Lon­dri­nen­se fa­bri­ca fli­pe­ra­mas na ga­ra­gem de ca­sa

Fas­ci­na­do por ga­mes, Luiz Car­los fa­bri­ca fli­pe­ra­mas na ga­ra­gem de ca­sa, faz gra­na ex­tra e ale­gra ge­ra­ções

NOSSODIA - - Primeira Página - (Wal­ki­ria Vi­ei­ra/NOSSODIA)

O pro­je­tis­ta Luiz Car­los Cu­nha de Oli­vei­ra, 43 anos, não ima­gi­na­va que uma de su­as brin­ca­dei­ras pre­fe­ri­das pu­des­se vi­rar, na ma­tu­ri­da­de, pra­zer e de que­bra tra­zer re­tor­no fi­nan­cei­ro. Pois é, mas os fli­pe­ra­mas ga­nha­ram sig­ni­fi­ca­do na sua ro­ti­na. Se no pas­sa­do o me­ni­no cor­ria do es­tá­gio pa­ra com­prar fi­chas e jo­gar na ga­le­ria Vi­la Ri­ca, bem no cen­tro de Lon­dri­na, ho­je é pe­las re­des so­ci­ais que sua cli­en­te­la o en­con­tra e en­co­men­da o equi­pa­men­to per­so­na­li­za­do pa­ra se di­ver­tir em ca­sa ou le­var o por­tá­til pa­ra on­de qui­ser. “Fiz o pri­mei­ro em 2003 por cu­ri­o­si­da­de”.

Ao to­do, Oli­vei­ra con­ta que foi mais de uma ano pa­ra que a má­qui­na fi­cas­se pron­ta. “Eu já tra­ba­lha­va e pre­ci­sa­va pes­qui­sar bas­tan­te - ti­nha mais o fim de se­ma­na li­vre pa­ra me em­pe­nhar”. A es­pe­ra pe­lo fim de se­ma­na ti­nha mo­ti­vo e de tu­do um pou­co, era pre­ci­so sa­ber. “Ma­dei­ra­men­to, ele­trô­ni­ca, pro­gra­ma­ção, sen­do que na­que­la épo­ca a In­ter­net era dis­ca­da”, re­cor­da.

Com a cri­a­ção fi­na­li­za­da, a eu­fo­ria não pas­sou des­per­ce­bi­da. “Uma sen­sa­ção mui­to boa de se sen­tir ca­paz e meus ami­gos fa­zi­am fi­la pa­ra jo­gar em ca­sa. Era um mo­ni­tor de tu­bo e com o tem­po fui des­mon­tan­do es­se pro­tó­ti­po pa­ra no­vos exem­pla­res, mas a lem­bran­ça é a me­lhor pos­sí­vel”. A nos­tal­gia é pra­ti­ca­men­te sinô­ni­mo do fli­pe­ra­ma e o bri­lho nos olhos dos en­tu­si­as­tas su­pe­ra o que vem dos jo­gos na te­la. Mas foi di­an­te da cri­se que nos­so pro­fes­sor Par­dal co­me­çou a olhar pa­ra o seu fli­per de ou­tro jei­to quan­do, em 2016, fi­cou de­sem­pre­ga­do.

Foi nes­se mo­men­to que Oli­vei­ra fez do ócio cri­a­ção e te­ve en­tão a ideia de ven­der fli­pe­ra­mas. Nes­se cur­to pe­río­do, sem in­ves­tir em pu­bli­ci­da­de, já ini­ci­ou a fa­bri­ca­ção de 30 pe­ças. “De lá pra cá eu vol­tei a tra­ba­lhar co­mo pro­je­tis­ta, en­tão as­sim co­mo na épo­ca que me pro­pus a fa­zer o pri­mei­ro, só te­nho o fim de se­ma­na. O lu­cro é bem bai­xo, mas é al­go que me dá mui­to pra­zer”.

A fre­gue­sia vem de vá­ri­as re­giões do Pa­ra­ná e até de ou­tros es­ta­dos. Se­gun­do o fa­bri­can­te, a en­co­men­da vi­ra um brin­que­do pa­ra to­da a fa­mí­lia. “Já que per­so­na­li­zo, tem cli­en­te que pe­de pa­ra fa­zer me­ta­de ro­sa, me­ta­de azul, com mo­ti­vos a es­co­lha. Já fiz me­ta­de Prin­ce­sa, me­ta­de Ma­rio Bros e as­sim ale­gra a fi­lha e o fi­lho”.

Com 13 mil jo­gos ins­ta­la­dos, o por­tá­til é di­ver­são ga­ran­ti­da. “Con­tro­le ar­ca­de, bi­volt, en­tra­da HD­MI”, ci­ta. “Não dá ma­nu­ten­ção e en­tre­go con­fi­gu­ra­do”. En­tre os jo­gos, Gol­den Axe, Mid­night Re­sis­ten­ce, Stre­et Figh­ter e Bom­ber­man são ci­ta­dos pe­lo cri­a­dor. “Pas­sa pe­los jo­gos de Ata­ri, Su­per Nin­ten­do, Neo Geo e Plays­ta­ti­on I”, acres­cen­ta. Pai de Luiz Hen­ri­que de 23 anos, Ana Ca­ro­li­na, de 15 e Caio Le­o­nar­do, 15, Oli­vei­ra ad­mi­te que quan­do cri­an­ça era de des­mon­tar re­ló­gi­os e até os pró­pri­os brin­que­dos.

“Sem­pre fui cu­ri­o­so e em­bo­ra o pri­mei­ro fli­pe­ra­ma fos­se qua­dra­dão, meus ami­gos acha­vam que eu era um gê­nio por fa­zer em ca­sa e que pu­des­se ser li­ga­do, des­li­ga­do e tes­ta­do. Ho­je a apa­rên­cia é ou­tra, es­se tem acrí­li­co, o soft­ware é le­ga­li­za­do e eu con­si­de­ro que evo­luí”, brin­ca.

Fo­tos: Gus­ta­vo Car­nei­ro

O que era só uma di­ver­são no pas­sa­do se tor­nou uma ren­da ex­tra pa­ra o pro­je­tis­ta

Na ga­ra­gem de ca­sa, lon­dri­nen­se in­ves­tiu em ma­qui­ná­rio pa­ra pro­du­zir os ar­ca­des per­so­na­li­za­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.