IM­POR­TÂN­CIA

NOSSODIA - - Nossodiaadia -

Nes­te con­tex­to, o pla­no de mo­bi­li­da­de sur­ge co­mo uma ma­nei­ra de co­me­çar a en­con­trar saí­das pa­ra o trân­si­to de Lon­dri­na. Is­so por­que tra­ta-se de es­tu­do so­bre to­das as ne­ces­si­da­des de des­lo­ca­men­tos que ocor­rem, ten­tan­do di­re­ci­o­nar os in­ves­ti­men­tos do mu­ni­cí­pio de for­ma mais ade­qua­da. “O fo­co é em ci­da­des mais com­pac­tas, com pri­o­ri­da­de pa­ra pe­des­tres, trans­por­te co­le­ti­vo e não motorizados”, des­ta­ca. To­dos os mu­ni­cí­pi­os que não ela­bo­ra­rem o pro­je­to fi­ca­rão im­pe­di­dos de ob­ter re­cur­sos fe­de­rais or­ça­men­tá­ri­os na área de mo­bi­li­da­de ur­ba­na de for­ma tem­po­rá­ria, a par­tir do pra­zo es­ta­be­le­ci­do. “Lon­dri­na es­tá atra­sa­da. A ges­tão pas­sa­da já de­ve­ria ter fei­to o pla­no. Com is­so, a ci­da­de po­de ter pre­juí­zos pe­la de­mo­ra pa­ra sair es­te do­cu­men­to”, re­co­nhe­ce a di­re­to­ra do Ip­pul. O pro­fes­sor da UEL aler­ta que mais im­por­tan­te que ter o pla­no, é co­lo­cá-lo em prá­ti­ca. “Não adi­an­ta ter um bom pla­no e ele fi­car en­ga­ve­ta­do. Pre­ci­sa ter to­do o pla­ne­ja­men­to com ação e in­ves­ti­men­to. To­da pro­gra­ma­ção pre­ci­sa de um di­ag­nós­ti­co pré­vio pa­ra en­ten­der a re­a­li­da­de e es­ta pes­qui­sa vem pa­ra is­so”, ad­ver­te Fá­bio Cé­sar Al­ves da Cu­nha. (P.M.)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.