Po­li­ci­al é ino­cen­ta­do, mas MPE vai re­cor­rer

Novo Jornal - - Primeira Página -

Ti­bé­rio Vi­ni­cius Men­des de Fran­ça, réu con­fes­so da mor­te do po­li­ci­al ci­vil Iri­a­no Se­ra­fim Fei­to­sa, é ino­cen­ta­do. MPF con­si­de­ra a de­ci­são um ab­sur­do.

OMi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio Gran­de do Nor­te (MPRN) re­cor­reu da de­ci­são do jú­ri po­pu­lar que ino­cen­tou o po­li­ci­al ci­vil Ti­bé­rio Vi­ni­cius Men­des de Fran­ça, na ma­dru­ga­da des­ta ter­ça-fei­ra (12). O pro­mo­tor de Jus­ti­ça Au­gus­to Flávio Aze­ve­do en­trou com o re­cur­so lo­go após a sen­ten­ça, ain­da na ma­dru­ga­da, e já es­tá pre­pa­ran­do as ar­gu­men­ta­ções. O MPRN tem oi­to di­as pa­ra apre­sen­tar as ape­la­ções, que se­rão fun­da­men­ta­das no fa­to de que a de­ci­são do jú­ri con­tra­ria ve­e­men­te­men­te as pro­vas dos au­tos.

“O pro­ces­so in­tei­ro é re­ple­to de pro­vas. Nos au­tos, fi­cou com­pro­va­do o pla­ne­ja­men­to do cri­me, já que a pes­soa as­su­me que mo­di­fi­cou a pró­pria mo­to, ade­si­van­do de ou­tra cor; com­prou uma pis­to­la 9 mi­lí­me­tros, que é tí­pi­ca de ma­ta­dor, du­as se­ma­nas an­tes do cri­me; per­ma­ne­ceu du­ran­te qua­se uma ho­ra à es­prei­ta dos al­vos e ar­mou uma fu­ga com to­dos os ele­men­tos. A de­ci­são pe­la ab­sol­vi­ção é ab­sur­da”, de­cla­rou o pro­mo­tor.

O jú­ri po­pu­lar acei­tou a te­se da de­fe­sa que ale­gou que o po­li­ci­al, ape­sar de ter ad­mi­ti­do o fei­to, o fez sob for­te emo­ção. Ti­bé­rio con­fes­sou ter ma­ta­do a ti­ros o co­le­ga de pro­fis­são Iri­a­no Se­ra­fim Fei­to­sa, fa­to ocor­ri­do em fe­ve­rei­ro de 2016. A mu­lher de Iri­a­no, a ad­vo­ga­da Ana Pau­la Se­ra­fim, tam­bém foi ba­le­a­da, mas re­sis­tiu. O ca­sal es­ta­va em seu veí­cu­lo quan­do foi abor­da­do por um ho­mem em uma mo­to­ci­cle­ta. O mo­to­cil­cis­ta se apro­xi­mou e efe­tu­ou vá­ri­os dis­pa­ros, ma­tan­do o po­li­ci­al Iri­a­no e fe­rin­do a ad­vo­ga­da Ana Pau­la.

Em de­poi­men­to, o réu afir­mou que es­ta­va sen­do per­se­gui­do na Po­lí­cia Ci­vil por­que de­nun­ci­a­ra um gru­po cor­rup­to den­tro da ins­ti­tui­ção, do qual Iri­a­no fa­zia par­te. O ar­gu­men­to da de­fe­sa ga­nhou o jú­ri. As­sim, a pri­são pre­ven­ti­va do po­li­ci­al foi re­vo­ga­da e ele de­ve ser li­be­ra­do do Pre­sí­dio Pro­vi­só­rio Rai­mun­do No­na­to, na Zo­na Nor­te de Na­tal, on­de es­ta­va de­ti­do.

FU­GA

No dia 22 de mar­ço de 2016, Ti­bé­rio foi pre­so co­mo sen­do o ati­ra­dor. Em ju­nho da­que­le ano, ele che­gou a fu­gir de uma car­ce­ra­gem den­tro do quar­tel do Ba­ta­lhão de Ope­ra­ções Po­li­ci­ais Es­pe­ci­ais (Bo­pe), on­de es­ta­va cus­to­di­a­do. Ele foi pre­so pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral um mês de­pois, em Ca­bro­dó, no ser­tão de Per­nam­bu­co, sen­do en­ca­mi­nha­do ao Rai­mun­do No­na­to em se­gui­da.

O jul­ga­men­to, que co­me­çou na ma­nhã da se­gun­da-fei­ra (11), foi pre­si­di­do pe­la juí­za Eli­a­na Al­ves Ma­ri­nho, e acon­te­ceu no tri­bu­nal do jú­ri do Fó­rum Mi­guel Se­a­bra Fa­gun­des, em Na­tal.

CEDIDA / PM

DIVULGAÇÃO / PM

// Ti­bé­rio Vi­ni­cius Men­des de Fran­ça, po­li­ci­al ci­vil: ino­cen­ta­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.