tei­ro

Pe­des­tre pre­ci­sa con­tar com a sor­te pa­ra atra­ves­sar nes­te tre­cho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.