Re­gis­tro na­ci­o­nal de me­du­la: chan­ce de uma no­va vi­da

País pos­sui ca­das­tro com mais de 4 mi­lhões de pos­sí­veis do­a­do­res

NOSSODIA - - Oque De Aúde - (Blog da Saú­de)

An­si­e­da­de, an­gús­tia, me­do e dor. Qu­an­do um pa­ci­en­te re­ce­be a no­tí­cia de que pre­ci­sa­rá de um trans­plan­te, os sen­ti­men­tos são os mais va­ri­a­dos, mas ne­nhum de­les, no pri­mei­ro mo­men­to, é po­si­ti­vo. Atu­al­men­te, em to­do o País, de acor­do com o Re­gis­tro Na­ci­o­nal de Do­a­do­res Vo­lun­tá­ri­os de Me­du­la Ós­sea (Re­do­me), apro­xi­ma­da­men­te 850 pes­so­as es­tão em bus­ca de um do­a­dor com­pa­tí­vel.

Ape­sar de con­tar com um ca­das­tro com pou­co mais de 4 mi­lhões de vo­lun­tá­ri­os, en­con­trar um do­a­dor com­pa­tí­vel não é ta­re­fa fá­cil. Uma re­a­li­da­de co­nhe­ci­da in­ti­ma­men­te pe­la es­tu­dan­te La­ris­sa de Paula Sou­sa, 19 anos. Lu­tan­do con­tra a leu­ce­mia há 10 anos, sou­be em de­zem­bro pas­sa­do que pre­ci­sa­ria pe­la pri­mei­ra vez de um trans­plan­te. Fa­mi­li­a­res lo­go se pron­ti­fi­ca­ram pa­ra fa­zer o tes­te. No en­tan­to, ne­nhum era com­pa­tí­vel.

Res­pon­sá­vel pe­la área de trans­plan­tes do Ins­ti­tu­to de Car­di­o­lo­gia do Dis­tri­to Fe­de­ral (ICDF), o mé­di­co Gus­ta­vo Bet­ta­rel­lo ex­pli­ca que a va­ri­a­ção do pa­drão ge­né­ti­co no Bra­sil, que con­ta com uma po­pu­la­ção al­ta­men­te mis­ci­ge­na­da, di­fi­cul­ta a com­pa­ti­bi­li­da­de en­tre as pes­so­as. “É mui­to mai­or a quan­ti­da­de de va­ri­a­ções ge­né­ti­cas que a gen­te po­de ter, de ma­nei­ra que é mui­to di­fí­cil a gen­te en­con­trar uma pes­soa que te­nha um pa­drão ge­né­ti­co mui­to se­me­lhan­te”, dis­se.

“To­da vez que ia al­guém, sem­pre acre­di­ta­va que uma ho­ra da­ria cer­to. Uma ho­ra che­ga­ria al­guém, nem que de­mo­ras­se um pou­qui­nho mais, mas che­ga­ria”, lem­brou. A bus­ca por um do­a­dor com­pa­tí­vel du­rou pou­co mais de dois me­ses. E ele veio de fo­ra do cír­cu­lo fa­mi­li­ar, o que tor­na La­ris­sa uma ex­ce­ção à re­gra.

No en­tan­to, La­ris­sa é uma das pou­cas a en­con­trar um do­a­dor que não é da fa­mí­lia, cha- ma­do de não apa­ren­ta­do, em um cur­to es­pa­ço de tem­po. Ho­je, de­pois de du­as sé­ri­es de tra­ta­men­to e ago­ra com o trans­plan­te, ela vi­ve um no­vo re­co­me­ço e pe­de que as pes­so­as se cons­ci­en­ti­zem.

CAM­PA­NHA PE­LA VI­DA

Mãe da es­tu­dan­te, An­dréa de Paula dis­se que a no­tí­cia de que a fi­lha pre­ci­sa­ria de um trans­plan­te foi se­gui­da de de­ses­pe­ro, que lo­go se re­ver­teu em es­pe­ran­ça mo­ti­va­da pe­las cam­pa­nhas fei­tas por fa­mi­li­a­res, ami­gos e co­nhe­ci­dos mais pró­xi­mos. Mui­tos aten­de­ram ao cha­ma­do, mo­men­to de emo­ção e alí­vio pa­ra La­ris­sa e seus pais.

Ho­je, mes­mo não sa­ben­do quem foi o seu sal­va­dor, a gra­ti­dão ao do­a­dor fa­la mais al­to em seu co­ra­ção. “Foi uma coi­sa mui­to bo­ni­ta da par­te des­sa pes­soa. Eu que­ria que ou­tras pes­so­as tam­bém se mo­bi­li­zas­sem. É mui­to im­por­tan­te pa­ra quem es­tá na bus­ca”, afir­mou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.