Ár­vo­re caí­da há três se­ma­nas in­ter­di­ta porta de es­co­la

Tron­co e ga­lhos caí­dos in­ter­di­tam uma das en­tra­das de es­co­la no Pa­ri­got de Sou­za e obri­ga alu­nos a da­rem a vol­ta no quar­tei­rão pa­ra che­ga­rem à aula

NOSSODIA - - Primeira Página - (Ed­son Ne­ves/NOSSODIA)

A chu­va­ra­da que caiu em Lon­dri­na na me­ta­de do mês de ou­tu­bro ain­da dei­xa as su­as mar­cas. Na zo­na nor­te, re­gião mais afe­ta­da pe­lo tem­po­ral, não é di­fí­cil en­con­trar ga­lhos de ár­vo­res es­pa­lha­dos pe­las ru­as. A mai­o­ria já cor­ta­da e es­pe­ran­do ser re­co­lhi­da. Mas na Es­co­la Mu­ni­ci­pal Ju­li­a­no Stinghen, no con­jun­to Pa­ri­got de Sou­za, a si­tu­a­ção não é bem as­sim. Uma ár­vo­re que não re­sis­tiu à ven­ta­nia e caiu so­bre a en­tra­da do pré­dio ane­xo, na ave­ni­da Wal­dir de Azevedo, em que são aten­di­das cer­ca de 120 cri­an­ças da edu­ca­ção in­fan­til, ain­da não foi re­ti­ra­da. No por­tão, o avi­so é cla­ro. “A en­tra­da das cri­an­ças do ane­xo se­rá pe­lo por­tão da se­cre­ta­ria”. Com is­so, é pre­ci­so dar a vol­ta no quar­tei­rão pa­ra entrar pe­lo ou­tro por­tão, que fica en­tre as ru­as Tho­maz Pereira Machado e Ge­ral­do Gonçalves da Cos­ta.

A di­re­to­ra da es­co­la, Ie­da Fu­ma­gal­li Za­mu­ner, in­for­mou que a ár­vo­re caí­da não che­gou a in­ter­rom­per as au­las. “Só na­que­les di­as em que es­ta­va mar­ca­da chu­va forte, que a gen­te ori­en­ta­va os pais, se pos­sí­vel, dei­xa­rem os fi­lhos em ca­sa. Ho­je, as au­las es­tão acon­te­cen­do nor­mal­men­te”. O pe­di­do pa­ra po­da e re­ti­ra­da dos ga­lhos já foi fei­to à Pre­fei­tu­ra. “Já fa­la­ram com a gen­te que o quan­to an­tes vi­rão re­ti­rar. En­tão, a gen­te es­tá es­pe­ran­do”, com­ple­tou. Um mu­ti­rão foi re­a­li­za­do no úl­ti­mo sá­ba­do (3) prin­ci­pal­men­te pa­ra es­se ser­vi­ço, mas a es­co­la não en­trou nes­sa lis­ta.

No pré­dio prin­ci­pal, um des­te­lha­men­to no cor­re­dor da es­ca­da­ria tam­bém dá uma dor­zi­nha de ca­be­ça na di­re­ção. “Nos ou­tros di­as que tam­bém cho­veu, fi­cou pe­ri­go­so de pas­sar por lá. E é um lo­cal de gran­de flu­xo de pes­so­as”, re­su­miu Ie­da. A di­re­to­ra en­ten­de que o ca­so é me­nos gra­ve do que de ou­tras es­co­las que so­fre­ram com des­te­lha­men­tos e da­nos es­tru­tu­rais, mas que es­pe­ra uma so­lu­ção o quan­to an­tes. “Por me­nos que se­ja, é um trans­tor­no”, ad­mi­tiu.

O QUE DIZ A SE­CRE­TA­RIA DE EDU­CA­ÇÃO

De acor­do com o ge­ren­te de ma­trí­cu­las da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Edu­ca­ção, Ju­ni­or Ce­sar Di­as de Je­sus, o corte e o re­co­lhi­men­to de ár­vo­res es­tá sen­do fei­to em uma par­ce­ria da Edu­ca­ção com a Se­ma e a De­fe­sa Civil. “Co­mo al­gu­mas ár­vo­res pre­ci­sam de um ma­qui­ná­rio que a gen­te não tem, pre­ci­sa­mos do apoio de­les”, ex­pli­cou. No en­tan­to, não há prazo pa­ra a ga­lha­da ser re­ti­ra­da de lá. “Te­mos co­nhe­ci­men­to da si­tu­a­ção da­que­la es­co­la. Co­mo foi uma si­tu­a­ção que não afe­tou o pré­dio e não cor­re ris­cos, não se encaixa nos ca­sos pri­o­ri­tá­ri­os, mas pe­di­mos ce­le­ri­da­de e com­pre­en­são”. Além dis­so, o ser­vi­dor con­fir­mou que a es­co­la es­ta­va na agen­da do mu­ti­rão, mas a de­man­da dos ou­tros bair­ros aca­bou sen­do mai­or do que o es­pe­ra­do e, usan­do do cri­té­rio de ur­gên­cia, foi dei­xa­da pa­ra de­pois.

Ed­son Ne­ves

Ár­vo­re es­tá caí­da na es­co­la des­de a me­ta­de de ou­tu­bro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.