Saú­de re­for­ça im­por­tân­cia de uso de pre­ser­va­ti­vo

Cam­pa­nhas de pre­ven­ção a DSTs são in­ten­si­fi­ca­das pa­ra cons­ci­en­ti­zar po­pu­la­ção so­bre os ris­cos com a saú­de du­ran­te a fo­lia

NOSSODIA - - Primeira Página - (Redação/NOSSODIA)

Com a pro­xi­mi­da­de do car­na­val, as cam­pa­nhas de pre­ven­ção a do­en­ças se­xu­al­men­te trans­mis­sí­veis (DSTs) são in­ten­si­fi­ca­das a fim de cons­ci­en­ti­zar a po­pu­la­ção so­bre os cui­da­dos com a saú­de du­ran­te a fo­lia e de es­ti­mu­lar o uso de pre­ser­va­ti­vos. No en­tan­to, é im­por­tan­te rei­te­rar que a pre­cau­ção de­ve per­sis­tir du­ran­te to­do o ano. A ca­mi­si­nha é o mé­to­do con­tra­cep­ti­vo mais ba­ra­to e de fá­cil aces­so, com dis­tri­bui­ção gra­tui­ta nos pos­tos de saú­de, além de evi­tar a trans­mis­são de do­en­ças co­mo Aids e sí­fi­lis.

De acor­do com da­dos di­vul­ga­dos pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de (MS), o Bra­sil re­gis­trou anu­al­men­te uma mé­dia de 40 mil no­vos ca­sos de Aids nos úl­ti­mos cin­co anos. E no pe­río­do com­pre­en­di­do en­tre 2010 e ju­nho de 2017, fo­ram con­ta­bi­li­za­dos 342.531 ca­sos de Sí­fi­lis Ad­qui­ri­da – trans­mi­ti­da atra­vés de re­la­ção se­xu­al des­pro­te­gi­da.

As co­or­de­na­do­ras do Nú­cleo Téc­ni­co de Ar­ti­gos de Saú­de do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Con­tro­le de Qua­li­da­de em Saú­de (INCQS/Fi­o­cruz), Mi­che­le Fei­to­za e Re­na­ta Da­la­via, co­men­tam que o pre­ser­va­ti­vo mais uti­li­za­do é o de lá­tex mas­cu­li­no, mas re­for­çam que exis­tem ou­tras mo­da­li­da­des igual­men­te im­por­tan­tes, co­mo os pre­ser­va­ti­vos mas­cu­li­nos que não são de lá­tex e os fe­mi­ni­nos.

De acor­do com Mi­che­le, o di­fe­ren­ci­al da ca­mi­si­nha pa­ra mu­lhe­res é que ela con­fe­re mai­or pro­te­ção na área da vul­va, a en­tra­da da va­gi­na, per­mi­tin­do que a pró­pria usuá­ria se pre­ser­ve, e é fei­ta de ma­te­ri­al an­ti­a­lér­gi­co. “Não é no­vi­da­de pa­ra a mai­o­ria das mu­lhe­res a exis­tên­cia da ca­mi­si­nha fe­mi­ni­na, ain­da que sua uti­li­za­ção não se­ja mui­to am­pla. Uma das van­ta­gens do seu uso é que são fei­tos em po­liu­re­ta­no ou bor­ra­cha ni­trí­li­ca, ma­te­ri­ais an­ti­a­lér­gi­cos, di­fe­ren­te do lá­tex usa­do na ver­são mas­cu­li­na. Tam­bém po­dem ser co­lo­ca­dos até oi­to ho­ras an­tes da re­la­ção se­xu­al”, es­cla­re­ce.

Se­gun­do ex­pli­ca­ções da co­or­de­na­do­ra do Nú­cleo Téc­ni­co de Ar­ti­gos de Saú­de do INCQS/Fi­o­cruz, Mi­che­le Fei­to­za, os pre­ser­va­ti­vos mas­cu­li­nos de lá­tex fa­bri­ca­dos no Bra­sil ou im­por­ta­dos pre­ci­sam obri­ga­to­ri­a­men­te de cer­ti­fi­ca­ção me­tro­ló­gi­ca e, pa­ra is­to, pas­sam por ava­li­a­ções de qua­li­da­de que ates­tam a efi­cá­cia e a se­gu­ran­ça do seu uso.

O con­tro­le da qua­li­da­de é fei­to an­tes da co­mer­ci­a­li­za­ção, na pró­pria in­dús­tria ou im­por­ta­do­ra e con­sis­te em tes­tes pre­co­ni­za­dos na le­gis­la­ção, den­tre eles: com­pri­men­to, lar­gu­ra, in­te­gri­da­de da em­ba­la­gem pri­má­ria, ve­ri­fi­ca­ção de va­za­men­to, pres­são e vo­lu­me an­tes e após en­ve­lhe­ci­men­to. Após to­das as ava­li­a­ções exi­gi­das pe­la le­gis­la­ção vi­gen­te, o pro­du­to po­de­rá ser co­mer­ci­a­li­za­do.

Tam­bém são de­sen­vol­vi­das ações pos­te­ri­o­res à ven­da, co­mo pro­gra­mas go­ver­na­men­tais de mo­ni­to­ra­men­to, on­de são co­le­ta­dos lo­tes pa­ra aná­li­ses. Es­ses pro­gra­mas es­tão in­cluí­dos nas ações cha­ma­das de ações de Tec­no­vi­gi­lân­cia, que bus­cam ve­ri­fi­car des­vi­os da qua­li­da­de no pro­du­to pós-co­mer­ci­a­li­za­do e que po­dem pro­mo­ver co­le­ta e aná­li­se fis­cal.

Mi­che­le con­ta que além do con­tro­le da qua­li­da­de dos pre­ser­va­ti­vos re­a­li­za­do pe­los de­ten­to­res, a ava­li­a­ção de uma amos­tra­gem den­tro de ca­da lo­te, fei­ta por la­bo­ra­tó­ri­os acre­di­ta­dos pe­lo In­me­tro, e ins­pe­ções re­a­li­za­das pe­la Agên­cia Na­ci­o­nal de Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria (An­vi­sa) nas fá­bri­cas e im­por­ta­do­ras ain­da é com­pul­só­ria no país. “O con­tro­le da qua­li­da­de é im­pres­cin­dí­vel, pois as­se­gu­ra que o pre­ser­va­ti­vo es­tá se­gu­ro e efi­caz pa­ra o uso. Tam­bém é im­por­tan­te que os pro­du­tos se­jam acom­pa­nha­dos após a sua co­mer­ci­a­li­za­ção por meio de pro­gra­mas de mo­ni­to­ra­men­to”, afir­ma.

DE OLHO NO RÓTULO

Se­gun­do Mi­che­le Fei­to­za e Re­na­ta Da­la­via, dois ti­pos de ob­ser­va­ções são ne­ces­sá­ri­os na aqui­si­ção dos pre­ser­va­ti­vos: as in­for­ma­ções de ro­tu­la­gem e o as­pec­to da em­ba­la­gem. No ca­so da em­ba­la­gem, é fun­da­men­tal que es­te­ja la­cra­da e não ha­ja fu­ros, pois a má con­ser­va­ção po­de da­ni­fi­car o pro­du­to e com­pro­me­ter a sua efi­cá­cia. É tam­bém im­por­tan­te ter pre­cau­ção com ob­je­tos cor­tan­tes ou pon­ti­a­gu­dos na ho­ra de abrir a em­ba­la­gem pri­má­ria.

Já com re­la­ção aos ró­tu­los, as pes­so­as de­vem ve­ri­fi­car as in­for­ma­ções ge­rais pa­ra to­dos os pro­du­tos, em des­ta­que pa­ra da­ta de va­li­da­de e pre­sen­ça do nú­me­ro do re­gis­tro, que com­pro­va que o pro­du­to es­tá re­gis­tra­do no país pe­la An­vi­sa. Além des­tes da­dos, de­vem ain­da con­ter no­me/mar­ca, o nú­me­ro do CNPJ do de­ten­tor do re­gis­tro e res­pon­sá­vel téc­ni­co, que as­se­gu­ram a iden­ti­fi­ca­ção, le­ga­li­da­de e a pro­ce­dên­cia do mes­mo.

Pa­ra as in­for­ma­ções es­pe­cí­fi­cas dos pre­ser­va­ti­vos va­le res­sal­tar in­for­ma­ções na ro­tu­la­gem co­mo: ti­po de ma­te­ri­al, avi­so de que o lá­tex po­de cau­sar aler­gia, pre­sen­ça do se­lo do In­me­tro (que com­pro­va que aque­le lo­te pas­sou por aná­li­ses re­la­ci­o­na­das à cer­ti­fi­ca­ção me­tro­ló­gi­ca) e in­for­ma­ções so­bre o ta­ma­nho ade­qua­do ao uso de ca­da con­su­mi­dor. “Ve­ri­fi­car o ta­ma­nho do pre­ser­va­ti­vo é fun­da­men­tal, pois a uti­li­za­ção ina­de­qua­da po­de com­pro­me­ter a fi­na­li­da­de do pro­du­to im­pac­tan­do a saú­de pú­bli­ca. O uso de ta­ma­nhos ina­de­qua­dos po­de le­var ao ex­tra­va­sa­men­to de sê­men pe­la la­te­ral e tam­bém à rup­tu­ra”, en­fa­ti­zam.

Ob­ser­var a ro­tu­la­gem é im­pres­cin­dí­vel, con­for­me aten­ta Re­na­ta Da­la­via, por­que é ne­la que o fa­bri­can­te co­mu­ni­ca ao usuá­rio as in­for­ma­ções ne­ces­sá­ri­as. “Os di­ze­res pre­sen­tes na ro­tu­la­gem dos pre­ser­va­ti­vos, as­sim co­mo de ou­tros ma­te­ri­ais mé­di­cos, re­pre­sen­tam a me­lhor for­ma de es­ta­be­le­cer uma co­mu­ni­ca­ção en­tre os con­su­mi­do­res e as em­pre­sas de­ten­to­ras, por is­to de­vem ser al­vo de mui­ta aten­ção no mo­men­to da aqui­si­ção e do uso. O rótulo bus­ca ga­ran­tir in­for­ma­ções so­bre a ras­tre­a­bi­li­da­de, vín­cu­lo de res­pon­sa­bi­li­da­de ju­rí­di­ca, va­li­da­de e ori­en­ta­ções téc­ni­cas co­mo cui­da­dos e va­ri­e­da­des den­tro do mes­mo pro­du­to”, elu­ci­da.

Shut­ters­tock

Mi­nis­té­rio da Saú­de re­for­ça a im­por­tân­cia so­bre o uso dos pre­ser­va­ti­vos du­ran­te a fo­lia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.