Lon­dri­na re­gis­tra re­du­ção nos ín­di­ces de vi­o­lên­cia

Além dis­so, de acor­do com o le­van­ta­men­to da Po­lí­cia Mi­li­tar, o nú­me­ro de re­cu­pe­ra­ção de veí­cu­los fur­ta­dos e rou­ba­dos au­men­tou em 64,8%

NOSSODIA - - Primeira Página - (Pau­lo Mon­tei­ro/NOSSODIA)

Lon­dri­na re­gis­trou uma re­du­ção ex­pres­si­va nos ín­di­ces de vi­o­lên­cia. Ca­sos de rou­bos e ho­mi­cí­di­os di­mi­nuí­ram, en­quan­to o nú­me­ro de veí­cu­los re­cu­pe­ra­dos au­men­tou en­tre 2016 e 2017. O le­van­ta­men­to atu­a­li­za­do foi di­vul­ga­do pe­lo se­tor de pla­ne­ja­men­to e aná­li­se cri­mi­nal do 2º Co­man­do Re­gi­o­nal da Po­lí­cia Mi­li­tar (PM) de Lon­dri­na. Ele abran­ge a 4ª CIPM (Com­pa­nhia In­de­pen­den­te), que atua na re­gião nor­te e em bair­ros das zo­nas les­te e oes­te, e do 5° Ba­ta­lhão, res­pon­sá­vel pe­lo pa­tru­lha­men­to das de­mais áre­as da ci­da­de.

De acor­do com o le­van­ta­men­to da Po­lí­cia Mi­li­tar, o nú­me­ro de re­cu­pe­ra­ção de veí­cu­los (fur­ta­dos ou rou­ba­dos) au­men­tou em 64,8%. “Ou se­ja, de ca­da 10 veí­cu­los le­va­dos pe­los ban­di­dos, cer­ca de se­te de­les são re­cu­pe­ra­dos pe­la Po­lí­cia Mi­li­tar”, ex­pli­ca o as­pi­ran­te a te­nen­te Da­ni­lo Ale­xan­dre Mo­ri Azo­li­ni, do pla­ne­ja­men­to e aná­li­se cri­mi­nal do 2° Co­man­do.

O rou­bo, ato de sub­trair coi­sa mó­vel alheia me­di­an­te gra­ve ameaça ou vi­o­lên­cia, tam­bém re­gis­trou que­da. Se­gun­do o 2° Co­man­do, os ca­sos de rou­bos caí­ram 9,9% en­tre 2016 e 2017. “Is­so re­pre­sen­ta mui­to mais se­gu­ran­ça à po­pu­la­ção, pois es­te cri­me pos­sui um al­to po­ten­ci­al ofen­si­vo de vi­o­lên­cia. Já o fur­to, es­ta­tis­ti­ca­men­te, não so­freu uma gran­de al­te­ra­ção nes­te pe­río­do”, ad­mi­te o as­pi­ran­te.

Os nú­me­ros ofi­ci­ais apon­tam ain­da pa­ra o cres­ci­men­to nos re­gis­tros de bo­le­tins de ocor­rên­ci­as. “Um dos pon­tos prin­ci­pais é a la­vra­tu­ra dos bo­le­tins de ocor­rên­ci­as de cri­mes li­ga­dos ao trá­fi­co de dro­gas. De 2016 a 2017, foi re­gis­tra­do um cres­ci­men­to de 61% nas áre­as da 4ª Com­pa­nhia In­de­pen­den­te e do 5° Ba­ta­lhão. Qua­se 300 a mais sus­pei­tos de­ti­dos en­tre um ano e ou­tro”, in­for­ma ele.

Ocor­rên­ci­as de in­fra­ções com me­nor po­ten­ci­al ofen­si­vo tam­bém con­ta­bi­li­za­ram um avan­ço en­tre os dois úl­ti­mos anos. Se­gun­do Azo­li­ni, uma das ca­rac­te­rís­ti­cas des­se ti­po de ocor­rên­cia se­ria a agi­li­da­de no aten­di­men­to aos en­vol­vi­dos. “A la­vra­tu­ra dos ter­mos cir­cuns­tan­ci­a­dos de me­nor po­ten­ci­al ofen­si­vo, co­mo in­fra­ções de por­te de dro­gas pa­ra uso pessoal, ameaça, le­são cor­po­ral le­ve, re­gis­trou um au­men­tou de 165%”, co­men­ta. “A re­so­lu­ção des­sas in­fra­ções é mui­to mai­or. A pró­pria Po­lí­cia Mi­li­tar co­me­ça e fi­na­li­za a ocor­rên­cia, a tor­nan­do mui­to mais rá­pi­da e efi­ci­en­te pa­ra as par­tes en­vol­vi­das. A PM vai ao lo­cal, cons­ta­ta o cri­me, en­ca­mi­nha a pes­soa ao pró­prio car­tó­rio. Ela sai com a da­ta da au­di­ên­cia mar­ca­da jun­to ao ter­mo cir­cuns­tan­ci­a­do e di­re­ci­o­na­da ao Po­der Ju­di­ciá­rio”, de­ta­lha.

Pau­lo Mon­tei­ro/Arquivo

Pau­lo Mon­tei­ro/Arquivo

Os ho­mi­cí­di­os tam­bém ti­ve­ram uma re­du­ção ex­pres­si­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.