Po­ti­gua­res con­tam co­mo foi a pas­sa­gem do Ir­ma em su­as vi­das

Fa­zem re­la­tos de co­mo é a vi­da sob ame­a­ça do Ir­ma, que pro­vo­cou de­vas­ta­ção e mor­te de 44 pes­so­as por on­de pas­sou

Novo Jornal - - Primeira Página - Ro­dri­go Zu­za Do NO­VO

Ofu­ra­cão Ir­ma atin­giu a cos­ta dos EUA nas pri­mei­ras ho­ras da ma­nhã do do­min­go (10). Lá, mais de um mi­lhão de pes­so­as fo­ram le­va­das pa­ra áre­as mais se­gu­ras ou abri­gos, in­cluin­do du­as po­ti­gua­res mo­ra­do­ras da Fló­ri­da e um tu­ris­ta nor­te-rio-gran­den­se de pas­sa­gem por Or­lan­do, que con­ta­ram seus re­la­tos ao NO­VO. Eles aguar­da­ram a pas­sa­gem do Ir­ma em ho­téis e na ca­sa de pa­ren­tes lon­ge da praia.

A cur­rais-no­ven­se De­ni­se Sch­nei­der mo­ra em Mi­a­mi des­de 1999. Te­men­do que o Ir­ma des­truís­se Mi­a­mi, De­ni­se e du­as ami­gas na­ta­len­ses pro­cu­ra­ram abri­go em um ho­tel na ci­da­de de Tam­pa, no la­do oes­te da pe­nín­su­la da Fló­ri­da. Elas não ima­gi­na­vam que o furacão atin­gi­ria a ci­da­de.

Pa­ra fu­gir do Ir­ma, as po­ti­gua­res fo­ram pa­ra la­do opos­to a Mi­a­mi ain­da na sex­ta-fei­ra (8). Na se­gun­da-fei­ra elas es­ta­vam em Kis­si­mee, "do la­di­nho de Tam­pa" e na se­gun­da-fei­ra (11) vol­tou pa­ra Mi­a­mi e dis­se que en­con­trou a ci­da­de to­tal­men­te des­truí­da e sem luz.

A po­ti­guar re­ve­lou que ela e su­as ami­gas sen­tem um pou­co de me­do, mas es­tão tran­qui­las e con­fi­an­tes que na­da de mal vai lhes acon­te­cer. “Te­mos co­mi­da su­fi­ci­en­te e es­ta­mos pre­pa­ra­das pa­ra o pi­or, mas es­pe­ran­do pe­lo me­lhor!”, dis­se.

O na­ta­len­se Rai­mun­do No­na­to vi­a­jou na quin­ta-fei­ra (7) a Or­lan­do, na Fló­ri­da. Rai­mun­do foi pas­se­ar e fa­zer com­pras na Fló­ri­da. Se­gun­do o tu­ris­ta, ele e sua fa­mí­lia não sa­bi­am da pas­sa­gem do Ir­ma pe­los EUA. “Sou­be­mos ape­nas no ae­ro­por­to no Re­ci­fe, me­ta­de da tri­pu­la­ção de­sis­tiu do voo. Pen­sa­mos que a ci­da­de de Or­lan­do não se­ria atin­gi­da pe­la tem­pes­ta­de e pros­se­gui­mos.”

De acor­do com No­na­to, os ven­tos em Or­lan­do che­ga­ram a mais de 100 km/h. Rai­mun­do tam­bém dis­se que os par­ques e as lo­jas da ci­da­de es­tão fe­cha­dos e há um to­que re­co­lher nas ru­as, de­cre­ta­do pe­lo go­ver­na­dor.

Pa­ra gran­de par­te dos ha­bi­tan­tes da re­gião en­fren­tar a tor­men­ta é uma re­a­li­da­de. Ca­so do po­ti­guar Air­ton Ti­to Fi­lho, que há dez me­ses tro­cou Na­tal pe­la Fló­ri­da pa­ra es­tu­dar. Air­ton mo­ra na ci­da­de de North Lau­der­da­le, no Con­da­do de Broward, que fi­ca ao Nor­te de Mi­a­mi.

Ape­sar de não es­tar pre­ci­sa­men­te na ro­ta do olho do furacão, Air­ton afir­ma que a tem­pes­ta­de cau­sou pre­juí­zos pa­ra a ci­da­de. Em con­ta­to com a re­por­ta­gem do NO­VO, ele re­la­tou que os ca­nais que cor­tam a lo­ca­li­da­de trans­bor­da­ram e for­tes ven­tos atin­gem o lo­cal.

Air­ton mo­ra às mar­gens de um des­ses ca­nais inun­da­dos. Se­gun­do ele, “fal­tam seis pés [apro­xi­ma­da­men­te dois me­tros] pa­ra a água en­trar em sua ca­sa. A mi­nha ex­pec­ta­ti­va é que com o re­cuo do mar, o vo­lu­me de água no ca­nal di­mi­nua”, apon­tou. Se­gun­do ele, ape­sar do ris­co, “não exis­te ori­en­ta­ção do go­ver­no pa­ra eva­cu­ar a área”.

Pa­ra a pas­sa­gem do Ir­ma,

Na­ta­len­se que mo­ra na Fló­ri­da

Air­ton con­ta que fez re­ser­vas de ali­men­tos, água po­tá­vel, com­bus­tí­vel (que po­de ser usa­do em ca­so de ne­ces­si­da­de de eva­cu­a­ção e tam­bém pa­ra ali­men­tar ge­ra­do­res de ener­gia) e gás na­tu­ral. Os man­ti­men­tos de­vem du­rar o tempo ne­ces­sá­rio pa­ra a pas­sa­gem do furacão. “A pre­pa­ra­ção foi cor­ri­da. Fi­la pa­ra com­bus­tí­vel, ta­pu­mes, gás, co­mi­da e água”, des­cre­veu.

Além de Air­ton, ou­tras qua­tro pes­so­as es­tão alo­ja­das na sua re­si­dên­cia. En­tre elas o seu ir­mão Wol­mer, que mo­ra há 15 anos nos Es­ta­dos Uni­dos e en­fren­tou o furacão Wil­ma, em 2005.

A ex­pe­ri­ên­cia de Wol­mer, que pas­sou du­as se­ma­nas sem ener­gia elé­tri­ca em fun­ção da tem­pes­ta­de, tem ser­vi­do pa­ra ame­ni­zar a apre­en­são em fun­ção do Ir­ma. “Es­ta­mos to­dos com saudade do Bra­sil”, con­cluiu.

A jor­na­lis­ta ca­ri­o­ca Ro­sá­lia Aze­ve­do, re­la­tou co­mo a po­pu­la­ção lo­cal es­tá re­a­gin­do ao mai­or furacão já vis­to no oce­a­no Atlân­ti­co. Ro­sá­lia, seu ma­ri­do e seus três ca­chor­ros já dei­xa­ram a ca­sa on­de mo­ram em Cu­tler Bay, Mi­a­mi, a três quilô­me­tros da praia e es­tão abri­ga­dos na ca­sa dos so­gros de­la em Pem­bro­ke Pi­nes, a apro­xi­ma­da­men­te 60 quilô­me­tros da praia. Eles saí­ram após a or­dem de eva­cu­a­ção do go­ver­no da Fló­ri­da.

An­tes de sair de ca­sa, o ca­sal ins­ta­lou pla­cas de fer­ro nas ja­ne­las e por­tas pa­ra di­mi­nuir o im­pac­to do ven­to que po­de atin­gir 300km/h. Todo o es­ta­do da Fló­ri­da de­ve­rá ser atin­gi­do pe­lo furacão, mas nas pro­xi­mi­da­des da or­la o ris­co é mai­or, in­clu­si­ve com pers­pec­ti­vas de ocor­re­rem inun­da­ções.

Pa­ra Ro­sá­lia, que as­sis­te de per­to a pas­sa­gem ca­tas­tró­fi­ca do fenô­me­no, o mo­men­to traz a li­ção de que os bens ma­te­ri­ais se­rão per­di­dos, mas o im­por­tan­te é ter as pes­so­as ama­das vi­vas e por per­to. "Va­mos re­cu­pe­rar a ca­sa, mas o sen­ti­men­to é de que nu­ma ho­ra des­sas per­ce­be­mos o que é mais im­por­tan­te na vi­da: a sua, a das pes­so­as que vo­cê ama, no nos­so ca­so, as vi­das ca­ni­nas.” de­cla­ra.

O go­ver­na­dor da Fló­ri­da, Rick Scott, de­cre­tou es­ta­do de emer­gên­cia e re­a­fir­mou que a tem­pes­ta­de é "po­de­ro­sa e le­tal" e que se­rá pos­sí­vel re­cons­truir as ca­sas, "mas não po­de­mos re­cons­truir sua vi­da", dis­se ao po­vo da Fló­ri­da.

Fal­tam seis pés pa­ra a água en­trar em sua ca­sa. A mi­nha ex­pec­ta­ti­va é que, com o re­cuo do mar, o vo­lu­me de água no ca­nal di­mi­nua”. Air­ton Ti­to Fi­lho

CEDIDA

// Nor­te-rio-gran­de­ses que re­si­dem nos Es­ta­dos Uni­dos con­tam os de­ta­lhes de co­mo en­fre­ta­ram a pas­sa­gem do furacão Ir­ma, um dos mais po­de­ro­sos de to­dos os tem­pos

// Em Or­lan­do, na Fló­ri­da, a ban­dei­ra americana re­sis­tiu à for­te tem­pes­ta­de pro­vo­ca­da pe­la for­ça do furacão Ir­ma

FOTOS: CEDIDAS

// Nas ru­as de Or­lan­do, si­nais de trân­si­to não fun­ci­o­nam

// Em Kis­si­mee, pró­xi­mo a Mi­a­mi, as ru­as es­tão de­ser­tas

// Mes­mo de­pois da pas­sa­gem do Ir­ma, pou­ca gen­te saiu de ca­sa

// Por to­dos os la­dos, a pas­sa­gem do Ir­ma foi des­trui­do­ra

// A for­ça dos ven­tos der­ru­bou ár­vo­res nos ar­re­do­res de Mi­a­mi

// Na Fló­ri­da, go­ver­no emi­tiu aler­ta de eva­cu­a­ção das prai­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.