Su­pe­rin­ten­den­te do Iba­ma no RN é afas­ta­do do car­go

De corrupção ati­va e pas­si­va, além de la­va­gem de di­nhei­ro, se­gun­do a Po­lí­cia Fe­de­ral e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral. Em no­ta, ele se de­fen­de: “Nun­ca rou­bei nem dei­xei rou­bar, nun­ca dei nem re­ce­bi pro­pi­na”

Novo Jornal - - Primeira Página - Fe­li­pe Gal­di­no Do NO­VO

Oad­mi­nis­tra­dor Clé­cio Antô­nio Fer­rei­ra dos San­tos es­ta­va à fren­te do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro do Meio Am­bi­en­te e dos Re­cur­sos Re­no­vá­veis (Iba­ma) no Rio Gran­de do Nor­te des­de 7 de ju­lho de 2016. A par­tir de en­tão, o su­pe­rin­ten­den­te do ór­gão fe­de­ral pas­sou a pro­fe­rir de­ci­sões um tan­to po­lê­mi­cas e sus­pei­tas em fa­vor de em­pre­sas de pes­ca­do e do ra­mo ho­te­lei­ro. Uma au­di­to­ria da Con­tro­la­do­ria Ge­ral da União (CGU) e um Pro­ces­so Ad­mi­nis­tra­ti­vo Dis­ci­pli­nar (PAD), den­tro do pró­prio Iba­ma, che­ga­ram a ser aber­tos pa­ra ve­ri­fi­car a sua con­du­ta. On­tem (12), a Po­lí­cia Fe­de­ral e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) de­fla­gra­ram uma ope­ra­ção que cul­mi­nou no afas­ta­men­to do di­ri­gen­te.

A Ope­ra­ção Ko­da­ma – no­me que re­me­te ao fol­clo­re ja­po­nês, em que Ko­da­ma é um es­pí­ri­to que ha­bi­ta em ár­vo­res e pro­te­ge o meio am­bi­en­te – te­ve o ob­je­ti­vo de reu­nir pro­vas re­la­ti­vas aos cri­mes de pre­va­ri­ca­ção, corrupção ati­va, corrupção pas­si­va, além de la­va­gem de di­nhei­ro. Se­gun­do o apu­ra­do pe­los in­ves­ti­ga­do­res, ao me­nos dez de­ci­sões to­ma­das pe­lo en­tão su­pe­rin­ten­den­te ocor­re­ram de ma­nei­ra ile­gal, sem a ob­ser­vân­cia de nor­mas le­gais e téc­ni­cas.

Di­an­te dos fa­tos, a 14ª Va­ra da Jus­ti­ça Fe­de­ral/RN aco­lheu a re­pre­sen­ta­ção po­li­ci­al e de­ter­mi­nou o afas­ta­men­to do en­tão ges­tor do Iba­ma. Den­tre as de­ci­sões es­tão o fa­vo­re­ci­men­to ilí­ci­to a pes­so­as fí­si­cas e ju­rí­di­cas, as quais te­ri­am si­do be­ne­fi­ci­a­das in­de­vi­da­men­te por meio da anu­la­ção de au­tos de in­fra­ção, de­sem­bar­go de ati­vi­da­de e res­ti­tui­ção de bens apre­en­di­dos de em­pre­sas de pes­ca­do que atu­am na pes­ca e ex­por­ta­ção de la­gos­tas ou em­pre­en­di­men­tos ho­te­lei­ros po­ti­gua­res.

Ao me­nos três com­pa­nhi­as do ra­mo de pes­ca de la­gos­ta fo­ram ile­gal­men­te be­ne­fi­ci­a­das pe­lo su­pe­rin­ten­den­te. O de­le­ga­do da PF Os­val­do Sca­le­zi Jú­ni­or, que par­ti­ci­pou na ma­nhã de on­tem de uma en­tre­vis­ta co­le­ti­va na Su­pe­rin­ten­dên­cia da PF em Na­tal, dis­se que cha­ma­va a aten­ção as de­ci­sões cé­le­res e sem cri­té­ri­os téc­ni­cos to­ma­das por Clé­cio San­tos.

“As de­ci­sões ti­nham al­gu­mas se­me­lhan­ças que cha­ma­vam a aten­ção: ti­nham tra­mi­ta­ções cé­le­res nos pe­di­dos de re­ver­são das au­tu­a­ções e as de­ci­sões não ti­nham ne­nhum ti­po de fun­da­men­ta­ção ou eram con­trá­ri­as aos pa­re­ce­res téc­ni­cos. A ca­rac­te­ri­za­ção do cri­me de pre­va­ri­ca­ção des­sas de­ci­sões sem fun­da­men­ta­ção con­trá­ri­as aos pa­re­ce­res téc­ni­cos de­mons­tra uma es­pe­ci­al ten­dên­cia do in­ves­ti­ga­do em não pre­va­le­cer o res­pei­to à le­gis­la­ção am­bi­en­tal, e sim a ou­tros in­te­res­ses em­pre­sa­ri­ais”, afir­mou o de­le­ga­do Sca­le­zi.

Pre­va­ri­ca­ção, va­le des­ta­car, é o cri­me co­me­ti­do por fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co quan­do, in­de­vi­da­men­te, ele re­tar­da ou dei­xa de pra­ti­car ato de ofí­cio, ou mes­mo pra­ti­ca o ato con­tra dis­po­si­ção le­gal ex­pres­sa, com o ob­je­ti­vo de sa­tis­fa­zer in­te­res­se pes­so­al.

On­tem, cer­ca de 50 po­li­ci­ais fe­de­rais cum­pri­ram 11 man­da­dos ju­di­ci­ais de bus­ca e apre­en­são, além de uma me­di­da cau­te­lar de afas­ta­men­to de fun­ção pú­bli­ca, con­tra exa­ta­men­te o su­pe­rin­ten­den­te Clé­cio San­tos. As bus­cas acon­te­ce­ram em re­si­dên­ci­as e es­cri­tó­ri­os em­pre­sa­ri­ais nas ci­da­des de Na­tal, Goi­a­ni­nha, Ce­a­rá-Mi­rim, lo­ca­li­za­das na re­gião me­tro­po­li­ta­na, além de Ti­bau do Sul, no li­to­ral sul po­ti­guar, em um ho­tel lo­ca­li­za­do na Praia do Ma­dei­ro, um pon­to tu­rís­ti­co co­nhe­ci­do na­que­la re­gião.

A PF, in­clu­si­ve em re­la­ção a es­se em­pre­en­di­men­to, exem­pli­fi­ca a ce­le­ri­da­de in­co­mum a que San­tos to­ma­va su­as de­ci­sões em de­ter­mi­na­dos ca­sos. O ho­tel foi cons­truí­do em uma área de pro­te­ção per­ma­nen­te, em Ti­bau do Sul, e em 2011 re­ce­beu um au­to de in­fra­ção.

“Ocor­reu um pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo e uma de­ci­são pro­fe­ri­da fa­vo­rá­vel à au­tu­a­ção em 2015, no pró­prio Iba­ma. Em fe­ve­rei­ro de 2017 a em­pre­sa apre­sen­tou um re­cur­so ad­mi­nis­tra­ti­vo. No dia útil se­guin­te o pro­ces­so foi ar­qui­va­do pe­lo su­pe­rin­ten­den­te, in­cluin­do uma mul­ta im­pos­ta. Te­nho uma mul­ta e um pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo de san­ção que du­rou seis anos e de re­pen­te, em um dia útil re­ver­to tu­do e arquivo o pro­ces­so”, des­ta­cou o de­le­ga­do Os­val­do Sca­le­zi Jú­ni­or.

O NO­VO en­trou em con­ta­to com o Iba­ma, mas até o fe­cha­men­to des­ta ma­té­ria não hou­ve qual­quer pro­nun­ci­a­men­to do ór­gão fe­de­ral.

FE­LI­PE GAL­DI­NO / NO­VO

// Re­pre­sen­tan­tes da Po­lí­cia Fe­de­ral e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral ex­pli­cam de­ta­lhes da Ope­ra­ção Ko­da­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.