AL­TA INFORMALIDADE LE­VA LON­DRI­NEN­SES A ATU­AR CO­MO MO­TO­RIS­TAS DE APPS

Des­de que che­gou na ci­da­de, há mais dois anos, Uber re­cru­ta ca­da vez mais tra­ba­lha­do­res que não con­se­guem em­pre­go com car­tei­ra as­si­na­da.

NOSSODIA - - Primeira Página - (Ed­son Neves/NOSSODIA)

O au­men­to da informalidade - tra­ba­lho sem re­gis­tro em car­tei­ra - vem cres­cen­do em Lon­dri­na. En­tre ja­nei­ro de 2016 e se­tem­bro de 2018, da­dos do IBGE (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca) e Ca­ged (Ca­das­tro Ge­ral de Em­pre­ga­dos e De­sem­pre­ga­dos) apon­tam que os tra­ba­lha­do­res nes­te per­fil pas­sa­ram de 49,6 mil pa­ra 57,4 mil no pe­río­do, um cres­ci­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo de 15,8%.

E foi num pe­río­do si­mi­lar – a par­tir de agos­to de 2016 – que um dos prin­ci­pais apli­ca­ti­vos de trans­por­te de pas­sa­gei­ros do pla­ne­ta, a Uber, che­gou em Lon­dri­na e aca­bou se tor­nan­do uma fon­te de ren­da (en­tre ou­tros apps que vi­e­ram pos­te­ri­or­men­te) pa­ra quem não con­se­gue re­tor­nar à for­ma­li­da­de. A em­pre­sa in­ter­na­ci­o­nal pre­fe­re não di­vul­gar os nú­me­ros dos mo­to­ris­tas da ci­da­de, mas não é pre­ci­so ser ne­nhum es­pe­ci­a­lis­ta pa­ra cons­ta­tar o au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo de­les. A di­fí­cil bus­ca por um em­pre­go com car­tei­ra as­si­na­da, cer­ta­men­te, aca­ba co­nec­ta­da de cer­ta for­ma ao in­cre­men­to dos mo­to­ris­tas. O NOSSODIA con­ver­sou com al­guns de­les e com­pro­va es­te ce­ná­rio.

Aos 26 anos, João Vic­tor Cor­ra­di é for­ma­do em ad­mi­nis­tra­ção de em­pre­sas e con­tou que a di­fi­cul­da­de em ar­ru­mar um em­pre­go na área fez com que en­tras­se na on­da do tra­ba­lho sem car­tei­ra as­si­na­da. “Na ver­da­de sem­pre tra­ba­lhei as­sim, se­ja em es­tá­gio da fa­cul­da­de ou em em­pre­sa da fa­mí­lia. Mas ain­da que­ro se­guir pa­ra a mi­nha área”. No en­tan­to, o ra­mo “sa­tu­ra­do e con­cor­ri­do” faz com que a pro­cu­ra se­ja me­nor. “A concorrência é gi­gan­te. Fui em uma en­tre­vis­ta on­de ti­nha 350 can­di­da­tos dis­pu­tan­do uma va­ga de au­xi­li­ar ad­mi­nis­tra­ti­vo. Con­ti­nuo pro­cu­ran­do em­pre­go, mas ho­je a Uber e a 99 são meu tra­ba­lho diá­rio”, com­ple­tou.

Cló­vis Go­mes Andrade se de­sen­vol­veu na área da cons­tru­ção ci­vil. No iní­cio, tra­ba­lha­va re­gis­tra­do na pre­fei­tu­ra de Rio Bran­co do Ivaí (190 km de Lon­dri­na). Em Lon­dri­na, trabalhou por qua­tro anos co­mo pe­drei­ro autô­no­mo até con­se­guir um em­pre­go com car­tei­ra as­si­na­da na an­ti­ga Con­fe­par, no car­go de ope­ra­dor de pas­teu­ri­za­ção, on­de fi­cou por no­ve anos. “Pe­di dis­pen­sa e vol­tei ao mer­ca­do in­for­mal”, dis­se. De volta à cons­tru­ção ci­vil, os ser­vi­ços não apa­re­ci­am sem­pre. A es­po­sa, ma­ni­cu­re, ou­viu a su­ges­tão de uma cli­en­te so­bre o tra­ba­lho co­mo mo­to­ris­ta de apli­ca­ti­vo. “A in­ten­ção era de fi­car ape­nas até a obra de um pré­dio fos­se li­be­ra­da, mas quan­do co­me­cei per­ce­bi que ‘ti­ra­va’ o mes­mo que co­mo pe­drei­ro. Ago­ra só es­tou nis­so aqui.”

A pro­pa­gan­da ofe­re­cen­do a opor­tu­ni­da­de de ren­da ex­tra fez com que João Pau­lo Vi­ei­ra saís­se de Cas­ca­vel, on­de era do­no de uma lo­ja de rou­pas fe­mi­ni­nas, pa­ra Lon­dri­na. “Lo­go que abri a lo­ja, foi no au­ge da cri­se e as ven­das caí­ram mui­to. Quan­do pes­qui­sa­va na in­ter­net jei­tos de au­men­tar a ren­da, caí na pro­pa­gan­da de­les e re­sol­vi ten­tar, sem co­nhe­cer a ci­da­de.”

Vi­ei­ra ad­mi­te que não é “fã” do tra­ba­lho for­mal, mas que sen­te fal­ta dos be­ne­fí­ci­os. “A di­nâ­mi­ca de tra­ba­lhar sem re­gis­tro é ou­tra. Na ver­da­de que­ria a opor­tu­ni­da­de de mon­tar outro ne­gó­cio. Tra­ba­lhar com is­so com­pen­sa, mas vo­cê pre­ci­sa de­di­car mui­to tem­po”, ga­ran­tiu.

Já pa­ra An­dréa Drex­ler, o tra­ba­lho co­me­çou co­mo uma ren­da ex­tra há qua­se dois anos. Tra­ba­lhan­do meio pe­río­do em uma fa­cul­da­de ho­lís­ti­ca no es­ta­do de São Pau­lo, a ou­tra me­ta­de ser­via pa­ra o trans­por­te de pas­sa­gei­ros. Mo­ran­do em Lon­dri­na des­de mar­ço, quan­do veio com to­da a fa­mí­lia, An­dréa diz que con­se­gue fa­tu­rar com as cor­ri­das o mes­mo que em seu úl­ti­mo em­pre­go for­mal. “No ra­mo que te­nho ex­pe­ri­ên­cia, até pe­la mi­nha ida­de (46), es­tá di­fí­cil ar­ru­mar em­pre­go re­gis­tra­do. Mas ain­da es­pe­ro con­se­guir um, até pe­las ga­ran­ti­as que vo­cê tem. Ho­je, a Uber é mi­nha ren­da prin­ci­pal, mas o ob­je­ti­vo é de vol­tar a ser um com­ple­men­to”, re­for­çou.

POS­SI­BI­LI­DA­DES

O eco­no­mis­ta Mar­cos Ram­bal­duc­ci ex­pli­cou que a atu­al si­tu­a­ção de fal­ta de em­pre­gos es­ti­mu­la o in­di­ví­duo a ad­mi­nis­trar o em­pre­en­de­do­ris­mo. “Uma vez, nes­te am­bi­en­te (in­for­mal), a pes­soa mui­tas ve­zes per­de o in­te­res­se em pro­cu­rar tra­ba­lho re­gis­tra­do”. Em con­tra­par­ti­da, Ram­bal­duc­ci re­cha­çou que a opor­tu­ni­da­de de en­ri­que­ci­men­to po­de até ul­tra­pas­sar a ques­tão da per­da de be­ne­fí­ci­os. “Ain­da não vi is­so acon­te­cer com ne­nhum em­pre­ga­do”.

Nú­me­ros do tra­ba­lho in­for­mal es­tão, de cer­ta for­ma, co­nec­ta­dos com o au­men­to de mo­to­ris­tas atra­vés dos apps que fun­ci­o­nam em Lon­dri­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.