Tra­ba­lho co­mo fre­e­lan­cer exi­ge or­ga­ni­za­ção

Pro­fis­si­o­nal pre­ci­sa apren­der a de­sen­vol­ver uma ro­ti­na pro­du­ti­va por con­ta pró­pria

NOSSODIA - - Negócio - (Ra­fa­el Cos­ta /Gru­po Fo­lha)

Se­ja por es­co­lha ou por aci­den­te de per­cur­so, mui­tos pro­fis­si­o­nais se tor­nam fre­e­lan­cers em al­gum mo­men­to da car­rei­ra. A ideia de ser seu pró­prio che­fe, ter fle­xi­bi­li­da­de pa­ra tra­ba­lhar a ho­ra que qui­ser e até ga­nhar me­lhor acu­mu­lan­do mais cli­en­tes, no en­tan­to, nem sem­pre dá cer­to. Pa­ra ser um “fri­la” de su­ces­so, é pre­ci­so or­ga­ni­za­ção e com­pro­me­ti­men­to, co­mo em qual­quer ou­tro mo­de­lo de car­rei­ra.

Pro­va dis­so é que o pri­mei­ro pas­so, pa­ra o fre­e­lan­cer, tam­bém é se pla­ne­jar. Con­for­me ex­pli­ca An­dréa Gau­té, di­re­to­ra da ABRH-PR (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Re­cur­sos Hu­ma­nos) e só­cia da Gau­té RH, es­te pla­ne­ja­men­to vai des­de a de­fi­ni­ção do pro­du­to ou ser­vi­ço que se­rá ofe­re­ci­do até o lu­gar on­de o pro­fis­si­o­nal vai tra­ba­lhar. É pre­ci­so ter cla­re­za so­bre qual é o fo­co, o pú­bli­co-al­vo e o di­fe­ren­ci­al com­pe­ti­ti­vo, e tam­bém so­bre os cli­en­tes com que se vai tra­ba­lhar, pa­ra ha­ver al­gu­ma pre­vi­si­bi­li­da­de. “To­dos são fa­to­res im­por­tan­tes qu­an­do es­ta­mos fa­lan­do de ges­tão de car­rei­ra”, diz An­dréa.

De­fi­nir o es­pa­ço de tra­ba­lho tam­bém é um pas­so ini­ci­al da mai­or im­por­tân­cia. Pa­ra co­me­çar, é pre­ci­so ter um es­pa­ço or­ga­ni­za­do, sau­dá­vel e li­vre de in­ter­rup­ções, além de uma es­tru­tu­ra que não vá dei­xar o pro­fis­si­o­nal na mão no meio do tra­ba­lho. É re­co­men­dá­vel que a pes­soa bus­que co­nhe­ci­men­tos bá­si­cos de in­for­má­ti­ca pa­ra po­der re­sol­ver por con­ta pró­pria al­guns pro­ble­mas mais sim­ples. Tam­bém po­de ser im­por­tan­te con­ver­sar com a fa­mí­lia pa­ra dei­xar cla­ro que, du­ran­te o pe­río­do de tra­ba­lho, o pro­fis­si­o­nal “não es­tá”. Ca­so con­trá­rio, o pró­xi­mo “job” po­de aca­bar sen­do dar um pu­lo no su­per­mer­ca­do, le­var o ga­to no pet ou pen­du­rar as rou­pas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.