Pro­je­to aten­de cri­an­ças na ZL

A ca­pe­la San­ta Ana, no jar­dim San­ta Fé, re­ce­be des­de se­tem­bro 30 alu­nos de qua­tro anos de ida­de da re­de mu­ni­ci­pal no pe­río­do da tar­de, num to­tal de cin­co ho­ras de aco­lhi­men­to

NOSSODIA - - Primeira Página - (Pe­dro Mar­co­ni/Gru­po FO­LHA)

Es­tá fun­ci­o­nan­do des­de o iní­cio de se­tem­bro um pro­je­to pi­lo­to de contraturno pa­ra cri­an­ças do P4 na zo­na les­te da ci­da­de. Elas fi­ca­ram sem o en­si­no em tem­po in­te­gral após uma mu­dan­ça no re­gi­me de ho­rá­rio por par­te da se­cre­ta­ria de Edu­ca­ção. Na épo­ca, a de­ci­são foi to­ma­da pa­ra, se­gun­do a pas­ta, ge­rar mais va­gas pa­ra me­ni­nos e me­ni­nas de ze­ro a três anos. A ini­ci­a­ti­va do contraturno foi co­lo­ca­da em prá­ti­ca após um or­dem da Jus­ti­ça, que acei­tou ação ci­vil pú­bli­ca ajui­za­da pe­lo MP-PR (Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Pa­ra­ná).

Em ju­lho, a 10ª Pro­mo­to­ria de Jus­ti­ça de Lon­dri­na en­trou com ação co­bran­do o re­tor­no do en­si­no em tem­po in­te­gral pa­ra as cri­an­ças de qua­tro anos. Co­mo me­di­da pa­ra o cor­te nas va­gas que eram ofer­ta­das, apro­xi­ma­da­men­te 2,6 mil, o ju­di­ciá­rio de­ter­mi­nou um pla­no por par­te do mu­ni­cí­pio, pe­lo me­nos pa­ra os me­no­res con­si­de­ra­dos em si­tu­a­ção de vul­ne­ra­bi­li­da­de so­ci­al. No­me­a­do de “Cuidado e Cidadania”, o pro­je­to in­ter­se­to­ri­al tem me­ta de aten­der 120 cri­an­ças em 2019.

A ca­pe­la San­ta Ana, no jar­dim San­ta Fé, es­tá re­ce­ben­do 30 alu­nos de qua­tro anos de ida­de da re­de mu­ni­ci­pal no pe­río­do da tar­de, num to­tal de cin­co ho­ras de aco­lhi­men­to. Cer­ca de cin­co ser­vi­do­res, en­tre Edu­ca­ção e As­sis­tên­cia So­ci­al, es­tão atu­an­do no lo­cal. “Nós cui­da­dos dos alu­nos e a As­sis­tên­cia So­ci­al for­ne­ce o lan­che. Tem re­cre­a­ção, os pro­fes­so­res con­tam his­tó­ri­as. O con­teú­do as cri­an­ças tem na es­co­la, a tar­de é um com­ple­men­to”, ex­pli­cou Ma­ria Te­re­za Pas­cho­al de Mo­ra­es, se­cre­tá­ria mu­ni­ci­pal de Edu­ca­ção.

As cri­an­ças que es­tão par­ti­ci­pan­do des­te pro­je­to-pi­lo­to fo­ram in­di­ca­das pe­las ins­ti­tui­ções de en­si­no da re­gião. “São me­ni­nos e me­ni­nas com vul­ne­ra­bi­li­da­de so­ci­al gran­de. Foi olha­da a si­tu­a­ção e fei­ta a in­di­ca­ção. Exis­tem ca­sos de cri­an­ça que era cui­da­da pe­lo ir­mão mais ve­lho, e que no ca­so tam­bém é uma cri­an­ça”, ci­tou.

OU­TROS BAIRROS

O do­cu­men­to que de­fi­niu a atu­a­ção do contraturno com­pre­en­de se­te se­cre­ta­ri­as, en­tre elas Saú­de, Cul­tu­ra e FEL (Fun­da­ção de Es­por­tes de Lon­dri­na). No ano que vem, to­das as re­giões de­ve­rão con­tar com o “Cuidado e Cidadania”. En­tre os bairros, além do San­ta Fé, es­tão o con­jun­to União da Vi­tó­ria (sul); con­jun­to Luiz de Sá (nor­te); e jar­dim Olím­pi­co (oes­te), com ca­da sa­la re­ce­ben­do 30 alu­nos. A pro­pos­ta é re­a­li­zar a ini­ci­a­ti­va em es­pa­ço al­ter­na­ti­vo ade­qua­do.

A ope­ra­ci­o­na­li­za­ção do pro­je­to es­tá pre­vis­ta em qua­tro eta­pas. A pri­mei­ra es­tá vin­cu­la­da à se­le­ção das cri­an­ças; a se­gun­da na es­co­lha dos exe­cu­to­res, co­mo es­ta­giá­ri­os de edu­ca­ção fí­si­ca e ar­te; a ter­cei­ra na or­ga­ni­za­ção dos es­pa­ços fí­si­cos; e a quar­ta con­tem­pla a exe­cu­ção da pro­pos­ta em si. Os pais ou res­pon­sá­veis de­ve­rão en­ca­mi­nhar os fi­lhos pa­ra o contraturno e pos­te­ri­or­men­te bus­cá-los.

De acor­do com Mo­ra­es, o pro­je­to-pi­lo­to na zo­na les­te irá até de­zem­bro, quan­do se­rá fei­ta uma ava­li­a­ção pa­ra apri­mo­rar o que se­rá de­sen­vol­vi­do no ano que vem. “Va­mos ava­li­ar pa­ra fa­zer a am­pli­a­ção, ven­do o im­pac­to, se fun­ci­o­nou bem, se não te­ve aban­do­no, co­mo foi pa­ra os pais, a ques­tão da me­ren­da”, elen­cou a se­cre­tá­ria de Edu­ca­ção.

PAIS

Os pais ou­vi­dos pe­la re­por­ta­gem dis­se­ram que gos­ta­ram do pro­je­to ado­ta­do pe­lo mu­ni­cí­pio no San­ta Fé, po­rém con­si­de­ra­ram que foi im­plan­ta­do de for­ma tar­dia, o que atra­pa­lhou. “Mi­nha fi­lha es­tá des­de o co­me­ço do ano sem o en­si­no em tem­po in­te­gral, já que o pro­je­to che­gou só em ou­tu­bro, ou se­ja, no fi­nal do ano. Co­mo tra­ba­lho, ti­ve que dei­xar mi­nha fi­lha com mi­nha mãe, mas ela é de ida­de, en­tão ti­nha di­fi­cul­da­des. Pre­ci­so tra­ba­lhar, foi um de­sa­fio os úl­ti­mos me­ses”, re­la­tou a aten­den­te Clau­di­néia Fer­rei­ra, mãe de Ema­nu­e­le, 5.

Pa­ra a re­ci­cla­do­ra San­dra Ca­e­ta­no Ri­bei­ro, a ini­ci­a­ti­va es­tá sen­do boa pa­ra o ne­to Hai­ros, 4. “Es­tá sen­do óti­mo. An­tes ele só es­tu­da­va uma par­te do dia e a ou­tra fi­ca­va em ca­sa, o que era um obs­tá­cu­lo pa­ra eu fa­zer meu ser­vi­ço. Ele gos­ta, dão brin­ca­dei­ras e ati­vi­da­des.”

Mar­cos Za­nut­to

A re­ci­cla­do­ra San­dra Ca­e­ta­no Ri­bei­ro elo­gia a ação. “Es­tá sen­do óti­mo pa­ra meu ne­to. An­tes ele só es­tu­da­va uma par­te do dia, o que era um obs­tá­cu­lo pa­ra eu fa­zer meu ser­vi­ço”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.