Re­vi­são do car­ro é fun­da­men­tal pa­ra fe­ri­a­dão pro­lon­ga­do

Uma boa re­vi­são no car­ro po­de evi­tar dor de ca­be­ça na es­tra­da; mo­to­ris­ta pre­ci­sa fi­car aten­to des­de o ro­dí­zio de pneus ao sis­te­ma de ar­re­fe­ci­men­to

NOSSODIA - - Primeira Página - (Ed­son Ne­ves/NOSSODIA).

Com o fe­ri­a­dão pro­lon­ga­do na pró­xi­ma sex­ta-fei­ra, dia 12 de ou­tu­bro, quem pre­ci­sa pe­gar a es­tra­da de­ve fi­car li­ga­do pa­ra não pas­sar dor de ca­be­ça lon­ge de ca­sa. E uma boa re­vi­são no car­ro é o pri­mei­ro pas­so. O NOSSODIA foi até uma ofi­ci­na no cen­tro da ci­da­de pa­ra sa­ber o que pre­ci­sa ser fei­to pa­ra apro­vei­tar com tran­qui­li­da­de a vi­a­gem.

Se­gun­do com o pro­pri­e­tá­rio da ofi­ci­na In­je­no­vas Au­to­pe­ças, Ra­fa­el Men­des Mo­na­rin, pa­ra uma vi­a­gem de vá­ri­os di­as, são ve­ri­fi­ca­dos os frei­os, ní­vel do óleo, sus­pen­são (ali­nha­men­to, ba­lan­ce­a­men­to e amor­te­ce­do­res), pneus (fa­zen­do o ro­dí­zio e co­lo­can­do os de me­lhor es­ta­do na fren­te), ba­te­ria, ar-con­di­ci­o­na­do e in­je­ção ele­trô­ni­ca.

O sis­te­ma de ar­re­fe­ci­men­to tam­bém re­ce­be uma aten­ção es­pe­ci­al. “Bom­ba d’água, vál­vu­la ter­mos­tá­ti­ca, sen­sor e ven­toi­nha. A gen­te sem­pre vê car­ros pa­ra­dos no acos­ta­men­to por­que fer­ve­ram. Por is­so é im­por­tan­te a re­vi­são nes­te sis­te­ma”, co­men­tou. A cor­reia den­ta­da é ou­tro item que po­de ge­rar pro­ble­ma se não es­ti­ver 100%. “Quan­do re­ce­be­mos o car­ro, a gen­te per­gun­ta pa­ra o do­no se foi fei­ta re­vi­são lá, por­que se es­tou­rar, po­de afe­tar o mo­tor e o ca­be­ço­te”, aler­tou. De­ta­lhes co­mo as lâm­pa­das e as pa­lhe­tas do lim­pa­dor de vi­dro não passam ba­ti­do no chec­klist. “Tem gen­te que só lem­bra de olhar a pa­lhe­ta quan­do cho­ve”, re­for­ça um dos me­câ­ni­cos da ofi­ci­na. “As lâm­pa­das, por exem­plo, se não es­ti­ve­rem fun­ci­o­nan­do po­dem até dar mul­ta. A gen­te re­vi­sa no mí­ni­mo 40 ou­tros itens fo­ra do tra­di­ci­o­nal. É uma sequên­cia em que tu­do de­ve es­tar em bo­as con­di­ções.”

So­bre os va­lo­res, Mo­na­rin afir­mou que as “re­vi­sões de fé­ri­as” va­ri­am en­tre R$ 600 (a um car­ro con­ser­va­do) a R$ 2.000, quan­do o veí­cu­lo pre­ci­sa de uma ge­ral mais de­ta­lha­da. “A ma­nu­ten­ção pre­ven­ti­va ain­da com­pen­sa, por­que se o car­ro qu­e­bra fo­ra da ci­da­de e não tem se­gu­ro, só o va­lor do guin­cho já pa­ga­ria uma re­vi­são que ele po­de­ria ter fei­to”, ga­ran­tiu. O tem­po de ma­nu­ten­ção na ofi­ci­na não pas­sa de um dia e meio, dis­se o pro­pri­e­tá­rio, que su­ge­re re­vi­sões a ca­da seis me­ses ou a ca­da 10 mil quilô­me­tros ro­da­dos.

Ed­son Ne­ves

Re­vi­sões de fé­ri­as va­ri­am en­tre R$ 600 a R$ 2.000, quan­do o car­ro pre­ci­sa de uma ge­ral de­ta­lha­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.