CAR­TA NA MAN­GA

NOSSODIA - - Nosso Dia A Dia - ( W.V.)

Com um quar­te­to de só­ci­os atu­a­li­za­do, há jo­gos pa­ra to­das as ida­des, per­fis e Jor­ge Anel­li ex­pli­ca que es­se mer­ca­do de en­tre­te­ni­men­to vem se tor­nan­do di­nâ­mi­co no Bra­sil, em­bo­ra não se com­pa­re à pro­du­ção e cul­tu­ra que exis­te na Eu­ro­pa e Estados Unidos. “Mon­tar um acer­vo é al­go que fi­ca ca­ro pa­ra uma pes­soa, en­tão aqui so­mos fa­ci­li­ta­do­res, pois com a va­ri­e­da­de de tí­tu­los, é pos­sí­vel co­nhe­cer, apren­der, pra­ti­car e alu­gar, além de en­con­trar na lo­ja pes­so­as a fim de jo­gar tam­bém”.

As­sim, o clu­be de jo­gos atrai di­fe­ren­tes ge­ra­ções. “Mé­di­cos, en­ge­nhei­ros, den­tis­tas, de­sig­ners, pro­fes­so­res e es­tu­dan­tes”, ci­ta. As­sí­duo da Bo­ard Ga­me in Box, João An­ge­lo de Paula Bac­ca­rin, 17 anos, é es­tu­dan­te do 3º ano do En­si­no Mé­dio. Com uma ro­ti­na fo­ca­da em en­trar no cur­so de eco­no­mia, en­con­tra nos jo­gos de ta­bu­lei­ro uma mo­men­to pa­ra oxi­ge­nar as idei­as. “Ve­nho pra es­pai­re­cer, mes­mo. E fun­ci­o­na”, en­fa­ti­za. O fre­quen­ta­dor Lu­cas Kru­ger, 27, con­fir­ma as pos­si­bi­li­da­des que o en­con­tro dá. “É bom. A gen­te sai um pou­co e não fi­ca só tran­ca­do em ca­sa”, re­fle­te.

So­bre o ne­gó­cio, o só­cio Jor­ge Anel­li ex­pli­ca no Bra­sil os jo­gos de ta­bu­lei­ro são clas­si­fi­ca­dos co­mo brin­que­dos mas pas­sou a es­tu­dar o que já do­mi­na­va co­mo hobby co­mo pla­no de ne­gó­cio e en­xer­gou um mer­ca­do com po­ten­ci­al mui­to bom. Em 2017, o mer­ca­do de brin­que­dos no País mo­vi­men­tou um vo­lu­me de R$ 7 bi­lhões, sen­do que os jo­gos de ta­bu­lei­ro re­pre­sen­tam em 10% des­te mon­tan­te. Um das prin­ci­pais edi­to­ras bra­si­lei­ras é a Ga­lá­pa­gos Jo­gos, fun­da­da em 2009 e que se tor­nou re­fe­rên­cia no as­sun­to, prin­ci­pal dis­tri­bui­do­ra na­ci­o­nal.

“Per­ce­be­mos que era uma apos­ta se­gu­ra e in­ves­ti­mos em es­tru­tu­ra e no aten­di­men­to”. E quan­do al­guém per­gun­ta se os jo­gos de ta­bu­lei­ro são opos­tos aos ga­mes ele­trô­ni­cos, dis­cor­re: “Os jo­gos de vi­de­o­ga­me se po­pu­la­ri­za­ram, mas os ana­ló­gi­cos não acom­pa­nha­ram a mes­ma ve­lo­ci­da­de. Ao con­trá­rio do que se ima­gi­na, são du­rá­veis, aces­sí­veis e as­sim co­mo os ele­trô­ni­cos, uma ex­pe­ri­ên­cia lú­di­ca.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.