Fes­ta em Lon­dri­na te­ve fo­gos e bu­zi­na­ço

Sim­pa­ti­zan­tes de Bol­so­na­ro saí­ram às ru­as após o re­sul­ta­do da apu­ra­ção

NOSSODIA - - Nosso Dia Especial - (Isa­be­la Fleis­ch­mann/ Gru­po Fo­lha)

Lon­dri­nen­ses se reu­ni­ram na ro­ta­tó­ria da ave­ni­da Hi­gi­e­nó­po­lis com a JK pa­ra co­me­mo­rar a vi­tó­ria de Jair Bol­so­na­ro (PSL) nes­te do­min­go (28). Ves­tin­do ca­mi­sas ver­des e ama­re­las, mui­tos com o ros­to do pre­si­den­te elei­to e com ban­dei­ras, os bol­so­na­ris­tas bu­zi­na­ram e sol­ta­ram ro­jões e fo­gos de ar­ti­fí­cio. Al­guns fa­zi­am ges­tos de ar­mas com as mãos e gri­ta­vam “a nos­sa ban­dei­ra ja­mais se­rá ver­me­lha”. Se­gun­do a Po­lí­cia Mi­li­tar, 3.000 pes­so­as es­ta­vam aglo­me­ra­das nas ave­ni­das lo­go após o re­sul­ta­do.

Com um car­ro de som, os apoi­a­do­res acom­pa­nha­ram a apu­ra­ção por meio de uma rá­dio. Quem pu­xa­va o co­ro era o ve­re­a­dor e de­pu­ta­do fe­de­ral elei­to, Fi­li­pe Barros (PSL). An­tes das 19h, Barros che­gou a afir­mar que ca­so Bol­so­na­ro não ven­ces­se, as elei­ções es­ta­ri­am frau­da­das. De­pois de con­fir­ma­da a vi­tó­ria do ca­pi­tão da re­ser­va, o ve­re­a­dor dis­se que “não te­ve frau­de por con­ta da pres­são po­pu­lar”.

Barros acres­cen­tou ain­da que “Bol­so­na­ro tem con­se­gui­do mes­mo an­tes do re­sul­ta­do al­go iné­di­to no Bra­sil, que é uni­fi­car o po­vo bra­si­lei­ro”. Se­gun­do o ve­re­a­dor, o PT di­vi­diu a po­pu­la­ção en­tre ri­cos e po­bres, he­te­ros­se­xu­ais e ho­mos­se­xu­ais e bran­cos e ne­gros.

A ope­ra­do­ra de cai­xa Fer­nan­da Kelly dos San­tos fes­te­jou a vi­tó­ria de seu can­di­da­to e jus­ti­fi­cou seu vo­to ba­se­a­da no ar­gu­men­to de que o PT te­ria “da­do coi­sas pa­ra os po­bres, mas rou­ba­do”. “Que­ren­do ou não, eles não aju­da­ram só os po­bres, eles aju­da­ram mais a clas­se al­ta. Acho que o Bol­so­na­ro vai aju­dar mais os po­bres do que fa­lam que o PT aju­dou”, opi­nou. San­tos não acre­di­ta nas fa­las de Bol­so­na­ro dis­po­ni­bi­li­za­das nas mí­di­as com re­la­ção aos ho­mos­se­xu­ais e ne­gros. “Pro­cu­rei a fun­do sa­ber o que era an­tes de de­ci­dir meu vo­to”, afir­mou.

Ta­les San­tos apro­vei­tou a fes­ta pa­ra ven­der cha­péus e ban­dei­ras do Bra­sil. Se­gun­do o ven­de­dor, nem na Co­pa do Mun­do ven­deu tan­to. “Me­lhor vo­tar na in­cer­te­za do que na cer­te­za. Eu te­nho cer­te­za que o PT é cor­rup­to”, expôs.

O ven­de­dor Ma­teus Ma­ga­lhães de­fen­deu a mu­dan­ça na le­gis­la­ção da pos­se de ar­ma e da re­du­ção da mai­o­ri­da­de pe­nal en­quan­to ce­le­bra­va a vi­tó­ria. “Na ro­ça não pe­ga si­nal, uma vez meu avô foi rou­ba­do e ti­ve­mos que su­bir no al­to do mor­ro pa­ra li­gar pa­ra a po­lí­cia. Quan­do a po­lí­cia che­gou o ca­ra foi em­bo­ra. Nin­guém ati­rou e nin­guém mor­reu, mas ima­gi­na se es­se ca­ra ma­ta al­guém e a gen­te não tem uma ar­ma pa­ra se de­fen­der”, ex­pli­cou.

Já o eco­no­mis­ta Emer­son Bap­tis­ta dis­se que vo­tou no ca­pi­tão “pe­las pro­pos­tas de­le, pe­la mu­dan­ça”. Qu­es­ti­o­na­do de quais pro­pos­tas, ele re­pli­cou: “con­tra a ide­o­lo­gia de gê­ne­ro, con­tra o abor­to, a fa­vor da fa­mí­lia”. Pa­ra Bap­tis­ta, a pri­mei­ra coi­sa que o mi­li­tar tem de fa­zer é por or­dem no País. “Di­mi­nuir a cri­mi­na­li­da­de, aju­dar a eco­no­mia, ar­ru­mar tu­do is­so que es­tá ba­gun­ça­do, que fi­cou 13 anos aban­do­na­do. Prin­ci­pal­men­te na área de se­gu­ran­ça”, con­cluiu.

O cor­re­tor de se­gu­ros Renato de To­le­do não sou­be di­zer pro­je­tos que apoia do Bol­so­na­ro. Pa­ra ele, “no mo­men­to, o que ele fi­zer es­tá bom, des­de que ti­re o PT”.

Anderson Co­e­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.