Mé­di­co de fa­mí­lia po­de ga­nhar for­ça en­tre pla­nos de saú­de

De acor­do com Fe­de­ra­ção de Saú­de Su­ple­men­tar, os pla­nos atu­ais, ao per­mi­ti­rem o li­vre aces­so a mé­di­cos es­pe­ci­a­lis­tas, se tor­na­ram ca­ros, ine­fi­ci­en­tes e ge­ra­do­res de des­per­dí­ci­os

NOSSODIA - - Nossotoquedesaúde - (Agên­cia Bra­sil/Redação NOSSODIA)

A Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal de Saú­de Su­ple­men­tar (Fe­na­saú­de), en­ti­da­de que representa 17 gru­pos de ope­ra­do­res de pla­nos pri­va­dos de saú­de, apre­sen­tou pro­pos­tas que vi­sam o for­ta­le­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to do se­tor em 2019. Uma das prin­ci­pais su­ges­tões é a ado­ção de um mo­de­lo de aten­di­men­to ba­se­a­do na aten­ção bá­si­ca e es­tru­tu­ra­do atra­vés de uma re­de hi­e­rar­qui­za­da.

De acor­do com a en­ti­da­de, os pla­nos atu­ais, ao per­mi­ti­rem o li­vre aces­so a mé­di­cos es­pe­ci­a­lis­tas, se tor­na­ram ca­ros, ine­fi­ci­en­tes e ge­ra­do­res de des­per­dí­ci­os. Além dis­so, ao ope­ra­rem ape­nas co­mo meio de tra­ta­men­to de do­en­ças, não es­ta­ri­am sen­do ca­pa­zes de pro­mo­ver de fa­to a saú­de. Pe­la pro­pos­ta apre­sen­ta­da, o pa­ci­en­te se­ria acom­pa­nha­do por uma equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar ar­ti­cu­la­da e li­de­ra­da por um mé­di­co de fa­mí­lia, que se­ria res­pon­sá­vel pe­lo aten­di­men­to pri­má­rio, pe­lo acom­pa­nha­men­to do his­tó­ri­co do usuá­rio e pe­lo even­tu­al en­ca­mi­nha­men­to a ou­tros ní­veis de aten­ção.

“Es­tá com­pro­va­do que a frag­men­ta­ção do cui­da­do ge­ra des­per­dí­cio e não ne­ces­sa­ri­a­men­te pro­mo­ve o me­lhor cui­da­do em saú­de. Ho­je os es­pe­ci­a­lis­tas con­vi­vem de for­ma não co­or­de­na­da e o exem­plo clás­si­co é que vo­cê vai em mé­di­cos que po­dem re­cei­tar me­di­ca­ções que são con­fli­tan­tes en­tre si. Is­so, ao in­vés de aju­dar, pre­ju­di­ca o pa­ci­en­te”, diz a pre­si­den­te da Fe­na­saú­de, So­lan­ge Beatriz Pa­lhei­ro Mendes. Se­gun­do ela, um no­vo mo­de­lo per­mi­ti­ria um mai­or cui­da­do pre­ven­ti­vo e um uso mais ra­ci­o­nal dos re­cur­sos.

De acor­do com da­dos da Agên­cia Na­ci­o­nal de Saú­de Su­ple­men­tar (ANS), atu­al­men­te 47,2 mi­lhões de pes­so­as no Bra­sil são be­ne­fi­ciá­ri­as de pla­nos de saú­de de as­sis­tên­cia mé­di­ca e 23,5 mi­lhões têm pla­nos ex­clu­si­va­men­te odon­to­ló­gi­cos.

Os nú­me­ros são si­mi­la­res aos de 2014, o que mos­tra, se­gun­do a en­ti­da­de, que não hou­ve cres­ci­men­to nos úl­ti­mos qua­tro anos. En­quan­to de 2008 a 2017, a in­fla­ção acu­mu­la­da me­di­da pe­lo Ín­di­ce Na­ci­o­nal de Pre­ços ao Con­su­mi­dor Am­plo (IPCA) foi de 71,5%, a des­pe­sa as­sis­ten­ci­al na saú­de su­ple­men­tar te­ve uma al­ta de 169,5%. Tais cus­tos es­ta­ri­am en­tre as cau­sas pa­ra o cres­ci­men­to fre­quen­te dos va­lo­res das men­sa­li­da­des dos pla­nos de saú­de aci­ma da in­fla­ção.

A pre­si­den­te da Fe­na­saú­de ava­lia que es­se é um fenô­me­no mun­di­al, que no Bra­sil foi agra­va­do com a cri­se econô­mi­ca. “Re­al­men­te o cus­to dos pla­nos es­tá mui­to al­to. Es­tá ab­so­lu­ta­men­te des­go­ver­na­do”, diz. Em sua vi­são, a re­du­ção das men­sa­li­da­des pas­sa pe­la re­du­ção do des­per­dí­cio e es­ta se­ria uma das prin­ci­pais me­tas da en­ti­da­de ao apre­sen­tar as 11 pro­pos­tas. Se­gun­do So­lan­ge, é pre­ci­so um con­jun­to de me­di­das pa­ra en­fren­tar o pro­ble­ma, que não se re­sol­ve­ria com ne­nhu­ma ini­ci­a­ti­va iso­la­da.

Mu­dan­ças ge­rais

A en­ti­da­de tam­bém de­fen­de mu­dan­ças no mar­co re­gu­la­tó­rio do se­tor, pa­ra que se­jam es­ta­be­le­ci­dos pa­drões de aten­di­men­to e qua­li­da­de, me­ca­nis­mos de trans­pa­rên­cia e de­ver de pres­ta­ção de in­for­ma­ções fi­nan­cei­ras não ape­nas pa­ra as ope­ra­do­ras dos pla­nos, mas tam­bém pa­ra os hos­pi­tais, clí­ni­cas e de­mais pres­ta­do­res dos ser­vi­ços.

A Fe­na­saú­de su­ge­re ain­da a ad­mis­são de hos­pi­tais pú­bli­cos na re­de cre­den­ci­a­da da saú­de su­ple­men­tar. Na vi­são da en­ti­da­de, tal me­di­da po­de­ria ge­rar re­cur­sos pa­ra que as ins­ta­la­ções se­jam mo­der­ni­za­das, be­ne­fi­ci­an­do tam­bém a saú­de pú­bli­ca e me­lho­ran­do o aten­di­men­to do usuá­rio do Sis­te­ma Úni­co de Saú­de (SUS).

“Se vo­cê tem hos­pi­tais pú­bli­cos com ex­per­ti­se em de­ter­mi­na­dos pro­ce­di­men­tos, é bom pa­ra a re­de pri­va­da po­der con­tar com es­sa ex­pe­ri­ên­cia. E há hos­pi­tais ho­je que es­tão so­bre­car­re­ga­dos tam­bém por di­fi­cul­da­des de or­ça­men­to. Es­sas ins­ti­tui­ções po­dem se oxi­ge­nar com a en­tra­da de re­cur­sos pri­va­dos. E daí vai po­der se qua­li­fi­car e pres­tar um aten­di­men­to ca­da vez me­lhor”, com­ple­men­ta Mendes.

O pa­ci­en­te se­ria acom­pa­nha­do por uma equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar ar­ti­cu­la­da e li­de­ra­da por um mé­di­co de fa­mí­lia,res­pon­sá­vel pe­lo aten­di­men­to pri­má­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.