QUITAR UMA DÍ­VI­DA OU IN­VES­TIR?

NOSSODIA - - Negócio - POR: GUS­TA­VO ORTLIEB GUS­TA­VO ORTLIEB é es­tu­dan­te de Ci­ên­ci­as Econô­mi­cas Fa­le com o co­lu­nis­ta: gor­tli­eb@ou­tlo­ok.com

Se pla­ne­jo mu­dar mi­nha vi­da fi­nan­cei­ra, por on­de co­me­çar? Quitar mi­nhas dí­vi­das ou in­ves­tir pa­ra que, no fu­tu­ro, es­se in­ves­ti­men­to pa­gue mi­nhas dí­vi­das an­te­ri­o­res? Qu­an­do se pen­sa em co­me­çar a pla­ne­jar sua vi­da fi­nan­cei­ra, de­ve se aten­tar a al­gu­mas me­di­das im­por­tan­tes a se­rem to­ma­das, al­gu­mas de­las co­mo: tra­çar me­tas, elen­car gas­tos, cor­tar des­pe­sas des­ne­ces­sá­ri­as, pen­sar no cur­to e lon­go pra­zo, en­tre ou­tras. Mas ne­nhu­ma de­las fun­ci­o­na se vo­cê não pos­suir uma ba­se for­te, ou se­ja, pa­ra que ha­ja uma co­lhei­ta for­te e sau­dá­vel é pre­ci­so arar a ter­ra, ou aque­las ve­lhas plan­tas que vi­vi­am ali an­tes vão es­tra­gar as no­vas que es­tão sen­do plan­ta­das, exa­ta­men­te co­mo uma mu­dan­ça fi­nan­cei­ra. Pri­mei­ro se faz a ba­se, ou se­ja, pa­ga as dí­vi­das, ar­ru­ma a ca­si­nha co­mo al­guns di­ri­am, pa­ra pos­te­ri­or­men­te se pen­sar em in­ves­tir. Mas não pos­suo di­nhei­ro pa­ra quitar mi­nhas dí­vi­das, o que fa­zer? Bom, se pla­ne­je e ado­te prá­ti­cas que vão te ga­ran­tir uma eco­no­mia e pos­te­ri­or­men­te po­der quitar sua dí­vi­da. Eu com­pre­en­do que não é fá­cil, e não é pa­ra ser fá­cil mu­dar há­bi­tos. Mas, sem dor, sem va­lor, não é mes­mo?

En­tre quitar dí­vi­das ou in­ves­tir, co­me­ce qui­tan­do os dé­bi­tos, pre­pa­re uma boa ba­se pa­ra um fu­tu­ro for­te e pro­mis­sor. Se já es­ti­ver cons­ci­ên­cia da­qui­lo que de­se­ja e es­ti­ver bem pla­ne­ja­do, aí sim pen­se em in­ves­tir, mas nun­ca dei­xe su­as dí­vi­das se acu­mu­la­rem. Elas po­dem es­tra­gar tu­do o que pla­ne­jou. Lem­bre-se: sem dor, sem ga­nhos!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.