Ra­ti­nho Ju­ni­or ven­ce de la­va­da e é o no­vo go­ver­na­dor do Pa­ra­ná

Can­di­da­to ven­ce com mais de 60% dos vo­tos e de­se­nha ce­ná­rio po­lí­ti­co di­fe­ren­te no Es­ta­do

NOSSODIA - - Nosso Dia Especial - DER­RO­TA NA­CI­O­NAL (Gui­lher­me Mar­co­ni/Gru­po Fo­lha)

Vo­tos apu­ra­dos e re­sul­ta­dos di­vul­ga­dos - um no­vo pa­no­ra­ma po­lí­ti­co se de­se­nha. No Es­ta­do, a che­ga­da de Ra­ti­nho Júnior (PSD) ao pos­to de go­ver­na­dor – com mais de 60% dos vo­tos - já era es­pe­ra­da, mas, con­fir­ma­da, re­pre­sen­ta a ma­nu­ten­ção do mo­de­lo do gru­po po­lí­ti­co que há tem­pos di­ta as re­gras no Pa­lá­cio Igua­çu. Es­ta é a opi­nião do pro­fes­sor de Éti­ca e Fi­lo­so­fia Po­lí­ti­ca da UEL (Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Lon­dri­na), Clodomiro Jo­sé Bannwart Júnior. “A der­ro­ta pes­so­al de Be­to Ri­cha (PSDB) é in­dis­cu­tí­vel, mas é pre­ci­so ob­ser­var que não hou­ve es­pa­ço pa­ra a opo­si­ção. Tan­to Ci­da Borghet­ti qu­an­to o pró­prio go­ver­na­dor elei­to fi­ze­ram par­te do go­ver­no. O re­sul­ta­do, in­clu­si­ve, foi mui­to se­me­lhan­te ao al­can­ça­do pe­lo ex­go­ver­na­dor nas úl­ti­mas elei­ções. Há a vi­tó­ria de um mo­de­lo po­lí­ti­co”, afir­mou Bannwart. A der­ro­ta mais re­pre­sen­ta­ti­va no Es­ta­do, no en­tan­to, foi a de Ro­ber­to Re­quião (MDB) à re­e­lei­ção no Se­na­do. “Foi inu­si­ta­da a vo­ta­ção, mas as pes­qui­sas já in­di­ca­vam uma as­cen­são do Pro­fes­sor Ori­o­vis­to Gui­ma­rães (Po­de­mos) nas úl­ti­mas se­ma­nas, mas a in­ver­são foi uma sur­pre­sa”, ana­li­sou.

Na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, em Bra­sí­lia, a ci­da­de de Lon­dri­na per­de a re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de dos de­pu­ta­dos Hauly (PSDB), que não se re­e­le­geu, e Alex Can­zi­a­ni (PTB), que dis­pu­tou va­ga pa­ra o Se­na­do. “São dois no­mes im­por­tan­tes pa­ra a nos­sa re­gião, mas o Can­zi­a­ni, por exem­plo, abriu mão da va­ga e aca­bou com a vi­tó­ria da fi­lha, Lui­sa. Ain­da fo­ram elei­tos Di­e­go Gar­cia (Po­de­mos), Fi­li­pe Bar­ros (PSL) e o Bo­ca Aber­ta (Pros), que tem a can­di­da­tu­ra sub jú­di­ce. De qu­al­quer for­ma, há uma re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de”, ava­li­ou Bannwart. A mu­dan­ça que cha­ma a aten­ção do es­tu­di­o­so, no en­tan­to, é o de­se­nho da com­po­si­ção do Con­gres­so Fe­de­ral na pró­xi­ma le­gis­la­tu­ra. Com a va­li­da­de da Cláu­su­la de Bar­rei­ra, que im­põe no­vos cri­té­ri­os à re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de dos par­ti­dos po­lí­ti­cos, ha­ve­rá uma di­mi­nui­ção de le­gen­das e um de­se­nho mai­or en­tre si­tu­a­ção e opo­si­ção. “Des­de o pri­mei­ro go­ver­no do Lu­la, um nú­me­ro gran­de de par­ti­dos de cen­tro sur­giu pa­ra com­por com o go­ver­no. Ago­ra há uma ten­dên­cia, até mes­mo di­an­te do ce­ná­rio po­lí­ti­co, a po­la­ri­za­ção. Des­ta for­ma, não im­por­ta qual se­rá o go­ver­no, ha­ve­rá opo­si­ção e uma me­lho­ra na go­ver­na­bi­li­da­de. O que é vi­tal pa­ra a ma­nu­ten­ção da de­mo­cra­cia”, ex­pli­cou.

A di­ver­gên­cia en­tre os re­sul­ta­dos das pes­qui­sas elei­to­rais e os re­sul­ta­dos apu­ra­dos mos­trou que as dis­cus­sões so­bre o te­ma de­vem se apro­fun­dar nos pró­xi­mos anos. Em ca­sos co­mo o da elei­ção pa­ra o Se­na­do no Pa­ra­ná, se mos­trou in­ca­paz de me­dir a in­ten­ção do elei­tor. “Es­te é um te­ma sé­rio. Há um ques­ti­o­na­men­to so­bre até que pon­to as pes­qui­sas não aju­dam a in­flu­en­ci­ar o vo­to. O qu­an­to a pes­soa se ba­seia nos ins­ti­tu­tos pa­ra fa­zer o vo­to útil. Mas o bra­si­lei­ro dei­xa sem­pre tu­do pa­ra úl­ti­ma ho­ra, há de ava­li­ar de for­ma cri­te­ri­o­sa es­te te­ma”, opi­nou o pro­fes­sor da UEL. O fa­tor im­por­tan­te a ser le­va­do em con­si­de­ra­ção a res­pei­to da opi­nião do elei­tor é a fal­ta de con­fi­a­bi­li­da­de dos pró­pri­os par­ti­dos qu­an­to às su­as ori­en­ta­ções e ide­o­lo­gi­as. Um bom exem­plo foi o rom­pi­men­to do MDB com o PT, uni­dos na cha­pa de Dil­ma Rous­seff e Mi­chel Te­mer, e se­pa­ra­dos lo­go de­pois da pos­se, o que pos­te­ri­or­men­te ter­mi­nou no im­pe­a­ch­ment da ex-pre­si­den­te. “A po­lí­ti­ca é fei­ta de dis­per­são e, pró­xi­mo às elei­ções, os par­ti­dos bus­cam su­as for­ças nas con­ven­ções, pa­ra exa­ta­men­te con­ver­gir e se agru­par. Mas is­so mo­men­ta­ne­a­men­te. Fal- ta com­pro­mis­so e co­mo não es­pe­rar que o elei­tor se re­be­le?”, pon­de­rou Bannwart .

Na ava­li­a­ção de Bannwart, o PSDB sai da elei­ção bas­tan­te fra­gi­li­za­do e a po­la­ri­za­ção com o PT tam­bém per­de for­ça. O fo­co do jo­go po­lí­ti­co do País pas­sa a ser ou­tro. “Acre­di­to que a vo­ta­ção inex­pres­si­va de Ge­ral­do Alck­min fa­ça com que ele caia no os­tra­cis­mo. Vai ser mui­to di­fí­cil pa­ra o PSDB se rein­ven­tar. Já o PT não per­deu mais por­que che­gou ao se­gun­do tur­no, mas acre­di­to que se­ja mais fru­to do Lu­lis­mo do que do Pe­tis­mo”, ana­li­sou. Fa­tor de­ter­mi­nan­te em ou­tras elei­ções, a cam­pa­nha elei­to­ral na TV de­mons­trou ter per­di­do a for­ça. De­ten­tor de mai­or tem­po em ca­deia na­ci­o­nal, Alck­min ra­te­ou. Já Jair Bol­so­na­ro (PSL), que po­de­ria até ser con­si­de­ra­do na­ni­co, fez va­ler a sua mi­li­tân­cia nas re­des so­ci­ais. “Qu­e­bra­mos o pa­ra­dig­ma da te­le­vi­são. Os pró­pri­os de­ba­tes são mais va­lo­ri­za­dos pe­las emis­so­ras do que têm de­mons­tra­do ter um efei­to prá­ti­co. As re­des so­ci­ais ga­nham pa­pel de co­mí­cio per­ma­nen­te e os ve­lhos ca­ci­ques ain­da não se aten­ta­ram a is­so”, aler­tou, num tom de que a ve­lha clas­se po­lí­ti­ca es­tá em che­que.

Theo Mar­ques

Vi­tó­ria de Ra­ti­nho Ju­ni­or re­pre­sen­ta a ma­nu­ten­ção do mo­de­lo do gru­po po­lí­ti­co que há tem­pos di­ta as re­gras no Pa­lá­cio Igua­çu

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.