ACI­DEN­TES COM MO­TO­RIS­TAS EM­BRI­A­GA­DOS TÊM IN­TER­PRE­TA­ÇÕES DI­FE­REN­TES PE­LA JUS­TI­ÇA

NOSSODIA en­tre­vis­ta ad­vo­ga­da cri­mi­nal pa­ra es­cla­re­cer ca­sos que cho­ca­ram a ci­da­de nos úl­ti­mos me­ses; por­que há um mo­to­ris­ta pre­so e ou­tras du­as soltas?

NOSSODIA - - Primeira Página - (Ed­son Ne­ves/NOSSODIA) (E.N)

O que os ca­sos dos mo­to­ris­tas Dai­a­ne Cris­ti­na Frei­re, Lu­ci­a­na Vi­ei­ra Si­quei­ra e Ri­car­do Mar­tins Mo­ra­es têm em co­mum? Os três fo­ram res­pon­sá­veis por mor­tes no trân­si­to na re­gião de Lon­dri­na en­quan­to di­ri­gi­am em­bri­a­ga­dos. Os ca­sos – que cho­ca­ram a ci­da­de nos úl­ti­mos me­ses pe­lo ní­vel de vi­o­lên­cia das co­li­sões, to­ta­li­zan­do se­te mor­tes - vêm sen­do in­ter­pre­ta­dos de for­mas di­fe­ren­tes pe­la Jus­ti­ça, o que dei­xa as fa­mí­li­as das ví­ti­mas apre­en­si­vas so­bre as de­ci­sões ju­di­ci­ais que es­tão por vir.

Ri­car­do Mar­tins Mo­ra­es pro­vo­cou um aci­den­te úl­ti­mo dia 30 de se­tem­bro, em tre­cho da PR-445, pró­xi­mo ao dis­tri­to da War­ta. Ele ten­tou uma ul­tra­pas­sa­gem em lo­cal proi­bi­do e ba­teu con­tra a ro­da de um ca­mi­nhão, que per­deu o con­tro­le, in­va­diu a pis­ta con­trá­ria e atin­giu o veí­cu­lo em que es­ta­va uma fa­mí­lia. O ca­sal Fer­nan­do Afon­so Ro­sa e Ad­na Si­mões de Sou­za e os dois fi­lhos mor­re­ram na ho­ra. O mo­to- ris­ta do ca­mi­nhão, Luiz Car­los Mi­ran­da, so­freu fe­ri­men­tos le­ves. Ri­car­do se re­cu­sou a fa­zer o tes­te do bafô­me­tro, mas con­fes­sou ter be­bi­do e foi pre­so em fla­gran­te pe­la Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Es­ta­du­al acu­sa­do de ho­mi­cí­dio do­lo­so com do­lo even­tu­al - aque­le em que se as­su­me o ris­co de ma­tar. Na au­di­ên­cia de cus­tó­dia, a juí­za da Va­ra Cri­mi­nal de Cam­bé, Jes­si­ca Va­lé­ria Gu­ar­ni­er, op­tou pe­la ma­nu­ten­ção da pri­são pre­ven­ti­va ale­gan­do “mo­ti­vos de or­dem pú­bli­ca”. Até o mo­men­to, Ri­car­do se­gue pre­so.

Nos ou­tros dois ca­sos, as au­to­ras res­pon­dem em li­ber­da­de. No dia 16 de agos­to, Jú­lio Cé­sar Fon­ta­na di­ri­gia uma mo­to quan­do foi mor­to BR-369, pró­xi­mo ao Par­que Ney Bra­ga. A mo­to­ris­ta, Lu­ci­a­na Vi­ei­ra Si­quei­ra, es­ta­va com 0,64 mg/l de ál­co­ol no san­gue. Ela fi­cou três di­as in­ter­na­da na UTI do Hos­pi­tal do Co­ra­ção e foi sol­ta após pa­gar fi­an­ça, con­for­me de­ci­são do juiz da 4ª Va­ra Cri­mi­nal, Luiz Va­lé­rio dos San­tos. No des­pa­cho, o juiz afir­mou que Lu­ci­a­na “pos­sui bons an­te­ce­den­tes, tem re­si­dên­cia fi­xa e tra­ba­lho lí­ci­to”, além de que a mo­to­ris­ta não tem in­dí­ci­os de “ameaçar tes­te­mu­nhas e nem se eva­dir da cul­pa”, pa­ra uma pos­sí­vel pri­são pre­ven­ti­va. Lu­ci­a­na te­ve a car­tei­ra de mo­to­ris­ta cas­sa­da e não po­de di­ri­gir por um

ano. Ela tam­bém pre­ci­sa com­pa­re­cer men­sal­men­te à Jus­ti­ça.

Já no dia 1º de maio, Dai­a­ne Cris­ti­na Frei­re foi res­pon­sá­vel pe­la mor­te de Je­an Gou­lart Ca­mar­go e Eli­e­de dos San­tos Oli­vei­ra, no se­má­fo­ro das ave­ni­das Dez de De­zem­bro e Gui­lher­me de Al­mei­da. As ví­ti­mas es­ta­vam em uma mo­to­ci­cle­ta aguar­dan­do o si­nal abrir quan­do o car­ro de Dai­a­ne ba­teu vi­o­len­ta­men­te na tra­sei­ra, fa­zen­do com que am­bos fos­sem ar­re­mes­sa­dos da mo­to e mor­res­sem na ho­ra. O bafô­me­tro apon­tou 0,51 mg/l de ál­co­ol, quan­do o to­le­ra­do na Lei Se­ca é de 0,05 mg/l. O juiz de plan­tão, Luiz Gon­za­ga Tu­cun­du­va de Mou­ra, de­cre­tou pri­são pre­ven­ti­va de Dai­a­ne, mas na au­di­ên­cia de cus­tó­dia, o juiz Ju­li­a­no Na­nun­cio, da 3ª Va­ra Cri­mi­nal de Lon­dri­na, en­ten­deu que a au­to­ra era ré pri­má­ria, e Dai­a­ne pa­gou fi­an­ça de R$ 3.180.

ANÁ­LI­SE DOS CA­SOS

O NOSSODIA con­ver­sou com a ad­vo­ga­da cri­mi­nal, Ma­ri­a­ne Sil­va Oli­vei­ra, pa­ra en­ten­der da di­fe­ren­ça nas de­ci­sões dos três ca­sos. “O TJ (Tri­bu­nal de Jus­ti­ça) já se ma­ni­fes­tou no sen­ti­do de, pa­ra de­cre­tar a pri­são pre­ven­ti­va no ca­so de ho­mi­cí­dio do­lo­so ou atri­buir o cri­me em ca­so de leis de trân­si­to, é ne­ces­sá­rio ou­tros ele­men­tos que in­di­quem que não foi ape­nas o fa­tor de es­tar em­bri­a­ga­do que fi­zes­se com que a pes­soa as­su­mis­se o ris­co de ma­tar. No ca­so do Ri­car­do, a ul­tra­pas­sa­gem proi­bi­da, o ex­ces­so de ve­lo­ci­da­de, o dia chu­vo­so, que re­quer mais cui­da­do, tu­do is­so foi le­va­do em con­ta pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pa­ra um even­tu­al do­lo, e a juí­za de lá aca­tou”, ex­pli­cou a ad­vo­ga­da.

Nos ca­sos de Lon­dri­na, a ad­vo­ga­da co­men­tou que ape­sar das si­mi­la­ri­da­des, os juí­zes en­ten­de­ram que não se­ria ne­ces­sá­ria a pri­são das acu­sa­das. “É qua­se uma ques­tão in­ter­pre­ta­ti­va. No juí­zo de Cam­bé, já hou­ve a aná­li­se por do­lo. Os juí­zes de Lon­dri­na, quan­do se ma­ni­fes­ta­ram, ain­da não ti­nham ele­men­tos pa­ra de­mons­trar es­se do­lo e man­ti­ve­ram a acu­sa­ção por ho­mi­cí­dio cul­po­so. Tu­do de­pen­de de co­mo o ma­gis­tra­do re­ce­be as in­for­ma­ções, mas na­da im­pe­de de se­rem acres­cen­ta­das mais in­for­ma­ções e que pos­sam mu­dar o ru­mo das in­ves­ti­ga­ções, mas no pri­mei­ro con­ta­to, foi es­co­lhi­do que as mu­lhe­res fos­sem in­di­ci­a­das pe­lo cri­me cul­po­so”, com­ple­tou.

No ca­so de Dai­a­ne, ela po­de ir a jú­ri po­pu­lar. No dia 27 de se­tem­bro, o juiz de Di­rei­to Mar­cus Re­na­to Gar­cia re­ce­beu de­nún­cia do pro­mo­tor Ti­a­go Ge­rar­di pa­ra que Dai­a­ne res­pon­da por ho­mi­cí­dio do­lo­so. A mo­to­ris­ta te­ria 10 di­as pa­ra res­pon­der a acu­sa­ção e a Jus­ti­ça de­ve ou­vir tes­te­mu­nhas e in­ter­ro­gar a au­to­ra do cri­me. O pro­ces­so de Lu­ci­a­na cor­re na 1ª Va­ra Cri­mi­nal e com re­la­ção ao ca­so mais re­cen­te, de Ri­car­do, a de­le­ga­cia de Cam­bé de­ve fi­na­li­zar o inqué­ri­to em uma se­ma­na e se­guir com as in­ves­ti­ga­ções.

Os três aci­den­tes que en­vol­ve­ram im­pru­dên­cia e be­bi­da al­coó­li­ca no vo­lan­te cho­ca­ram a ci­da­de nos úl­ti­mos me­ses

Re­pro­du­ção WhatsApp

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.