Na Re­gião Nor­te tem sá­ba­do fes­ti­vo

NOSSODIA - - Nossodiaadia - (Redação/NOSSODIA)

Co­mo par­te da pro­gra­ma­ção da 18ª Se­ma­na Mu­ni­ci­pal da Paz, o Conselho Mu­ni­ci­pal da Cul­tu­ra de Paz (Com­paz) e a Or­ga­ni­za­ção Não Go­ver­na­men­tal Lon­dri­na Pa­ze­an­do re­a­li­zam nes­te sá­ba­do (6), o 5º Manifesto pe­la Paz e pe­lo De­sar­ma­men­to In­fan­til. A ação pos­sui par­ce­ria com a As­so­ci­a­ção de Mo­ra­do­res do Con­jun­to Milton Ga­vet­ti, bair­ro que se­dia o even­to pe­lo se­gun­do ano se­gui­do. A ação acon­te­ce no can­tei­ro da Rua Ra­fa­el La­mas­tra, es­qui­na com Rua Pa­tagô­nia. To­das as cri­an­ças são con- vi­da­das a par­ti­ci­par da ati­vi­da­de, das 8h às 12h, que vai con­tar com ca­ma elás­ti­ca, dis­tri­bui­ção de pi­po­ca, al­go­dão do­ce e re­fri­ge­ran­te, en­tre ou­tras ati­vi­da­des.

O se­cre­tá­rio do Com­paz e in­te­gran­te da ONG Lon­dri­na Pa­ze­an­do, Luis Clau­dio Ga­lhar­di, ex­pli­cou que o Manifesto pe­la Paz e pe­lo De­sar­ma­men­to In­fan­til bus­ca cons­ci­en­ti­zar as fa­mí­li­as so­bre a im­por­tân­cia de não ad­qui­rir ar­mas de brin­que­do. “Apro­vei­ta­mos a pro­xi­mi­da­de do Dia das Cri­an­ças jus­ta­men­te pa­ra re­for­çar aos pais, fa­mi­li­a­res e ami­gos que não pre­sen­tei­em as cri­an­ças com ar­mas de brin­que­do. Nos­sas cri­an­ças vi­vem em uma so­ci­e­da­de mar­ca­da pe­la vi­o­lên­cia, mas ca­be aos pais trans­mi­tir va­lo­res, e es­se é um de­les. Por is­so va­mos ori­en­tar que, quem ama su­as cri­an­ças não dá es­ses brin­que­dos, não incentiva es­sa cul­tu­ra de vi­o­lên­cia”, res­sal­tou.

A des­trui­ção das ar­mas de brin­que­dos te­rá a par­ti­ci­pa­ção de re­pre­sen­tan­tes do Exér­ci­to e da Po­lí­cia Mi­li­tar, con­vi­da­dos a com­pa­re­cer no­va­men­te no Manifesto. Pa­ra des­car­te dos ma­te­ri­ais re­ci­clá­veis, ha­ve­rá equi­pes da Co­o­pe­ra­ti­va de Re­ci­cla­gem Co­o­per Mu­dan­ças.

Atra­vés de uma cam­pa­nha, re­a­li­za­da pe­la pro­fes­so­ra Janaína Ne­ves da Cruz, da Es­co­la Mu­ni­ci­pal Eu­gê­nio Bru­gin, fo­ram ar­re­ca­da­das ar­mas de brin­que­do que se­rão des­truí­das. A do­cen­te fez a tro­ca das ar­mas por brin­que­dos que ela mes­ma fez, in­cen­ti­van­do a cul­tu­ra de paz en­tre a comunidade da re­gião sul.

Se­gun­do Ga­lhar­di, os brin­que­dos que são ré­pli­cas de ar­mas con­tri­bu­em pa­ra que a ques­tão do ar­ma­men­to se­ja na­tu­ral pa­ra as cri­an­ças, sen­do que o ide­al é que elas não te­nham es­se con­ta­to. “Ao in­vés de in­ves­tir em brin­que­dos de ar­ma, va­mos trans­for­mar o ato de pre­sen­te­ar em al­go que pro­mo­va a cul­tu­ra de paz, com brin­que­dos que en­si­nem ques­tões de sus­ten­ta­bi­li­da­de e edu­ca­ção. O co­mér­cio con­ta com di­ver­sas op­ções, mui­to me­lho­res, que vão per­mi­tir o diá­lo­go en­tre as fa­mí­li­as, a união, e tor­nar a brin­ca­dei­ra aqui­lo que ela de­ve ser: um mo­men­to de di­ver­são, apren­di­za­do e la­zer”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.